TELECOM

Embratel: satélites de baixa órbita miram novas aplicações de IoT e M2M

Por Fábio Barros e Carlos Afonso ... 30/10/2019 ... Convergência Digital

Anos depois do final de iniciativas como a Iridium e a GlobalStar, as constelações de satélites de baixa órbita estão de volta ao mercado. A seu favor, neste retorno, elas têm tecnologia mais avançada e flexibilidade, que as tornam uma opção viável para aplicações de banda larga.

Em um painel realizado no Futurecom 2019, o diretor geral da Embratel Star One, Lincoln Oliveira, afirmou que há hoje um grande clima no mercado por causa da chegada das constelações de satélites de baixa órbita. “Isso tem nos levado a estudá-las para entender como poderão chegar ao nosso ecossistema e como conviverão com nossos satélites já existentes”, explicou. 

De todo modo, Oliveira disse que o mercado já sente o impacto destas novas constelações. Primeiro: como elas prometem serviços mais baratos, somente a expectativa de sua chegada já tem causado reduções de preço. Outra consequência é a criação de novas cadeias de valor no mercado. “Para enfrentar os desafios que estas constelações estão trazendo, o mercado tem desenvolvido novas formas de fabricação de satélites  e novos modelos de negócios. São benefícios interessantes provocados por estas mudanças”, avaliou.

Segundo o head de Desenvolvimento Corporativo para a América Latina da SES Networks, Fabio Alencar, no futuro o mercado deve assistir à convivência entre sistemas geoestacionários e as constelações LEO. “Tanto que estamos caminhando no sentido de desenvolver sistemas de controle e alocação de recursos, que serão importantes neste novo cenário”, afirmou.

Para Mauro Wajnberg, general manager da Telesat, o mercado está demandando bandas elevadas, baixa latência e menor custo por bit, o que torna a arquitetura LEO a mais indicada. “Uma constelação LEO entrega terabits e isso permite que tenhamos um custo menor pela escala de entrega”, disse, revelando que a companhia lançou seu primeiro protótipo LEO no ano passado e agora realiza suas primeiras provas de conceito.

Oliveira, da Star One, observou que as constelações em desenvolvimento vão atender aplicações de IoT, M2M e outras. É esta gama de possibilidades que tem atraído para o mercado empresas como a Amazon, que está desenvolvendo sua própria constelação. “É este cenário que temos utilizado como pano de fundo para avaliar e estudar nosso posicionamento daqui para a frente”, afirmou. Assistam à entrevista com Lincoln Oliveira, da Embratel Star One.


Internet Móvel 3G 4G
Reino Unido contraria teles e confirma leilão 5G para janeiro de 2021

Ofcom, a Anatel do Reino Unido, não quis receber cerca de R$ 8 bilhões das teles, e manteve a oferta de 80 MHz em 700 MHz e 120 MHz entre 3,6 GHz e 3,8 GHz. Teles tentaram ficar com as frequências como 'compensação' à retirada dos equipamentos Huawei das suas redes.

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G