Oi não sai diminuída em relação às rivais, garante Rodrigo Abreu

Ana Paula Lobo ... 09/09/2020 ... Convergência Digital

A Oi é peça significativa na engrenagem das telecomunicações do Brasil e não sai desse aditamento do plano de recuperação judicial, aprovada nesta segunda-feira, 08/09, diminuída ou com menor valor diante das rivais, garantiu o presidente da operadora, Rodrigo Abreu, em coletiva concedida na madrugada do dia 09/09, após a aprovação pelos credores do aditamento do plano de RJ pela maior parte dos mais de 5000 credores.

"Somos a única operadora presente em 5500 cidades do País, mas descobrimos que é impossível tentar fazer tudo em todos os segmentos, para todos os clientes em todo o país. Essa equação é economicamente inviável e foi o que fizemos nos últimos 20 anos. A nova Oi não será diminuída diante dos rivais. Ao contrário. Nosso objetivo é ficar maior em novos serviços", afirmou Rodrigo Abreu, ao responder questionamento sobre o futuro da Oi feito pelo Convergência Digital.

Abreu confirmou que a nova empresa que virá da separação estrutural, a Oi S.A vai disputar a liderança em banda larga por fibra, em serviços empresarias, em serviços de conteúdo, em serviços corporativo e em serviços de governo, além dos serviços digitais que vão vir com as novas tecnologias. Já a empresa de infraestrutura, a Oi InfraCo será crucial para o fomento às aplicações 5G, que exigem uma ampla e robusta infraestrutura.

O presidente da Oi, Rodrigo Abreu, falou ainda sobre o voto da Anatel na Assembleia de Credores. A agência reguladora, ao contrário do que aconteceu na decretação da recuperação judicial, em 2017, votou e aprovou o aditamento do plano de RJ, em função das negociações firmadas em função da Lei 13988, criada para facilitar a negociação de débitos com a União dos inscritos na dívida ativa por conta da pandemia de Covid-19. "Negociamos e estamos usando os instrumentos legais para tratar com a Anatel, nosso maior credor individual e isso foi feito e a agência votou a favor do nosso plano", reiterou.

A CFO da Oi, Camille Faria, informou ainda que com o novo aditamento de recuperação judicial, a dívida da Oi prevê o pagamento de R$ 26,2 bilhões, sendo pagamento integral ao BNDES, do empréstimo-ponte de R$ 3,6 bilhões e o pagamento antecipado das dívidas com os bancos - principais opositores e derrotados ao final na ACG - de R4 9,3 bilhões. "Com essa previsão a nossa dívida cai para R$ 15,9 bilhões, a depender das operações de alienação da Oi Móvel e da venda do controle da InfraCo", disse a executiva. Em junho, no balanço financeiro, a Oi reportou uma dívida de R$ 42,1 bilhões, com valor justo de R$ 26,2 bilhões.


Internet Móvel 3G 4G
TIM ativa piloto de banda larga fixa com 5G DSS

Primeiros 300 clientes iniciaram testes da tecnologia em Bento Gonçalves (RS), Três Lagoas (MS) e Itajubá (MG). Operadora está entregando os equipamentos em comodato para os testes.

Anatel flexibiliza regras para as MVNOs

Em especial, agência passa a permitir que operadoras virtuais possam fazer contratos com mais de uma prestadora na mesma área de registro. 

Carlos Baigorri toma posse no Conselho Diretor da Anatel

Em cerimônia no Ministério das Comunicações, o novo conselheiro afirmou que "a Anatel tem diversos desafios para o ano que vem, como o leilão de 5G, e temos que garantir que a conectividade chegar a todos rincões do País, com qualidade e a preços acessíveis à população para que todos os brasileiros possam exercer a sua cidadania”.

Feninfra diz que sem desoneração da folha país perde R$ 2 bilhões e 500 mil empregos em Telecom

Segundo a presidente da entidade, Vivien Suruagy, caso o Congresso não derrube o veto de Bolsonaro à medida, haverá um "apagão de tecnologia" no país.

STJ confirma condenação da Telefônica por falta de cartões telefônicos

Multa estipulada foi de R$ 3 milhões, por conta da não venda de cartões indutivos de 20 unidades. Condenação da operadora foi mantida pela 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G