Clicky

Anatel se divide e adia decisão sobre pedido da Sky

Luís Osvaldo Grossmann ... 15/04/2021 ... Convergência Digital

A Anatel sinalizou mais uma vez nesta quinta, 15/4, que reserva para a operadora de TV por assinatura Sky um lugar especial em seu coração. A partir de um pedido apresentado pela empresa no fim de janeiro deste ano, a agência discute suspender a eficácia de dois artigos do regulamento dos direitos do consumidor (RGC) que proíbem a cobrança antecipada por serviços. 

Para o relator do tema no Conselho Diretor, Carlos Baigorri, o pleito merece guarida, embora não pelos argumentos trazidos pela Sky – que citou até a chamada Lei de Liberdade Econômica (13.874/19) para reclamar que a impossibilidade de cobrar antecipadamente “aumenta indevidamente os custos dos serviços de telecomunicações”. 

Segundo Baigorri, a cobrança antecipada deveria ser permitida porque sua proibição cria desequilíbrio no mercado concorrencial, visto que as empresas que oferecem audiovisual por streaming via internet, não reguladas pela Anatel, podem adotar o tipo de cobrança que quiserem. 

“Essa restrição não faz mais sentido e acaba criando regras diferentes para players que disputam um mesmo mercado”, argumentou o relator, ao lembrar que uma única plataforma, a Netflix, com cerca de 17 milhões de assinantes no Brasil, já é, sozinha, maior que todo o mercado de TV paga do país, que tem 14 milhões de clientes. 

O detalhe é que a proibição da cobrança antecipada está prevista no novo RGC, que já passou por consulta pública e segue para deliberação final do Conselho Diretor da Anatel. O relator sustentou, no entanto, que o timing dessa decisão é prejudicial e que a cobrança antecipada deve ser permitida por meio de uma medida cautelar até que o novo regulamento do consumidor passe a valer.  

O voto foi acompanhado por Vicente Aquino, que foi relator do voto mais importante da vida da Sky. No começo de 2020, a Anatel, por maioria de 3 a 2, entendeu que a lei brasileira, no caso a Lei do Serviço de Acesso Condicionado (12.485/11), não merece ser respeitada por empresas que não são sediadas no país – o que evitou que a norte-americana AT&T fosse obrigada a vender a Sky no Brasil. 

O conselheiro Moisés Moreira abriu divergência. Segundo apontou, “não há dados que demonstrem onerosidade excessiva da norma questionada. Tampouco que essa mudança seja mais urgente que outras. Fosse por mera questão de assimetria com empresas não reguladas, deveríamos suspender integralmente o RGC. E embora reconheça que muitos usuários optem por OTTs, entendo que a possibilidade de cobrar antecipadamente não tornará o Seac mais atrativo aos usuários”. 

Moreira lembrou que a Sky é a única operadora de TV paga do país a reclamar da vedação à cobrança antecipada. Ademais, revelou que a própria Anatel tem elementos para verificar que o pleito busca regularizar a própria situação da operadora. Como explicou, a agência já tem um processo aberto para investigar exatamente a prática de cobrança antecipada pela empresa. 

“Tem processo contra a requerente, com fulcro em relatório de fiscalização de dezembro de 2020, no qual ficou registrado que Sky vem comercializando planos pós pagos com pagamento antecipado e não devolve valores aos clientes que rescindem o contrato. Tais achados dão fortes indícios que o pleito da requerente visam somente legitimar uma conduta contrária a regulamentação mas que já vem sendo praticada por ela.”

O presidente da Anatel, Leonardo Morais, acompanhou  a divergência. Com isso, o placar ficou em 2 a 2. Como o conselheiro Emmanoel Campelo está em férias, o voto decisivo ficou para a próxima reunião do Conselho, na primeira semana de maio. Pode ser um sinal de que a Sky ficou sem sorte no pedido atual. Campelo foi contra a decisão que favoreceu a Sky no caso AT&T. E é ele mesmo o autor da proposta do RGC que já foi e voltou da consulta pública. 


Internet Móvel 3G 4G
Brasileiros são os que mais aceitam rastreamento na atualização do iPhone

Pesquisa global com 15 milhões de usuários com base na primeira semana de disponibilidade do iOS14 mostra que uma pequena parte atualizou o sistema opracional. Mas desses, mais da metade aceitou ser rastreado por apps.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Chamadas de fixo para móvel terão reajuste de até 10,3%

Percentuais autorizados pela Anatel variam de acordo com cada operadora. Os menores foram para a Algar (3,1%), e os maiores para a Oi. 

TIM: Oi móvel é uma operação de venda para resolver um problema do setor

O vice-presidente da TIM, Mario Girasole, diz que os questionamentos fazem parte do rito. "Nós estamos resolvendo um problema de uma empresa que viveu uma situação muito crítica".

Gigantes se unem pelo OpenWiFi para contrapor o Open RAN

Quem está à frente da iniciativa é o Telecom Infra Project (TIP), também responsável pelo Open RAN para as teles celulares. O projeto OpenWifi surge com o apoio da Deutsche Telekom, Boingo e do Facebook. Lançamento oficial será no dia 12 de maio.

STF derruba lei municipal que impedia antena de celular a 100 metros de residências

Sob a justificativa de impedir exposição a campos eletromagnéticos, Lei de Valinhos (SP), de 2018, proibia infraestrutura de telecomunicações próximas a casas, parques, jardins e áreas de preservação. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G