Convergência Digital - Home

Angola Cables: Baixíssima latência já faz a diferença no negócio de data center

Convergência Digital
Ana Paula Lobo e Rafael Mariano - 14/11/2019

A Angola Cables não é uma empresa de cabo submarino ou de datacenter, ela é uma companhia que vende infraestrutura e capacidade e toda evolução da tecnologia- que demanda consumo de dados - é muito bem recebida, com o 5G e a Internet das Coisas, afirma o country manager da Angola Cables, Victor Costa.

O executivo, que participou do XII Seminário TelComp 2019, realizado no dia 12 de novembro, em São Paulo, diz que o momento da empresa é o de consolidar os investimentos feitos - em torno de US$ 300 milhões- e fazer a realização dos lucros.

"Temos o que o mercado está procurando que é a baixíssima latência. Como temos um cabo muito novo e um datacenter de última geração oferecemos 60 milissegundos de latência na rota para Luanda, Angola, o que é muito baixo. E temos outro cabo chegando, que é o Monet, que vai a Flórida e São Paulo. A baixíssima latência é um diferencial relevante nos nossos negócios", conta Costa.

Recentemente a Angola Cables fechou uma parceria com a DE-CIX, marca líder mundial em serviços de interconexão, detentora de uma vasta gama de serviços premium de interconexão a uma variedade de IXs neutros para operadoras e datacenters, interligando mais de 100 países e 1.700 operadoras em todo o mundo. O objetivo é o de expandir capacidades e impulsionar negócios de provedores de Internet via ligações Sul-Sul pelo Atlântico.

À CDTV, do Convergência Digital, o country manager da Angola Cables diz que o melhor para o mercado de datacenters no Brasil será a economia voltar a crescer. Mas observa que se há uma estratégia para incentivar a chegada de outros datacenters é relevante pensar no custo do insumo. "Energia elétrica é a alma de um data center e o custo está absurdo. A melhor política pública seria a de reduzir esse custo, principalmente nos Estados que cobram o ICMS", observa. Assista a entrevista com Victor Costa.


Destaques
Destaques

IDC: mercado de nuvem pública vai chegar a R$ 15 bilhões em 2020

Mercado de TI brasileiro vai crescer 5,8% impulsioando pelos negócios de clóud computing e pela aceleração do mercado de software. Nuvem privada tem a preferência das grandes empresas e fica com até 25% do orçamento destinado à TI.

BRK Ambiental, CTG Brasil e Via Varejo aderem à nuvem na jornada digital

Empresas implementaram a plataforma SAP S/4HANA para sustentar a estrastégia digital. Os negócios de cloud tiveram forte impacto na receita da SAP Brasil.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Segurança em nuvem na era da LGPD

Por Raul Leite*

Quando falamos de proteção da nuvem, as organizações devem ter em mente uma série de estratégias. A começar pela escolha minuciosa do provedor de serviços, que precisa estar preparado para os novos compromissos de privacidade. Também é necessário certificar se o armazenamento dos dados é feito de modo criptografado quando necessário pelo nível de sigilo da categorização de um dado.


Desafios às empresas: Contêineres, Orquestração e Microsserviços

Por Lenildo Morais*

Com o padrão “multi-edge edge computing”, o tráfego e os serviços de TI mudam de uma nuvem centralizada para micro-nuvens espalhadas o mais próximo possível dos usuários. As operadoras terão que oferecer serviços sob demanda, e mesmo em tempo real, para atender a todos os tipos de aplicativos.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site