Clicky

NEGÓCIOS

CIP e R3 fecham acordo para usar Corda na rede blockchain do sistema financeiro

Convergência Digital* ... 23/03/2020 ... Convergência Digital

A CIP - Câmara Interbancária de Pagamentos e a R3, empresa especializada no desenvolvimento de blockchain corporativo, firmaram parceria para a Rede Blockchain do Sistema Financeiro Nacional (RBSFN), que foi anunciada durante o CIAB Febraban de 2019, principal evento de TI para o sistema financeiro da América Latina. À época, a escolha foi para a plataforma Hyperledger Fabric, da IBM.

A iniciativa, implementada pela CIP e pela Febraban, é a primeira rede de blockchain do setor no Brasil. Ela permite o compartilhamento de informações entre as instituições parceiras protegendo dados de forma acessível, ágil e segura. Com a nova parceria, a rede passa a implantar também a arquitetura do Corda, criada pela R3, em 2017, e que já conta com mais de 300 entidades participantes de seu ecossistema, incluindo bancos, seguradoras, corporações, empresas de tecnologia e reguladores de todo o mundo.

"Com o Corda R3 ampliamos as opções para os participantes da RBSFN, fornecendo opções de plataformas adequadas a cada modelo de negócio e caso de uso. Futuramente forneceremos a interoperabilidade entre plataformas. Acreditamos que será uma parceria de sucesso e que agregará muito valor ao sistema financeiro", afirma Joaquim Kavakama, Superintendente Geral da CIP.

O Diretor Geral da R3 no Brasil, Keiji Sakai, acredita que a parceria representa uma grande oportunidade para que instituições financeiras que já utilizam o Corda possam implementar soluções em uma rede já consolidada com maior agilidade e segurança. "Por sua arquitetura única, que garante privacidade em ambientes de ledger distribuído, acreditamos que o Corda se encaixa perfeitamente nos casos de uso em que a confidencialidade das informações é o principal requisito", afirma. "Para nós, é um grande privilégio contribuir com a experiência global que a R3 tem no mercado financeiro, junto aos projetos da CIP e Febraban".

Porque Corda R3

A plataforma Corda foi construída seguindo os requisitos de segurança, privacidade e escalabilidade definidos pelas instituições financeiras que fizeram parte do consórcio original da R3. Considerado como a Terceira Geração de plataformas Blockchain, ao contrário das tecnologias blockchain tradicionais onde os dados são compartilhados para todos os participantes, Corda foi concebido para que os dados das transações entre as partes sejam totalmente privadas, ou seja, não distribuídas para os outros nós da rede.

"A privacidade e segurança das informações aliadas à interoperabilidades de aplicações em sua rede tornaram Corda uma escolha natural para instituições financeiras, seguradoras e infraestruturas de mercado financeiro como a CIP, para os casos de uso onde a confidencialidade das informações são críticas para a operação" explica Sakai.


Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Cristiano Heckert, Luis Felipe Monteiro e Sílvio Meira confirmados no 5x5 TecSummit

Evento digital que acontecerá de 07 a 11 de dezembro. O 5x5 TecSummit é organizado pelo Convergência Digital, pelo Mobile Time, pelo Tele.Síntese, pelo Teletime e pelo TI Inside.

São Paulo responde por mais de metade das prestadoras de serviços de TI

Em 12 anos, o setor de TI emprega aumentou em 95% as vagas e chega a quase 500 mil trabalhadores.

Fintechs mostram sua força no cadastramento para o PIX

Banco Central revela que Nubank, Mercado Pago e PagSeguro foram as instituições com mais cadastros de chaves de identificação para o uso do pagamento instantâneo, a partir de 16 de novembro. Em nove dias, o Banco Central contabiliza 33,7 milhões de cadastramentos.

STJ: Uso de criptomoedas para lavar dinheiro é crime de competência estadual

Criptomoedas não são caracterizadas pelo Banco Central como moeda tampouco são consideradas valor mobiliário pela Comissão de Valores Mobiliários, portanto, o ministro Felix Fischer, do STJ, entendeu que não cabe à justiça federal julgar crimes envolvendo o ativo.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G