Clicky

Convergência Digital - Home

Claranet compra Mandic. Terceira aquisição em cinco anos no Brasil

Convergência Digital
Ana Paula Lobo* - 19/04/2021

A Claranet Technology S/A, parte da multinacional inglesa de tecnologia com foco em nuvem híbrida, cibersegurança e plataformas digitais no Brasil, anunciou nesta segunda-feira, 19/04, a aquisição da Mandic, que tem 200 certificações em tecnologias de nuvem e é pioneira na democratização da Internet e jornada digital, com 30 anos de atuação. Os valores da transação não foram revelados pelas partes.

A Mandic, criada por Aleksanser Mandic, começou como um provedor Internet na década de 90 com um provedor de internet por conexão discada. Na década seguinte, surgiu uma empresa que oferecia serviço de soluções em computação em nuvem, vendido em 2012 por R$ 100 milhões, mas que manteve a marca Mandic, até ser vendida agora à Claranet. Não há no informe ao mercado um posicionamento se o brand Mandic será mantido ou não depois da incorporação das empresas.

A aquisição faz parte do plano de crescimento da Claranet no Brasil, que triplicou a receita em menos de 18 meses e agora passa dos R$250 milhões ao ano, com margem EBITDA de cerca de 30%. A Riverwood Capital foi o principal investidor da Mandic desde 2012 e reterá uma participação minoritária na Claranet Technology S/A, cerca de 4% por dois anos.

"Aqui no Brasil estamos trilhando o caminho para liderar o mercado de nuvem híbrida, cibersegurança e plataformas digitais. Nossa ambição é continuar acelerando o crescimento, mantendo nossa agilidade para colocar soluções tecnológicas inovadoras à disposição de nossos clientes.", explica Edivaldo Rocha, CEO da empresa.

Ao longo dos últimos 9 anos, a Claranet soma 30 aquisições, sendo 3 no Brasil, com a CredibiliT em 2017, a CorpFlex em 2020 e, agora, a Mandic. "A expansão para o Brasil em 2017 foi uma estratégia deliberada, de entrada num mercado de TI já desenvolvido, mas ao mesmo tempo oferecendo elevado potencial de crescimento. Estamos fazendo no Brasil o mesmo caminho que iniciamos em outros países da Europa, conciliando crescimento orgânico com consolidação do mercado, para atingir a liderança", explica António Miguel Ferreira, do Executive Board do grupo Claranet.

Com a aquisição, a operação brasileira passa a ter mais de 450 colaboradores e atender mais de 5 mil clientes corporativos. Entre eles, grandes nomes, como: Embraer, Natura, Banco Inter, Lojas Lebes, Bradesco, Samsung, Travelex, Sky, Burger King, Globo, DuPont, iFood, Visa, Banco Fibra, Anbima, BBM, Ipiranga, Unimed, Mills e Alelo.

"Para nós é um grande orgulho unir forças com toda essa nova equipe super engajada e com total alinhamento com os negócios dos nossos clientes. A fusão com a Mandic vai nos permitir acelerar em inovações, bem como investir na expansão do portfólio, olhando para a área de DevOps, na qual a companhia tem grande expertise", pontua Edivaldo.

Maurício Cascão, CEO da Mandic, agora assumirá a responsabilidade da Inovação na Claranet Technology S/A. "Com experiência e ambição, a Claranet é o grupo certo para criar um futuro de crescimento através da tecnologia, para os colaboradores, e clientes da Mandic. As empresas são complementares e estamos muito confiantes", afirma Maurício.

"Estamos orgulhosos de ter apoiado a Mandic durante este período crítico de crescimento e jornada para se tornar um provedor líder de serviços em nuvem híbrida no Brasil", diz Francisco Alvarez-Demalde, cofundador e sócio-gerente da Riverwood Capital. "Estamos ansiosos para trabalhar com essa equipe incrível enquanto eles continuam a inovar para seus clientes e para a indústria, agora em colaboração com uma das principais empresas de nuvem, construindo um líder global no setor", finaliza. A Olímpia Partnes atuou como consultor financeiro exclusivo da Mandic e Riverwood Capital nesta transação.

*Com informações da Claranet


Destaques
Destaques

Multinuvem do Serpro vai concorrer com a do Ministério da Economia

Estruturada a parceria com AWS, Huawei e Azure, da Microsoft, estatal passa a disputar contratos com órgãos públicos, em briga direta com nuvem licitada e gerida pela Secretaria de Governo Digital.

Por que se tornar uma empresa data-driven?

Data-driven ou orientada a dados. É esse o novo lema das companhias que, cada vez mais, estão armazenando e analisando dados em busca de insights de negócios. Mas o que as empresas devem fazer para abraçarem os dados de forma a promover benefícios estruturais e longevos? A resposta não é simples.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.

Cloud é bom, mas quem gerencia?

Edmilson Santana*

Se a nuvem soluciona problemas de um lado, de outro sua operação demanda a formação de um time capaz de traduzir demandas de negócio em continuidade operacional, e isso de forma ágil, produtiva e consistente.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site