Com 34 milhões de clientes, Oi Móvel acirra a disputa entre Vivo, TIM e Claro " /> Oi reafirma fibra ótica como prioridade e quer R$ 1,5 bilhão com venda de torres e data centers - Convergência Digital - Telecom

Oi reafirma fibra ótica como prioridade e quer R$ 1,5 bilhão com venda de torres e data centers

Ana Paula Lobo ... 26/03/2020 ... Convergência Digital

Apesar da pandemia do coronavírus, a Oi mantém a expectativa de arrecadar R$ 1,5 bilhão com as vendas das torres móveis e dos datacenters ainda no primeiro semestre de 2019, afirmou o CEO Rodrigo Abreu, em teleconferência de resultados do quarto trimestre nesta quinta-feira, 26/03. O balanço financeiro reportou um prejuízo líquido de R$ 2,3 bilhões, mas 2019 foi considerado um 'ano de recuperação onde as estratégias definidas trouxeram resultado positivo'.

O caixa da Oi fechou o ano com R$ 2,3 bilhões, uma queda de 50,3%, mas também foi justificada pelo investimento feito no que foi classificado por Rodrigo Abreu, a espinha dorsal da recuperação da operadora: fibra ótica. "Passamos a fibra em 4,6 milhões de casas em 2019. Nossa meta para 2020 é chegar a 8,6 milhões. E transformar casa passada para casa conectada também é ambiciosa. Fechamos 2019 com 675 mil novos assinantes e para este ano, a projeção é chegar a 1,8 milhão, com um ARPU de R$ 85,00", reforçou

O CEO da Oi revelou ainda uim um plano de “de-averaging”, pelo qual mapeou 18 mil estações e centrais como forma de acelerar o desinvestimento em cobre- acesso via XDSL - e o impacto da medida na receita da empresa, mas diz que a receita dos novos usuários da fibra compensa o movimento. "Não vendemos mais cobre e só estamos investindo no que é obrigação regulatória à espera do que virá com a regulamentação do novo Marco Legal de Telecom", pontuou. O plano projeta reduzir as perdas derivadas da concessão em até R$ 1 bilhão no médio prazo.

Sobre o impacto do coronavírus na Oi, Rodrigo Abreu disse que as medidas de contingência foram tomadas para preservar as pessoas. O CEO admitiu que as vendas de aparelhos vai cair, com o fechamento das lojas em todo o Brasil como ação de combate à pandemia. "Tomamos todas as medidas para preservar as pessoas. Sabemos que haverá impacto, mas o setor de telecom está trabalhando em conjunto para assegurar a continuidade dos serviços", completou.

balanço financeiro

A Oi, que entrou com pedido de recuperação judicial em junho de 2016, divulgou prejuízo líquido trimestral de R$ 2,3 bilhões contra uma perda de R$ 3,3 bilhões de reais em 2018. A operadora reportou uma receita líquida de 4,9 bilhões de reais no quarto trimestre encerrado em 31 de dezembro, queda de 8,4% em relação ao ano anterior, principalmente devido à queda na receita de telefones fixos, parcialmente compensada pela maior receita com redes móveis.

A receita líquida consolidada totalizou R$ 20.136 milhões no ano de 2019 com queda de 8,7% em relação a 2018. Desse montante, R$ 7,26 bilhões correspondem ao segmento Residencial (-13,5%, R$ 7,01 bilhões ao segmento de Mobilidade Pessoal (-2,8%), R$ 5,52 bilhões ao segmento B2B (-7,6%). A tele manteve a previsão estimada do Capex, em 2019, mas também fez uma pequena antecipação, chegando a R$ 7,4 bilhões em dezembro. Para 2020, prevê a manutenção dos níveis de investimento em R$ 7 bilhões.

O resultado levou a aumento do endividamento do grupo. O bruto passou de R$ 16,45 bilhões para R$ 18,22 bilhões. Já a dívida líquida aumentou de R$ 11,82 bilhões para R$ 15,92 bilhões. Conforme a empresa, a elevação foi resultado do acréscimo de juros em moeda nacional e estrangeira, da amortização do ajuste a valor presente (AVP), bem como da desvalorização do Real frente ao Dólar no ano, que foi de 4,0%. O caixa consolidado da Companhia ao final de 2019 totalizou R$ 2,3 bilhões, nova redução no ano, desta vez de 50,3%. A queda no nível do caixa se deveu à estratégia de investimentos, previsa no plano estratégico.

A Oi terminou 2019 com 7 milhões de clientes de telefonia fixa no segmento Residencial, redução de 15,4% em relação ao 2018, refletindo a tendência de queda de demanda por voz e substituição por dados. A Companhia fechou o ano com 4,2 milhões de clientes de banda larga fixa no segmento Residencial, redução de 13,9% versus 2018. A queda se justifica principalmente pela maior competição de players locais que oferecem serviços de banda larga em pequenas cidades, fora dos grandes centros urbanos.

No produto de TV Paga, a Companhia apresentou o melhor desempenho do mercado no ano, +0,5p.p. de market share, alcançando 9,6% do mercado brasileiro em dezembro de 2019. No segmento de mobilidade pessoal, a Oi fechou 2019 com 34 milhões de clientes, uma redução de 2,9% quando comparado a 2018. Nos últimos doze meses, essa redução é representada por 1,02 milhão de UGRs, sendo 2,81 milhões usuários pré-pagos e adição de 1,78 milhão de assinantes de pós-pagos.

A redução do Pré-pago é reflexo da tendência do mercado de consolidação de chips. A Oi praticamente manteve seu patamar de Market Share no Pré (21,0% versus 20,9%). Por outro lado, no Pós-pago, impulsionado pelos investimentos em 4,5G que propiciaram o lançamento de um novo portfólio de ofertas, a Oi reverteu a tendência dos últimos anos e conseguiu adicionar mais de 1,7 milhão de clientes à sua base.

A Oi encerrou 2019 com uma base elegível ao Oi Play, de 4,4 milhões de clientes (1,4 milhão – clientes TV, 1,8 milhão – clientes banda larga, 1,2 milhão – clientes Móvel), 21,6% dessa base já acessou a nova plataforma. No B2B, a Oi encerrou 2019 com 6,59 milhões (6,72 milhões em 2018) UGRs, uma redução de 1,7%. Para o segmento Corporativo, os esforços continuaram na venda dos serviços de Dados e de TI para capturar novas e crescentes demandas de mercado e reduzir a dependência dos serviços de voz.


Internet Móvel 3G 4G
Huawei dá o troco e Qualcomm alerta para o risco dos EUA perder muito dinheiro

Em documentos ao governo dos EUA, a fabricante adverte que o bloqueio não vai impedir acesso da fabricante à tecnologia de ponta, mas sim prejudicar os fornecedores americanos, inclusive, no 5G. Huawei já avisou que Mate 40 será último com chip Kirin.

Anatel recria 10 colegiados após extinção por Decreto presidencial

Uso do Espectro, Defesa dos Usuários, Prestadoras de Pequeno Porte, Aferição da Qualidade, Ofertas de Atacado, Acompanhamento de Redes são alguns dos grupos reestabelecidos pela agência. 

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G