GESTÃO

Cruzamento de dados começa com estatais de TI, mas haverá espaço para o setor privado

Luís Osvaldo Grossmann ... 30/04/2020 ... Convergência Digital

Entre as iniciativas listadas na Estratégia de Governo Digital, um pilar fundamental é viabilizar a interoperabilidade das diversas bases de dados espalhadas pela administração federal. Segundo adianta o secretário de governo digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro, esse trabalho começa a ser contratado junto às estatais de tecnologia, como Serpro e Dataprev, por conta da sensibilidade das informações. Mas haverá espaço para o setor privado.

“A questão do barramento especificamente vamos começar com as empresas públicas em função da sensibilidade dos dados. Mas a partir do momento que a gente entender que algumas dessas APIs possam ser oferecidas pelo mercado privado vamos expandir. Nossa estratégia é ‘mercado primeiro’. A gente analisa se há soluções de mercado disponíveis, considerando naturalmente a segurança da informação, e abrimos as licitações. Queremos vários players privados e públicos oferecendo esse leque de plataformas centrais e teremos, sem dúvida, licitações à caminho”, diz Monteiro. 

Dentre as 58 ações da EGD, há um capítulo específico para a interoperabilidade das bases de dados públicas. Ali está previsto que o barramento de interoperabilidade dos sistemas do governo federal precisa começar ainda em 2020 “de forma a garantir que pessoas, organizações e sistemas computacionais compartilhem os dados”. Até 2022, isso deve garantir preenchimento automático de informações em pelo menos 900 serviços e o estabelecimento de 15 cadastros base de referência. 

“Não existe governo digital sem interoperabilidade de dados. Ou os dados correm entre as instituições públicas, ou quem vai correr é o cidadão, carregando pasta de documentos para provar quem ele é, com atestados, de um órgão para outro. É inadmissível que em 2020 ainda tenhamos essa situação no país”, afirma o secretário de governo digital. 

O trabalho começa pela organização do que o governo chama de ‘cadastros-base’. “São centenas de bases, de cadastros replicados, que precisam ser otimizados, seja por meio da integração entre eles, seja pela conexão com os cadastros-base. Os cadastros base são elemento central nessa estratégia de interoperabilidade, porque são os que melhores representam a interação com os serviços públicos, como o cadastro base do cidadão, que traz as características do cidadão, o cadastro base de empresas, com informações das empresas, cadastro base de veículos, de endereços, por exemplo. Unindo os cadastros com um barramento de interoperabilidade que estamos contratando temos os fundamentos tecnológicos dessa arquitetura que pretendemos entregar, expandir e implantar de forma a escalar dentro do governo federal.” Assistam ao trecho da entrevista com Luis Felipe Monteiro.


Carreira
Apps proibidos acirram confronto entre patrões e empregados no home office

Pesquisa mostra que mais de  50% da chamada geração Millenium e da geração Z ignoram as políticas de segurança dos empregadores. Levantamento da PWC, porém, também aponta que pouco mais de 20% das empresas, de fato, estabeleceram regras para o trabalho remoto.

Órgãos públicos estão obrigados a fazer relatórios trimestrais de transformação digital

Monitoramento será acompanhado pela Secretaria Especial de Modernização do Estado da Secretaria Geral da Presidência da República. Norma também aprova 23 planos de transformação digital dos órgãos do governo federal que estão em execução.

Teletrabalho: Brasil somou 8,7 milhões de trabalhadores em home office em junho

Estudo do IPEA mostra que o índice da adesão ao home office no serviço público é mais de três vezes a proporção do setor privado. Em junho, 24,7% dos trabalhadores do setor público exerciam atividade remota, mas, no setor privado, eram apenas 8%.

TCU dispensa papel e adota protocolo 100% digital

Documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da união, para qualquer finaldiade, agora devem ser encaminhados, exclusivamente, por meio dos serviços via internet. 

Trabalho remoto reduziu R$ 466 milhões em despesas de custeio do governo

Levantamento divulgado nesta segunda, 3/8, pelo Ministério da Economia, lista deslocamentos e viagens, além dos serviços de energia elétrica e comunicação como principais cortes com a pandemia de Covid-19.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G