Home - Convergência Digital

CPQD sugere laboratório nacional de 5G sob gestão da GSI e da Anatel

Convergência Digital* - 23/04/2020

O CPqD sugeriu à Anatel a criação de um laboratório nacional de referência em 5G, multiusuário e com capacidade de realizar auditoria da segurança cibernética de equipamentos e soluções destinados às redes de telecomunicações brasileiras.

Os recursos para a construção da infraestrutura poderiam ser captados com o leilão de espectro para o 5G, a ser conduzido pela agência reguladora, seguindo exemplo de proposta feita no Senado dos Estados Unidos - que prevê a destinação de até 5% dos recursos obtidos com licitações de espectro para a pesquisa e desenvolvimento de tecnologias 5G e iniciativas de segurança cibernética voltadas a essas redes. A sugestão foi colocada na consulta pública sobre o leilão 5G, encerrada no dia 17 de abril.

"Um dos objetivos principais da nossa proposta é atender aos requisitos definidos pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República referentes à segurança cibernética das novas redes 5G", explica Gustavo Correa Lima, líder da Plataforma de Comunicações Sem Fio do CPQD. "É fundamental que o Brasil tenha um laboratório nacional com infraestrutura compatível com essas necessidades e com os requisitos a serem estabelecidos pelo GSI e pela Anatel", acrescenta.

Por ser multiusuário e dotado de uma infraestrutura completa de rede 5G, com soluções de fornecedores que atuam no mercado brasileiro, esse laboratório poderá ser utilizado também para a realização de testes de interoperabilidade entre equipamentos e soluções de diferentes fabricantes. E ainda poderá fomentar o desenvolvimento de aplicações 5G no Brasil, ao oferecer um ambiente real para provas de conceito e validação de soluções em áreas relevantes para a sociedade e o país, como saúde, educação, cidades inteligentes, indústria e agronegócio, entre outras.

Para as operadoras, a possibilidade de homologação de aplicações em uma infraestrutura comum trará racionalização de esforços. Além disso, a integração de seus laboratórios a essa infraestrutura permitirá exercitar cenários de incidentes de segurança e até contribuir para a análise de incidentes reais.

A proposta do CPQD sugere ainda a integração do laboratório nacional de referência em 5G à Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), de modo a permitir o acesso das instituições de pesquisa, desenvolvimento e inovação do país a uma rede 5G real para a realização de experimentos e provas de conceito. De acordo com a proposta, a gestão do novo laboratório seria compartilhada entre o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), a Anatel e o GSI, que integrariam o Conselho Gestor - outros atores formariam o Conselho Consultivo.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

02/07/2020
Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

19/06/2020
CEO da Algar: Banir fornecedor do 5G seria um tremendo equívoco

18/06/2020
Aumento de espectro para 5G está em consulta pública

17/06/2020
Qualcomm leva 5G para smartphones de baixo custo

Destaques
Destaques

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site