Clicky

TIM: dizer que 5G DSS não é o 5G é obrigatório para não queimar a tecnologia

Ana Paula Lobo ... 16/12/2020 ... Convergência Digital

Mesmo mantendo o discurso de chamar o 5G DSS como 5G é um marketing, e considerado, até um risco à tecnologia, a TIM terá a tecnologia em 12 capitais, além das três cidades escolhidas para o piloto - Bento Gonçalves, no RS, Três Lagoas e Itajubá até o final deste ano. Mas o presidente da TIM, Pietro Labriola, em coletiva de imprensa, nesta quarta-feira, 16/12, reiterou a sua posição: o 5G DSS é marketing do 5G e é preciso deixar claro para o consumidor, que são tecnologias diferentes.

"O meu maior medo é queimar a tecnologia que será muito importante para as operadoras e para o futuro do Brasil. O 5G DSS não é a mesma coisa do 5G. A latência do 5G DSS é a mesma do 4G. O consumidor não pode ser enganado. Se ele se frustra com a experiência, teremos dificuldades mais à frente", advertiu Pietro Labriola. A iniciativa da TIM de ter o 5G DSS em 12 capitais será voltada 100% para a mobilidade e não para a banda larga fixa, como foram os três pilotos em Bento Gonçalves, Três Lagoas e Itajubá.

"Nós escolhemos ter a banda larga fixa nessas três cidades iniciais e distribuímos a CPE (modem) para fazer os testes. Expandindo para as grandes cidades, vamos direcionar para a mobilidade, mas deixando claro onde tem cobertura e em que partes. A TIM foi a única operadora com antena 5G homologada na Anatel até agora. Mas não vamos forçar o cliente a comprar um aparelho de R$ 10 mil. Quem tiver esse aparelho e quiser usar o 5G DSS, o fará. Não teremos a banda larga fixa porque são áreas mais densas e não vemos mercado nesse momento. Mas como disse o Pietro, vamos ser transparentes e deixar claro que o 5G DSS não é 5G", reforçou o CTIO, Leonardo Capdeville.

O calendário para o 5G DSS da TIM foi assim definido:  a partir deste mês, clientes da operadora em São Paulo, Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Curitiba poderão ter acesso, sem custos adicionais, à tecnologia. Até março, a expansão englobará ainda pontos em Brasília, Salvador, Fortaleza, Recife, Belém, Campinas, Santos e Florianópolis.

Em cada uma das cidades, as áreas de cobertura englobam alguns dos mais relevantes marcos, como o Esplanada dos Ministérios (Brasília), o Circuito Barra Ondina em Salvador, o Parque do Ibirapuera e a Avenida Paulista, em São Paulo e o Parque dos Patins, no Rio de Janeiro. Ao todo, serão dezenas de pontos distribuídos pelos municípios.




Internet Móvel 3G 4G
WEG testa planta piloto com 5G privado standalone da Nokia

Iniciativa conta com a parceria da ABDI e da Anatel, uma vez que duas radiofrequências serão avaliadas:uma, abaixo de 6 gigahertz (GHz), e, outra, mais alta, entre 27,5 GHz e 27,9 GHz.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Uso da faixa de 6 GHz avança no mundo. 2021 terá dispositivos e celulares Wi-Fi 6E

No Brasil, conselho diretor da  Anatel decide se vai destinar os 1200 MHz da faixa ao uso não licenciado, em movimento semelhante ao que já se deu nos Estados Unidos. Movimento semelhante acontece na Europa e no Oriente Médio.

Veja mais matérias deste especial    •    Inscrição gratuita - Clique aqui

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

Minicom: “Queremos o 5G standalone, que é o 5G de verdade, não um 4G plus”

Ao concluir viagem à Europa e Ásia para falar com fabricantes de equipamentos, o ministro das Comunicações, Fabio Faria, avisou que o governo também defende a exigência do release 16 do 3GPP no leilão da quinta geração. 

Claro e Vivo se isolam contra a exigência do 5G pleno

TIM, provedores regionais, pequenos prestadores e operadoras competitivas reforçaram aos parlamentares que 5G pleno não custa mais nem atrasa implementação no Brasil.

Anatel publica regras para fim das concessões de telefonia

Regulamento de Adaptação do STFC traz prazos e procedimentos para Oi, Telefônica, Claro, Algar e Sercomtel decidirem sobre a migração do regime público para privado. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G