INOVAÇÃO

Brasileiro quer dar adeus às senhas com o uso maior da biometria

Ana Paula Lobo* ... 10/06/2019 ... Convergência Digital

Apesar de se dizer um adepto da biometria, a relação entre o brasileiro e a biometria se limita ainda à solução baseada em impressão digital, revela pesquisa desenvolvida pela consultoria independente data2decisions em 11 países, entre eles, o Brasil, a pedido da IDEMIA, especializada em identidade e segurança digital. Segundo o relatório, 89% dos entrevistados no País disseram já ter usado esse tipo de recurso – o maior índice em todo o mundo, cinco pontos percentuais à frente da Índia, que aparece na segunda colocação.

No entanto, o Brasil despenca para a sexta posição quando o assunto é reconhecimento facial (23% dos entrevistados já utilizaram), oitavo em reconhecimento de voz (20%) e em reconhecimento de íris (9%). O relatório mostra ainda que  nove em cada dez pessoas entrevistadas disseram ter uma atitude positiva em relação a essas soluções, sendo a biometria por meio da impressão digital a versão mais reconhecida pela população.

Os principais benefícios gerados pela tecnologia, de acordo com a visão dos brasileiros, são diretamente relacionados à questão da segurança e trazem até uma curiosidade: o fim da necessidade de usar senhas. Segundo o levantamento, 49% dos brasileiros considera que o crescimento da adoção das tecnologias relacionadas a biometria representará o ponto final na conturbada relação com a necessidade de gerar incontáveis senhas diferentes para se cadastrar em serviços, fazer compras e utilizar serviços online.

“Esse tem sido, com a expansão do mundo digital, um fator de grande estresse para o usuário de serviços online. Como reflexo dessa relação ruim, o brasileiro muitas vezes adota uma estratégia perigosa de repetir senhas e a biometria é uma ótima alternativa”, explica Marcelo Annarumma, presidente para América Latina da IDEMIA.

Mas quem pensa que a relação entre o brasileiro e a biometria se limita ao mundo online está bastante enganado. De acordo com a pesquisa, os maiores desejos dos entrevistados são utilizar a tecnologia para efetuar pagamentos online (54%) e acessar ambientes na sua própria casa, atividade desejada por 27% das pessoas ouvidas. “Este é um dado bastante curioso, pois o Brasil registra os maiores índices, considerando as 11 nações que participaram da pesquisa. Com certeza é um reflexo da insegurança que temos em nosso país tanto no aspecto digital quanto físico”.

A pesquisa da Idemia cobriu 11 países (Austrália, Brasil, França, Índia, Indonésia, Itália, África do Sul, Espanha, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e EUA), sendo entrevistadas 2.800 pessoas por meio de questionário online. Os entrevistados foram divididos igualmente entre homens e mulheres, com idades variando de 18 a 71 anos.


Cloud Computing
BIC faz transformação digital com Salesforce

Multinacional reescreve relacionamento com cliente e obteve um aumento de 90% na velocidade de entrada de pedidos, tempo entre o vendedor registrar o pedido no sistema e ele ser faturado, resultando em uma queda de 24h úteis para apenas 2 horas.

Laura, a IA nacional que já salvou 12 mil vidas, entra no combate ao Coronavírus

Tecnologia será disseminada em todo o Brasil, depois de um acordo com o governo federal. Em setembro do ano passado, no Rio Info 2019, o Convergência Digital entrevistou um dos idealizadores da Laura.

Brasil precisa formar massa crítica de empreendedores para inovação

A posição é defendida pelo CEO da Fábrica de Startups, Hector Simões, que tem como meta se tornar o maior hub de inovação do Rio de Janeiro.

Investimentos em fintechs disparam para R$ 7,6 bilhões no Brasil

Aportes triplicaram puxados pela injeção de R$ 1,9 bilhão no Nubank e R$ 1,6 bilhão no Banco Inter.  Brasil ocupa o quinto lugar entre os maiores centros de captação de fundos de fintechs no mundo.

Governo seleciona entidades para compor GT de propriedade intelectual

Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual, originalmente parte da Camex e agora sob tutela do Ministério da Economia, terá 10 representantes da sociedade civil. 

BC cria grupo de trabalho para implantar open banking até novembro

GT será formado por representantes do próprio BC, por associações de Internet como Abranet e Câmara-e.net, Febraban (grandes bancos); Abecs e Abipag (empresas de pagamentos); ABBC (bancos médios); OCB (cooperativas), ABCD e ABFintech (fintechs).



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G