GESTÃO

Federação Assespro reage à decisão do Serpro de avançar no mercado privado de TI

Convergência Digital* ... 17/09/2019 ... Convergência Digital

A entrevista do presidente do Serpro, Caio Andrade, à Reuters, na semana passada, onde o executivo disse que planejava captar clientes no setor privado e mirava um IPO na bolsa, independente de a estatal ter sido inserida na lista das empresas privatizáveis pelo governo Bolsonaro, repercutiu no setor privado de TI.

Em nota oficial, encaminhada nesta terça-feira, 17/09, a Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação - Assespro Nacional - afirma que 'vê com preocupação o futuro do Serpro, a maior estatal de tecnologia do país, quando sua diretoria anuncia, em entrevista à imprensa, que tem em seus planos o objetivo de captar clientes no setor privado passando dos atuais 1,3 mil para 4 mil até o final do ano que vem".

De acordo com a Federação Assespro, desde 2012, quando foi impetrada uma ação direta de inconstitucionalidade junto ao Supremo Tribunal Federal contra a Lei 12.249/2010 que retirava a necessidade de licitação para a contratação de serviços de TI do Serpro por alguns órgãos do governo federal, há ruídos com a forma de atuação da estatal.

No comunicado, a entidade - que está presente em 13 estados do País e reúne mais de duas mil empresas dos mais variados porte - adverte que o 'plano de negócios do Serpro ameaça tirar mercado das empresas brasileiras, uma vez que trata-se de uma empresa pública e não existe, na Constituição, nenhuma previsão para que ela atue dessa maneira. É o estado trabalhando contra a sociedade usando dinheiro público para gerar lucro para si próprio tirando oportunidades da iniciativa privada."

A Federação Assespro diz ainda que a decisão do Serpro contraria um recente protocolo de intenções assinado, em abril do ano passado, que previa o incentivo à interação técnica entre as instituições. O Convergência Digital publica a íntegra da nota oficial da Federação Assespro.

NOTA OFICIAL

A Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação - Assespro Nacional vê com preocupação o futuro do Serpro, a maior estatal de tecnologia do país, quando sua diretoria anuncia, em entrevista à imprensa, que tem em seus planos o objetivo de captar clientes no setor privado passando dos atuais 1,3 mil para 4 mil até o final do ano que vem.

O problema vem de longe. Desde 2012 quando entramos com uma ação direta de inconstitucionalidade junto ao Supremo Tribunal Federal contra a Lei 12.249/2010 que retirava a necessidade de licitação para a contratação de serviços de TI do Serpro por alguns órgãos do governo federal.

Agora, com o anúncio da expansão, o problema nos parece ainda mais amplificado. O plano de negócios do Serpro ameaça tirar mercado das empresas brasileiras. Trata-se de uma empresa pública e não existe, na Constituição, nenhuma previsão para que ela atue dessa maneira. É o estado trabalhando contra a sociedade usando dinheiro público para gerar lucro para si próprio tirando oportunidades da iniciativa privada.

O anúncio do plano de expansão do Serpro, aliás, vai também de encontro a um recente protocolo de intenções assinado conosco, em abril do ano passado, que previa o incentivo à interação técnica entre as instituições. O acordo visa a promoção de iniciativas que busquem a prospecção de soluções tecnológicas inovadoras para o Estado brasileiro, para os cidadãos e também para criar oportunidades de negócios entre as empresas de tecnologia da informação.

A Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação - Assespro Nacional é uma entidade sem fins lucrativos, regida por seus estatutos sociais, fundada em 1976 com o intuito de representar, de forma distinta e empreendedora, empresas privadas nacionais produtoras e desenvolvedoras de software, produtos e serviços de tecnologia da informação, telecomunicações e internet. Presente em 13 Estados do país, com diretorias regionais, a entidade reúne mais de duas mil empresas dos mais variados portes.

Diretoria Assespro







Carreira
Santander oferece 240 bolsas integrais para formar profissionais em programação

Selecionados participarão de curso de Web Full Stack , com duração de cinco meses, voltado ao mercado digital, e poderão ser convidados para os processos de seleção do banco. Iniciativa é feita em parceria com a Digital House.

Cartilha do MCTIC ao Congresso lista 150 programas que precisam de orçamento

Documento reúne sugestões como Gesac, redes de fibra óptica no Norte, Nordeste, base de Alcântara, satélite, entre outros. 

Teles adotam Código de Conduta de Telemarketing

São seis princípios básicos, entre eles ligações apenas em horários adequados e respeitar o desejo do consumidor que não quiser receber ligações. Segundo a Anatel,desde julho, quando foi criada a plataforma 'Não me Pertube', mais de dois milhões de telefones foram bloqueados para as operadoras.

Britânia adere à inteligência artificial na gestão e nos produtos

"A nossa ideia é ter pessoas qualificadas pensando em produtos melhores e não em funções repetitivas", diz a gerente de Marketing, E-commerce e parcerias da indústria, Samanta Puglia. A executiva admitiu que essa guinada já trouxe dores, entre elas, a mudança do quadro de pessoal.

Paraná adota Inteligência Artificial em serviços ao cidadão

Os serviços desenvolvidos pela Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar)são as ferramentas eleitas pelo Governo do Estado para ampliar a digitalização dos serviços, revela André Telles, assessor especial de Gestão Inteligente e Inovação.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G