INTERNET

TSE nega suspensão do WhatsApp e diz que não lhe cabe checar fake news

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/10/2018 ... Convergência Digital

O ministro Luiz Luiz Edson Fachin, do Tribunal Superior Eleitoral, negou nesta segunda, 22/10, o pedido liminar do PSOL para que o Whatsapp criasse mecanismo para limitar o disparo de mensagens ou mesmo determinar a suspensão do aplicativo até o fim das eleições, com base nas notícias de que apoiadores do candidato Jair Bolsonaro estariam se valendo de financiamento ilegal para disseminar notícias falsas pelo app.

Sustentou o ministro ao negar o pedido que “na propaganda [eleitoral na internet], a regra é a liberdade de expressão, somente podendo ser restringida em hipóteses excepcionais”, citando explicitamente “quando ocorrer ofensa à honra de terceiro ou divulgação de fatos sabidamente inverídicos”.

Assim, em que pese as denúncias de que há financiamento ilegal à campanha, por meio da disseminação paga de mensagens com ataques ao candidato Fernando Haddad, do PT, em benefício de Bolsonaro, o ministro entendeu não ser o caso de concessão de liminar. “A intenção de divulgar fatos sabidamente inverídicos para prejudicar o pleito eleitoral não pode ser presumida pela Corte Eleitoral”, pontuou.

Mais significativamente, no entanto, é a parte da decisão na qual o ministro indica que o TSE não tem o papel de fiscal de fake news, em posição diametralmente oposto ao que vinha defendendo aquele tribunal desde o final de 2017, quando ainda na gestão de Gilmar Mendes criou um conselho consultivo sobre o combate a notícias falsas.

Já em 2018, sob presidência de Luiz Fux, o TSE criou um grupo de trabalho, com participação inclusive da Polícia Federal, com expressa intenção de atuar no combate às chamadas fake news. Mais do que isso, o próprio então presidente do TSE afirmou que “se houver a comprovação de que uma candidatura se calcou preponderantemente em fake news, essa candidatura pode ser anulada.”

A decisão do ministro Fachin parece entender diferente. Sustenta ele que “é preciso reconhecer que a obrigação da Corte Eleitoral não deve ser a de indicar qual é o conteúdo verdadeiro, nem tutelar, de forma paternalista, a livre escolha do cidadão. Em uma sociedade democrática, são os cidadãos os primeiros responsáveis pela participação honesta e transparente no espaço público. A Justiça Eleitoral não deve, portanto, atrair para si a função de fact-checking, ou ainda realizar um controle excessivo”.


Dona das Casas Bahia e Ponto frio lança banco digital no Brasil

Grupo Via Varejo anunciou parceria com startup norte-americana Airfox, com foco em clientes de baixa renda e uso das 800 lojas físicas como pontos de atendimento no país.

Acessos acima de 34Mbps já são 30,6% da banda larga fixa no Brasil

Planos com maiores velocidades são os que mais cresceram nos quatro primeiros meses de 2019, embora 13,6% das conexões ainda sejam abaixo de 2 Mbps. Provedores Internet seguem sendo os impulsionadores do desempenho da banda larga fixa.

Serpro: O não consentimento será a exceção com dados pessoais

Diretor-Presidente do Serpro, Caio Paes de Andrade, lembra que, com o LGPD, um órgão público ou privado - poderá, sem consentimento, processar dados em situações como o cumprimento de um  contrato.

Mais de 22 mil conteúdos ilegais da Internet foram removidos no Brasil no 1º tri

A ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software) informa que esse montante é 9% maior do que o retirado no primeiro trimestre de 2018.

Peru, Colômbia, Equador e Bolívia se unem contra ICANN e Amazon

Presidentes dos quatro países contestam decisão favorável da ICANN à companhia norte-americana pelo domínio da Internet e acusam a entidade de conduzir uma governança inadequada da Internet.

Revista Abranet 27 . abril/junho 2019
Veja a Revista Abranet nº 27 A Convenção Abranet 2019 debateu economia, política e gestão. Cerca de cem empresas de internet e de tecnologia puderam ter uma visão mais clara sobre o que esperar no curto prazo. E muito mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G