GESTÃO

Contrato bilionário de serviços na nuvem do TJSP com Microsoft volta à mesa com decisão do STF

Convergência Digital* ... 18/12/2019 ... Convergência Digital

O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes suspendeu uma Resolução do Conselho Nacional de Justiça (280/19), que determina, a partir de 31/12, que todos os processos de execução penal dos tribunais brasileiros tramitem obrigatoriamente pelo Sistema Eletrônico de Execução Unificado (SEEU). Cautelar, a decisão tomada na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6259 será submetida a referendo do Plenário.

Na decisão, Moraes afirma que cabe ao CNJ a definição de critérios e procedimentos a serem observados pelos tribunais locais visando ao aperfeiçoamento dos órgãos judiciários e das políticas públicas relacionadas a eles. No entanto, entende que a resolução está no limite da competência normativa do CNJ. Uma dia depois da decisão do STF, o CNJ adiou para junho de 2020 o prazo para implantação do SEEU.

Segundo o ministro, deve ser analisado o mérito do argumento de que “a obrigatoriedade de trâmite de todos os processos de execução penal do país pelo SEEU incorre em inconstitucionalidade formal, decorrente do desrespeito à reserva de lei para o tratamento da matéria, em afronta à competência da União e dos Estados para legislarem na matéria”. 

Coincidentemente, a decisão vem logo depois da redistribuição de um caso semelhante, também oriundo de São Paulo, que igualmente questiona a imposição de um sistema eletrônico unificado de processo judicial. Mas enquanto a ADI contra o SEEU foi movida pela Assembleia Legislativa de São Paulo, Moraes também passou a relatar a Ação Cível Originária 3.315, movida pelo Tribunal de Justiça de São Paulo contra a suspensão, pelo CNJ, do contrato de R$ 1,32 bilhão firmado com a Microsoft.  

Uma semana antes, em 11/12, essa ACO foi redistribuída para Moraes, sob argumento de que os processos tratam essencialmente da mesma coisa. “A partir da comunhão de causas de pedir e do objeto mediato dos feitos, verifica-se, in casu, que a ADI 6.259 e a ACO 3.315 apresentam peculiaridades aptas ao seu enquadramento dentre as hipóteses de prevenção previstas no Código de Processo Civil e no Regimento Interno do STF. Consectariamente, considerando que a ADI 6.295 foi inicialmente distribuída à relatoria do ministro Alexandre de Moraes, impõe-se a redistribuição desta ACO”, justificou o vice presidente da Corte, Luiz Fux. 

No caso, o TJSP contratou, em fevereiro deste 2019, a Microsoft, com dispensa de licitação, para o desenvolvimento de uma plataforma de processo judicial eletrônico, pelos mencionados R$ 1,32 bilhão. Em junho, o CNJ suspendeu o contrato e determinou o uso do PJe. 

* Com informações do STF


Plataforma online vai integrar pagamentos ao Tesouro Nacional

Empresas que prestam serviço de recolhimento de valores poderão se credenciar ou integrar suas soluções ao PagTesouro.

Empresas estão longe de priorizar a LGPD, adverte a EY

"Nem dois anos ou mesmo o dobro deste tempo serão suficientes para a empresa que não colocar a privacidade de dados como prioridade", afirma Marcos Sêmola, sócio-líder da EY para Cybersegurança.

Dataprev lança ferramenta para acesso online à bolsa de qualificação profissional

Bolsa é uma das alternativas à demissão nos casos de suspensão de contrato de trabalho motivados pela pandemia de Covid-19. 

LGPD: quase 90% das empresas abandonam adequação e culpam a Covid-19

Estudo mostra que boa parte das organizações deixou de lado os ajustes dos sistemas, até pela indefinição política do tema.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G