Clicky

SEGURANÇA

ANPD: Quem coletar dados no 5G será responsável pelo dano ao usuário

Luís Osvaldo Grossmann ... 24/02/2021 ... Convergência Digital

Velocidades ainda maiores e especialmente a capacidade de multiplicar a quantidade de dispositivos conectados são características positivas do 5G, mas que também podem ser usadas para amplificar problemas já conhecidos, notadamente o vazamento de informações. 

Como ressaltou o presidente da Autoridade Nacional de Proteção de Dados, Waldemar Gonçalves, ao debater as redes de 5G na Câmara dos Deputados, nesta quarta, 24/2, a infraestrutura não encerra ou justifica problemas. Independentemente de qual a rede, a responsabilidade pela proteção de dados pessoais é de quem os coletou. 

“A conformidade com a Lei Gearal de Proteção de Dados é fundamental e vai ser a tarefa de quem coleta dados. As operadoras, as diversas empresas que coletarem dados, ao acessarem o 5G, precisam ter como grande preocupação trabalhar em chaves criptográficas mais seguras, independentemente do hardware que estiver utilizando. Montar uma estrutura de governança em conformidade com a LGPD. Não se pode admitir que a solução justifique grandes vazamentos. Quem coleta dados vai ter que ter responsabilidade e tomar todos os cuidados para não causar nenhum dano ao titular. Quem estiver no 5G precisa considerar a LGPD.”

Como apontou o presidente da ANPD, tecnologias mais avançadas também permitem ataques mais potentes. “Tivemos noticias de vários vazamentos, primeiro de 223 milhões de brasileiros, depois 100 milhões, no caso das empresas de telefonia, e a Autoridade vê com grande preocupação a facilidade e velocidade que a rede 5G vai proporcionar a todos. Tem o lado bom da internet das coisas, mas se olharmos pelo lado de um hacker, as invasões serão muito produtivas.”

Na audiência pública do GT do 5G da Câmara na qual o cerne da discussão foi a segurança das redes, o presidente da ANPD reforçou que a proteção de dados existe independe da infraestrutura adquirida. “Empresas precisam trabalhar junto a todos os funcionários para que dados sejam protegidos, independente de quem é o fabricante dos componentes. A responsabilidade é de quem coletou os dados. Toda ocorrência de vazamento, de compartilhamento indevido, tudo que ocorrer sem prévia autorização do titular será fiscalizado. O lado mais fraco da corda é o titular de dados. É a ele que a ANPD vai proteger. Deve ser mais uma preocupação a todas as empresas que entram na tecnologia e 5G considerar em todos os seus parâmetros a LGPD.”


Morre Raphael Mandarino Jr, especialista em segurança da informação no governo

Primeiro diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações da Presidência da República, Raphael Mandarino Jr, morreu neste sábado, 08 de maio. O Convergência Digital apresenta condolências à família e lamenta muito a perda de um especialista do setor.

Em cada 10 HDs ou cartões de memória descartados, nove contém dados pessoais

Estudo mostra que em 74% dos casos foi possível recuperar arquivos esquecidos, como anotações de reuniões, documentos fiscais, informações fiscais entre outras, nas mídias digitais. 

Banco é condenado a indenizar cliente vítima de golpe do WhatsApp

Decisão foi do juiz Guilherme Ferreira da Cruz, da 45ª Vara Cível Central de São Paulo e abre precedente para outras ações.

Reuso de dados em poder do governo exige regras específicas

Em artigo anterior à nomeação para ANPD, Miriam Wimmer discute a necessidade de salvaguardas para o uso de informações pelo Estado para finalidades diferentes das que justificaram a coleta original. 



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G