Home - Convergência Digital

Teles querem filtros nas parabólicas e 100 MHz adicionais no leilão 5G

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 11/12/2019

Na véspera da votação, pela Anatel, da proposta que vai à consulta pública sobre o leilão do 5G, as operadoras de telecom Algar, Claro, Oi, TIM, Sercomtel e Vivo, associadas aos fabricantes Cisco, Ericsson, Huawei, Nokia e Qualcomm divulgaram nesta quarta-feira, 11/12, um posicionamento público em favor de mais espectro na principal faixa dessa licitação, 3,5 GHz, e a opção pela solução mais econômica para a mitigação de interferência na recepção das antenas parabólicas. 

“Feita a análise dos potenciais impactos decorrentes de uso dos cenários identificados, avaliamos que a melhor alternativa, sob os aspectos técnico, social e econômico, a ser considerada nas políticas públicas que orientarão o edital para uso da faixa de 3,5 GHz, é a mitigação de interferências, permitindo a convivência entre os sistemas do 5G com a TVRO na Banda C na faixa de 3,7 a 4,2 GHz. Para isso serão utilizados filtros (LNBF) de nova geração, conferindo maior segurança técnica para os proponentes e menor impacto para a sociedade”, diz o posicionamento.

Essa solução concentra a televisão na Banda C  (3,8-6,2 GHz) e se opõe ao que defendem as emissoras de televisão, que preferem a migração para a banda Ku (10-18 GHz). O uso de filtros, alega a indústria de telecom, “terá um custo aproximado de R$ 456 milhões, enquanto a migração de 100% dos usuários, somente na recepção, para a banda Ku implicará em um custo de R$ 7,8 bilhões”.

A solução das teles significa manter a TVRO para além dos 3,8 GHz, liberando a chamada ‘Banda C estendida’, entre 3,6 e 3,7 GHz, para uso pelas aplicações móveis. Ou seja, o leilão poderia oferecer os 400 MHz de banda entre 3,4 a 3,7 GHz, cenário para quatro compradores de blocos de 100 MHz, e ainda seria estabelecida uma banda de guarda de 100 MHz até os 3,8 GHz, desenho que associado aos filtros LBNF nas antenas evitaria as interferências. 

“A opção pela mitigação salvaguarda importantes recursos que poderão não só serem empregados na melhoria da cobertura e da qualidade das redes de telecomunicações, mas, principalmente, no desenvolvimento do 5G no país, com impacto direto sobre os usuários dos serviços, e a operacionalização desta opção já deveria estar explícita na proposta de edital a ser submetida a consulta pública pela Anatel, proporcionando maior segurança jurídica ao processo licitatório”, concluem.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/02/2020
Claro, Ericsson e Qualcomm fazem teste de compartilhamento dinâmico de espectro 5G na AL

17/02/2020
Consulta sobre edital do 5G começa a receber sugestões

12/02/2020
Huawei diz que está pronta para continuar parceria com as teles no 5G

12/02/2020
Leilão 5G: TIM diz que comprar banda para revender não pode estar na regra do jogo

11/02/2020
Governo do Brasil ainda avalia restringir Huawei na implantação do 5G

07/02/2020
Fechar a porta à Huawei no 5G vai custar US$ 21,9 bilhões ao PIB dos EUA até 2035

07/02/2020
Governo dos EUA sugere comprar controle de Ericsson e Nokia para bater a Huawei

07/02/2020
Coronavírus faz Ericsson desistir do Mobile World Congress. GSMA garante o evento

06/02/2020
Presidente da Anatel arrisca leilão do 5G acontecendo em novembro

06/02/2020
5G: Edital vai à consulta com 400 MHz em 3,5 GHz e bloco exclusivo para os pequenos

Destaques
Destaques

5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Tecnologia é apontada como 'uma revolução na comunicação de dados, no potencial de emprego de equipamentos de Internet das Coisas e na prestação de novos e disruptivos serviços".

5G: Diretrizes genéricas deixam espaço para acordo entre teles e TVs

Portaria do MCTIC não detalha qual a solução para interferências, indicando somente “medidas de melhor eficiência técnica e econômica”. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site