TELECOM

Um terço dos brasileiros desperdiça dados móveis

Ana Paula Lobo ... 29/03/2019 ... Convergência Digital

Um terço dos brasileiros desperdiça dados móveis da franquia contratada junto a operadora, o que significa perder dinheiro ao final do mês, informa o analista Sênior do Ericsson Consumer & Industry Lab, André Gualda. Em entrevista ao portal Convergência Digital, o especialista revela que, por ano, o usuário médio brasileiro deixa de usar 14,4 gigabytes de dados contratados.

"Isso significa usar streaming de música por 245 horas; ou assistir três temporadas de Games of Thrones, entre outras situações. É muito dado jogado fora. O momento é o de repensar e passar usar o gigabyte como moeda em uma relação transparente com a operadora. As pessoas contratam dados ilimitados para ter paz de espírito e não correr risco de ficar sem Internet. O jogo não pode ser esse. O usuário tem de pagar pelo que consome e o preço justo",ressalta Gualda.

Pesquisa recente feita pelo ConsumerLab da Ericsson com 14 mil usuários, entre eles consumidores do Brasil, mostra que os usuários consideram os serviços das operadoras complexos e complicados de entender. No Brasil, observa Gualda, dois em cada três usuários de smartphones entrevistados disseram não entender o plano de dados contratado tampouco como acontece a contabilidade do consumo de dados.

"Os consumidores querem um modelo mais intuitivo, mais simples. O 5G está chegando e é a grande oportunidade de as operadoras darem a virada necessária para recuperarem o engajamento com os seus consumidores", destaca Gualda. O estudo da Ericsson mostra ainda que segue a percepção do consumidor que celular é caro e o Wi-Fi é de graça.

"No Brasil, mesmo com plano ilimitado de dados da operadora móvel, o consumo de Wi-Fi não muda. Um usuário brasileiro médio gasta cerca de 5 gigabytes ne rede celular e usa 25 gigabytes em rede Wi-Fi, abordagem bastante semelhante à de vários países no mundo", salienta Gualda.

Neste momento, o ConsumerLab está desenvolvendo a maior pesquisa sobre 5G do mundo- estão sendo ouvidos24 países, entre eles o Brasil, para entender os diferentes modelos de negócios possíveis para a nova tecnologia. O estudo deverá ser divulgado mundialmente no final de abril.

Em maio, antecipa Gualda, será divulgada uma análise exclusiva do cenário para o Brasil. "O 5G chegou para mudar tudo. É a chance de a operadora retomar a relevância junto ao seu usuário. Hoje todo mundo é relevante, fabricante de smartphone, OTTs, e as operadoras não são citadas e são elas que constroem a infraestrutura. São elas que viabilizam os serviços", completa o analista da Ericsson.


Internet Móvel 3G 4G
Cisco: 'Sempre estivemos e estamos no jogo do 5G"

O diretor de Políticas Públicas, Giuseppe Marrara, deixa claro que a digitalização da infraestrutura de telecomunicações do Brasil é estratégico para os negócios da companhia. "O 5G é um dos passos e, tirando os rádios, estamos disputando em todas as outras etapas", sustentou.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Por novo plano de recuperação judicial, Oi adia divulgação de resultados

Operadora deveria divulgar os resultados do primeiro semestre nesta quinta-feira, 28/05, mas adiou para 15 de junho. Mas para conter especulações, Oi disse à CVM que possui R$ 6,31 bilhões no caixa.

STF usa caso de lei paulista para cassar decisões sobre antenas no Rio, Minas e DF

Relator de três ações similares, Gilmar Mendes adotou o mesmo entendimento firmado pelo Supremo quando derrubou legislação estadual de São Paulo que restringia instalação de antenas de celular. 

Algar Telecom contabiliza aumento de 26% na carteira de clientes B2B

Operadora diz que não sentiu efeito da Covid-19 nos resultados do primeiro trimestre, mas reforçou o caixa como forma de precaução, com a emissão de R$ 150 milhões em debêntures em abril. O objetivo da captação foi garantir um colchão para “o cenário de incertezas”.

MPF quer que STF autorize acesso a dados de celular sem ordem judicial

Para MPF, é lícito extrair informações dos aparelhos no momento da prisão de suspeitos. 




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G