Home - Convergência Digital

Trabalhadores têm estabilidade pelos meses que ficaram afastados por Lei da Covid-19

Ana Paula Lobo* - 11/01/2021

Com o fim do programa do governo federal que permitia a suspensão de contratos de trabalho e a redução da jornada e salários, especialistas avaliam que deve crescer o número de ações trabalhistas cobrando o pagamento de verbas rescisórias, hoje uma das maiores demandas já registradas no Tribunal Superior do Trabalho (TST). O programa, criado para auxiliar os empreendimentos a sobreviverem neste período de pandemia, se encerrou no mês passado e o governo ainda não reeditou a medida, o que vai dificultar ainda mais para aqueles empresários que precisam fazer dispensa de funcionários.

Isso porque os trabalhadores que tiveram contratos suspensos e redução de jornada têm direito à estabilidade provisória no emprego por igual período em que vigorou os termos do acordo. Se o funcionário ficou afastado, por exemplo, durante oito meses, tem direito à estabilidade provisória até o segundo semestre deste ano. Mesmo assim, o empregador que quiser fazer a dispensa do empregado terá que arcar com uma “indenização” que pode chegar a 100% do salário que o empregado teria direito de receber durante o período de garantia.

Para o gerente de Políticas Públicas do Sebrae Nacional, Silas Santiago, o fim dos benefícios da Lei nº 14.020 poderá inviabilizar muitas empresas, provocando demissões e fechamento de microempresas e empresas de pequeno porte. “As empresas devem continuar envidando esforços no sentido de preservar o caixa, renegociando contratos e trabalhando em alternativas de melhoria do faturamento”, disse. “Estamos nos articulando com o governo federal com vistas a viabilizar a prorrogação, que deve demandar medidas legislativas e decretos, estendendo também a validade do período de calamidade sanitária”, enfatizou.

Uma reportagem do jornal Hoje em Dia, de Minas Gerais, mostra que, no ano passado, o ranking de assuntos mais demandados na Justiça incluía aviso-prévio (394.389 processos), seguido por multa de 40% do FGTS (332.802) e a multa do artigo 477 da Consolidação das Leis Trabalhistas (325.110), que trata da homologação das dispensas. Os dados são do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Na sequência vêm a multa do artigo 467 da CLT (253.948 processos), férias proporcionais (241.417), 13º salário proporcional (231.765), além de horas extras e adicionais de hora extra (226.173), horas extras (220.237), adicional de insalubridade (198.623) e intervalo intrajornada e adicional de hora extra (183.003).

Também em 2020, as violações trabalhistas relacionadas à Covid representaram 38% do total de denúncias recebidas pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) no ano passado. Das 93.707 queixas, 36.010 foram decorrentes dos impactos do novo coronavírus no mundo do trabalho, uma média de quase 100 denúncias por dia relativas ao tema. Desde o início da pandemia, foram abertos mais de 22 mil inquéritos civis para apurar irregularidades trabalhistas, dos quais 9.810 (44%) eram sobre Covid.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

06/05/2021
Dell: Na pandemia, tecnologia evidenciou as desigualdades e retomada passa pelo 5G

05/05/2021
MP do Governo muda as regras para teletrabalho

30/04/2021
Gastos com computação em nuvem bateram recorde no mundo

28/04/2021
Na Índia, empresas de serviços de TI montam salas de guerra contra explosão da Covid-19

28/04/2021
Governo reedita redução de jornadas de trabalho e suspensão de contratos por conta da Covid-19

19/04/2021
Covid-19 é responsável por 24 mil ações nas varas do Direito do Trabalho

13/04/2021
Multicloud está longe de ser simples e exige responsabilidade com a divisão dos dados

08/04/2021
TI da América Latina será última a se recuperar da pandemia de Covid-19

07/04/2021
Governo de São Paulo se alia ao WhatsApp na vacinação contra Covid-19

31/03/2021
XaaS: a nova forma de comprar nuvem e TI nos órgãos públicos

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Trabalho híbrido, cloud, segurança, 5G: como fica o mercado de TI no Brasil?

Por Mauricio Suga*

A pandemia da Covid-19 e as mudanças decorrentes dela foram grandes aceleradores da transformação digital, tanto no Brasil quanto a nível mundial. Mudamos a maneira como trabalhamos e entendemos o local de trabalho, como gerimos e nos relacionamos com equipes e, também, revisitamos as prioridades de investimentos organizacionais, sejam elas de curto ou longo prazo.

Destaques
Destaques

Governo reedita redução de jornadas de trabalho e suspensão de contratos por conta da Covid-19

Programa passa a ter validade a partir desta quarta-feira, 28 de abril e terá validade de 120 dias.Trabalhador que for inserido no programa terá estabilidade de até seis meses.

TIC incorporou 59 mil novos profissionais e gerou 1,62 milhão de empregos em 2020

Apesar da adversidade econômica e social com a Covid-19, TIC manteve a empregabilidade em alta. "Respondemos à desoneração da folha de pagamentos cumprindo o que nos cabia. Gerar empregos", afirmou o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.

Receita Federal: Saiba como declarar jornada reduzida no Imposto de Renda

A maior parte dos funcionários do setor de TICs foi incluído no Benefício Emergencial de Preservação de Emprego e da Renda (BEm) em 2020 como medida para aliviar o impacto econômico da Covid-19. Fisco orienta como acertar as contas.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site