SEGURANÇA

Governos pressionam por uso de backdoors para quebrar criptografia

Convergência Digital* ... 11/09/2018 ... Convergência Digital

Muitos governos estão negligenciando ou ignorando o dever de proteger a criptografia online que ajuda a garantir a liberdade de expressão e privacidade, reportou Joseph Cannataci, especialista em direitos de privacidade digital da Organização das Nações Unidas (ONU). Segundo relatório preparado para o Conselho de Direitos Humanos da ONU, houve um aumento nas restrições estatais à criptografia nos últimos três anos.

O especialista denunciou a pressão para para que as empresas instalem “backdoors” em software para dar às autoridades policiais acesso a mensagens criptografadas ou dispositivos protegidos, o que também cria uma vulnerabilidade que pode ser explorada por hackers, embora os governos já tenham muitas outras ferramentas de investigação.

“As obrigações de um país de respeitar e garantir os direitos à liberdade de opinião e expressão e à privacidade incluem a responsabilidade de proteger a criptografia”, afirmou o especialista em seu relatório. Entre os países que estão tirando a privacidade dos seus cidadãos estão Rússia, China, Irã, Turquia, Paquistão e Reino Unido.

O estudo sustenta que limites à criptografia devem ser necessários, legais, legítimos e proporcionais, mas há países criminalizando a criptografia o que interfere nos direitos à privacidade. No Reino Unido, por exemplo, a Lei de Poderes Investigativos, criada em 2016 e conhecida pelos críticos como “Carta Snoopers”, deu ao governo poderes vagamente formulados que poderiam obrigar as operadoras de rede a incluir backdoors, remover criptografia de ponta a ponta e cooperar com uma ampla gama de medidas governamentais de hacking, disse o relatório.

O relatório fornece mais exemplos sobre a questão de criptografia no mundo. A lei de segurança cibernética de 2016 da China exige que as operadoras de redes “forneçam apoio técnico e assistência” à segurança pública e estadual para segurança nacional e aplicação da lei. Já Uganda e México usam malware para monitorar os críticos do governo.

Fonte: Agência Reuters


Administradora de shopping centers revela ataque cibernético

Ao mercado a Aliansce Sonae informou que a invasão aconteceu em maio e a companhia admite que, algumas informações possam ter sido acessadas, mas que elas não eram estratégicas.

PF caça quadrilha que teria vazado dados do presidente Bolsonaro e de mais de 200 mil servidores

Ação policial acontece nos Estados do Rio Grande do  Sul e Ceará. Organização teria invadido sistemas de universidades, prefeituras e câmaras de veradores.

Light confirma ataque cibernético e cobrança de resgate em bitcoin

Custo do resgate solicitado teria chegado a R$ 37 milhões e não há informação se o montante foi pago ou não. Todo o incidente aconteceu na área de TI e não houve consequência na distribuição ao consumidor.

Microsoft faz megacorreção de vulnerabilidades de segurança

Companhia lançou correções para 129 vulnerabilidades, sendo 11 consideradas como críticas, que incluem o Office, SharePoint, Visual Studio e outros.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G