Home - Convergência Digital

Nvidia compra Arm por R$ 212 bilhões e mira celulares, IoT e nuvem

Convergência Digital* - 14/09/2020

A Nvidia fechou um acordo para comprar a fabricante de chips Arm, do SoftBank Group, por US$ 40 bilhões, equivalente a R$ 212 bilhões, em movimento que mira levar a campeã dos PCs para o mercado de dispositivos móveis, IoT e nuvem. O negócio não inclui a unidade de serviços IoT da Arm e exigirá aprovações regulatórias do Reino Unido, União Europeia, EUA e China, que a Nvidia espera levar cerca de 18 meses.  

“A combinação vai turbinar a capacidade de P&D da Arm e expandir seu portfólio de IP com a tecnologia de GPU e AI da Nvidia”, afirmou o fundador e CEO da Nvidia, Jensen Huang. Segundo ele, a união dos recursos de computação de IA com o vasto ecossistema da Arm vai “avançar a computação da nuvem, smartphones, PCs, carros autônomos e robótica, para superar a IoT e expandir a computação de IA para todos os cantos do globo”. 

A Nvidia informou que a Arm continuará independente e com o modelo de licenciamento aberto da empresa de design de chips que é sediada no Reino Unido, enquanto vai ampliar o portfólio com tecnologia própria da nova dona. 

A Nvidia também planeja expandir a presença de P&D da Arm no Reino Unido, estabelecendo um centro de pesquisa e educação de IA e construindo um supercomputador relacionado com base na tecnologia da dupla.  A Nvidia planeja cobrir US$ 21,5 bilhões em ações ordinárias com US$ 12 bilhões em dinheiro. Além disso, o SoftBank pode receber até US$ 5 bilhões em dinheiro ou ações ordinárias sob uma cláusula de ganho, sujeito ao cumprimento de metas financeiras específicas da Arm. A Nvidia também emitirá US $ 1,5 bilhão em ações para os funcionários da Arm. A SoftBank deverá manter uma participação inferior a 10% na Arm. 

A Arm conta com Apple, Qualcomm, Samsung e Intel entre seus clientes, e suas CPUs estão presentes na maioria dos smartphones em produção. A Nvidia foi rápida em expressar interesse em adquirir a Arm depois que a SoftBank declarou que estava considerando venda parte, ou toda, participação. Em agosto, a Arm voltou atrás no plano de transferir suas operações de IoT para a SoftBank, optando por separar a operação e a contabilidade de seu principal negócio de semicondutores.  A SoftBank adquiriu a empresa de design de chips em setembro de 2016 por US $ 32 bilhões.

* Cominformações do MWL

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/09/2020
Nvidia compra Arm por R$ 212 bilhões e mira celulares, IoT e nuvem

15/06/2020
Indústria de semicondutores reage à liquidação da Ceitec

11/05/2020
Governo dos EUA pressiona por fábrica estatal de chips

17/04/2020
Nuvem em alta, celulares em baixa derrubam vendas de memórias

16/05/2019
Após três anos em alta, ganhos em semicondutores vão cair 7,2% em 2019

09/08/2018
Intel vendeu US$ 1 bilhão em chips de inteligência artificial

26/07/2018
Qualcomm é primeira vítima da guerra entre os EUA e a China

26/07/2018
Qualcomm é primeira vítima da guerra travada entre EUA e China

03/04/2018
Apple planeja trocar Intel por chips próprios nos Macs

07/03/2018
Finep e BNDES querem garantias para novo aporte na Unitec Semicondutores

Destaques
Destaques

Conexão no campo pode render até R$ 50 bilhões em dois anos

Estudo do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) revela que, hoje, faltam quase 15 mil antenas e torres para ofertar o serviço necessário para a digitalização do agronegócio. Os números foram revelados no Painel Telebrasil 2020.

Vitor Menezes, Minicom: Vamos brigar por um leilão 5G não arrecadatório

O Ministério das Comunicações sinalizou às operadoras que trabalha para convencer os colegas de Esplanada a concentrar os valores envolvidos no leilão do 5G em compromissos de cobertura, minimizando o preço a ser pago ao Estado, afirmou o secretário de Telecomunicações, Vitor Menezes, ao participar do Painel Telebrasil 2020.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Internet 5G traz disrupção para Telecomunicações até no modelo de negócio

Por Eduardo Grizendi*

Na RNP, estabelecemos um objetivo estratégico ambicioso – o de prover uma ciberinfraestrutura, segura, de alto desempenho e disponibilidade e, ao mesmo tempo, ubíqua, onipresente, em qualquer lugar e a qualquer hora, para nossas comunidades de educação, pesquisa e inovação.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site