Clicky

STF descarta ação da PGR e mantém gratuidade do direito de passagem

Luís Osvaldo Grossmann ... 18/02/2021 ... Convergência Digital

O Supremo Tribunal Federal, por maioria, rejeitou o pedido da Procuradoria Geral da República e validou o artigo 12 da Lei das Antenas (13.116/15), que prevê gratuidade ao direito de passagem. Ou seja, não cabe a estados e municípios, ou ainda concessionárias de outros serviços, como rodovias, cobrar contrapartida financeira pela instalação de redes de telecomunicações em bens públicos. 

Prevaleceu o entendimento de que ao fixar uma regra nacional para a questão, o Poder Público, via Congresso Nacional, unificou o tratamento sobre o uso de bens públicos – como ruas, estradas, praças – quando por eles passam os equipamentos necessários ao funcionamento de redes de telecomunicações. “

“A competência é incontroversa quanto a normas gerais. Incumbe ao Poder Legislativo central, incumbe à União”, resumiu o decano do STF, Marco Aurélio Mello. Como repetido na dezena de votos que acompanhou o relator Gilmar Mendes, a gratuidade do direito de passagem buscou uniformização nacional. Apenas Edson Fachin votou em direção contrária. 

O Procurador Geral da República, Augusto Aras, foi ao Supremo questionar que o artigo 12 da Lei das Antenas “vulnerou a autonomia dos entes federativos”. Entre as diversas manifestações que acompanharam o julgamento, reclamou-se de transferência indevida de recursos, ou que foi feito cumprimento com chapéu alheio. “Não tirou receita de estados e municípios. Não há previsão constitucional ou legal dessa receita”, rebateu Alexandre Moraes. 

“Não há expectativa de lucro. A atividade das concessionárias não é o lucro com a passagem de cabos pelas faixa de domínio. A Anatel assentou, e a analise econômica visa apreender o custo-benefício de uma decisão judicial, que o aumento de custos operacionais no caso da eventual cobrança pelo direito de passagem desestimula a implantação de serviços e afastaria investimentos, e, ainda, na iminência do 5G”, concluiu o presidente do STF, Luiz Fux, ao cravar o décimo voto na mesma direção. 

As teles comemoraram, por meio da Conexis. "A decisão de hoje do STF de referendar a gratuidade do direito de passagem é extremamente importante para a continuidade da expansão da internet e dos serviços de telecomunicações no País. Para a Conexis Brasil Digital, o Supremo Tribunal Federal reconheceu o papel vital da conectividade no desenvolvimento da economia digital, para a inclusão social e redução das desigualdades regionais", afirmou o presidente executivo do sindicato nacional, Marcos Ferrari.


Internet Móvel 3G 4G
STJ: É ilegal polícia clonar celular de investigado

Para o Superior Tribunal de Justiça, além de constituir uma forma ilícita de interceptação, esse procedimento acarretaria a suspensão indevida da comunicação telefônica e telemática dos investigados.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Setor de telecom paga mais de R$ 60 bilhões em impostos em 2020

Tributos pesam no bolso dos usuários dos serviços de telecom, que pagam mais de 42% sobre os serviços, entre taxas e impostos. Só de fundos setoriais, foram mais R$ 3,57 bilhões

STF valida lei que proíbe telemarketing para empréstimos a aposentados

Em decisão unânime, Plenário do Supremo validou lei do Paraná que prevê a restrição. “A simples autorização dada ao telefone enseja a exposição a fraudes, abusos e até mesmo coação por terceiros". afirmou a relatora, Cármem Lúcia.

Chamadas de fixo para móvel terão reajuste de até 10,3%

Percentuais autorizados pela Anatel variam de acordo com cada operadora. Os menores foram para a Algar (3,1%), e os maiores para a Oi. 

À pedido da Sky, Anatel libera cobrança antecipada em serviços de telecom

Por maioria de 3 a 2 votos, agência concedeu medida cautelar para já tornar vigente mudança que só seria válida no novo Regulamento Geral do Consumidor. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G