TELECOM

Regularizar uso de postes pelas teles custaria R$ 20 bilhões

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/09/2019 ... Convergência Digital

A Anatel terá, até o fim deste setembro, uma proposta para o novo regulamento de uso dos postes, costurado com a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) em mais uma tentativa de resolver a ocupação emergencial de 11 milhões deles instalados nas grandes cidades brasileiras. Nas contas da agência, corrigir essa parcela, cerca de um quarto dos 45 milhões de postes do país, custa R$ 20 bilhões. 

“Apresento uma proposta ao Conselho Diretor da agência até o fim de setembro e ela deverá ir à consulta pública ainda em 2019. Temos uma estimativa de que o custo para organizar a ocupação de todos os postes no país seria algo na ordem de R$ 20 bilhões. É mais de 50% do que todo o setor de telecom investe por ano”, afirmou o superintendente de competição da agência, Abraão Balbino e Silva, em audiência conjunta das comissões de Ciência e Tecnologia, Desenvolvimento Urbano e de Minas e Energia da Câmara dos Deputados.  

A agência divide o problema em duas partes. Nos grandes centros, o problema é acesso: tem muito mais operadoras querendo usar os postes do que espaço disponível. Na maioria dos municípios, no entanto, a concorrência é menor e abre espaço para preços nada isonômicos para uso dos postes – em geral, pequenos provedores pagam mais do que grandes operadoras pelo menos espaço. 

A leitura da Aneel, no entanto, é de que a encrenca é concentrada no uso clandestino dos postes das distribuidoras de energia. “O problema é a ocupação por empresas de telecomunicações sem aprovação prévia das distribuidoras de energia e sem atendimento de normas técnicas. Isso resulta em outro problema, que é a falta de pagamento. É uma ocupação clandestina. O faturamento atual de todas as distribuidoras com o uso dos postes é R$ 1,57 bilhão por ano. Mas poderia ser um valor bem superior”, diz o superintendente de regulação de distribuição da Aneel, Carlos Mattar. 

De sua parte, as distribuidoras defendem racionalizar o uso com a adoção de um modelo de operador de infraestrutura – um agente com acesso aos pontos de fixação nos postes, que então os revenderia às prestadoras de telecom, conforme apresentado pelo diretor da Associação Brasileira das Distribuidoras de Energia Elétrica (Abradee), Marco Delgado. 

“É um bem público escasso. Quem acessa poderia ser um provedor físico. Hoje há tecnologia de transmissão de voz e dados de maneira segura e independente entre diversos provedores. Talvez a gente consiga fazer esse acesso ao provedor que pagar o melhor preço e também que ofereça o menor preço para os prestadores de serviços de telecomunicações. Talvez a gente consiga conciliar essa regularização ao priorizar a reorganização da ocupação. É possível fazer com processo de licitação, pelas próprias distribuidoras ou outros agentes.”


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Abranet: Revisão do marco de telecom tem que abrir espaço para voz no SCM

Entidade diz que a revisão do marco legal de telecom exige uma avaliação do mercado de telefonia no Brasil, com ajustes regulatórios capazes de abrir o segmento aos prestadores de SCM, com recursos de numeração e sistemas de áreas de tarifação nos moldes da telefonia celular.

Anatel vai licitar posições de satélite, mas muda termos para atender Claro e Hispamar

Proposta de leilão de 15 posições orbitais entrará em consulta pública por 20 dias. Mas como aumentou o prazo das atuais licenças dessas empresas, foi preciso alterar o edital. 

Orquestração de rede 5G é prioridade da Ciena

Fabricante descarta uma produção local no curto prazo, mas se surgirem oportunidades, a avaliação será feita, conta o gerente geral da Ciena no Brasil, Fernando Capella.

American Tower: "Seguimos olhando todo ativo compartilhável"

O CEO da companhia, Flavio Cardoso, diz que o investimento redundante em fibra óptica por conta do 5G não é eficiente e que é preciso pensar na economia comparitlhada. "Nós queremos ser os gestores desses ativos para evitar conflitos como o do uso dos postes nas grandes cidades."




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G