NEGÓCIOS

Impulsionada por 5G e IoT, economia digital vai gerar US$ 23 trilhões até 2025

Ana Paula Lobo ... 22/02/2019 ... Convergência Digital

O Global Industry Vision (GIV), divulgado pela Huawei, apura que a economia digital, por meio das novas tecnologias, cloud computing, Internet das Coisas, Inteligência Artficial e 5G, vai gerar US$ 23 trilhões até 2025. A conectividade, e o 5G, serão cruciais para que essas projeções se concretizem, adverte a fabricante, que neste momento vive um embate com o governo norte-americano.

O levantamento aponta que até a metade da próxima década, 90% dos usuários de dispositivos terão algum tipo de assistente pessoal, baseado em inteligência artificial. As pessoas utilizarão 200 milhões de veículos conectados a redes 5G. Já as empresas estarão mais do que nunca na nuvem: 85% delas terão suas aplicações em Cloud Solutions.
 
Para países em desenvolvimento, apura ainda o relatório GVI, a tecnologia pode ser o grande salto para chegar ao próximo estágio de maneira muito mais precisa e produtiva. Segundo o estudo, em 2025, cerca de 26 bilhões de equipamentos industriais estarão conectados por soluções que envolvem cloud, robôs inteligentes e diversos software. Cadeias industriais inteiras serão mais eficientes e serão capazes de produzir ganhos até mesmo acima das projeções mais otimistas.

Em entrevista ao portal Convergência Digital, o diretor de desenvolvimento de novos negócios da Huawei Brasil, Sandro Paiva, diz que o País precisa fazer a sua jornada digital agora. "Não há mais como fugir dessa realidade", observa. Diz também que os empresários, em especial, os de áreas onde a tecnologia já pode ajudar neste momento, como o do agronegócio. "Já há tecnologias capazes de ajudar muito como os drones para o monitoramento e para o controle de pragas, mas os empresários precisam acreditar mais e entender que o processo mudou de vez", salienta o executivo.

Com relação ao 5G no Brasil, Paiva diz que há a expectativa de uma posição definitiva da Anatel, mas assegura que as operadoras- mesmo que tenham uma reserva quanto ao melhor momento de licitação - já se mobilizam. "Todas sabem que não há como fugir do 5G, estão como 5G no radar, mas também sabem que precisam monetizar o 4G e o 4,5G", sinaliza.

Sobre a computação em nuvem, Paiva reforça a tese dos especialistas que cloud é a base de tudo. É cloud que dá alicerce às novas tecnologia. Segundo o executivo, o GVI mostra que o mundo caminha para o maior uso da realidade virtual e a realidade aumentada. Mas indaga: por que essas tecnologias não massificaram ainda? Porque há questões de tecnologia para resolver e também com relação aos óculos, que ainda são pesados, caros e desajeitados. Do ponto de vista dos dados, a disseminação da nuvem vai ampliar o armazenamento dos dados e expandir as fertas de Realidade Virtual e Realidade Aumentada.

Na China, aliás, conta Paiva, há um projeto em andamento com a operaradora China Mobile, batizado de META, que usa um capacete para deficientes visuais terem indepedência, por meio de informações armazenadas na nuvem. "Se um deficiente visual está pegando uma coca-cola no supermercado ele saberá que está pegando o preço cobrado. Tudo com cloud e 5G. Hoje esse teste está ainda em laboratório, mas será uma realidade em pouco tempo", conclui Sandro Paiva.


Meios de pagamento: CADE amplia investigação para Itaú e Rede

Autarquia adotou medida preventiva para evitar prejuízos à concorrência decorrentes de possível venda casada em campanha oferecida pela Rede. Mercado está em ebulição e há disputas judiciais em curso.

Tecnologia da informação evita tombo maior do setor de serviços

Segundo o IBGE, apesar do desempenho ruim das telecomunicações, os serviços de TI exercem a principal contribuição positiva dos serviços no acumulado até agosto de 2019. 

Rio de Janeiro precisa deixar de exportar CPF e CNPJ

"O Rio é protagonista de geração de inteligência e, hoje, temos de nos desafiar para reter nossos talentos", afirma o coordenador do Rio Info 2019, Alberto Blois. A diversidade foi a 'cara' do evento em 2019.

Brasil fica estagnado na 57ª posição no ranking global de Competitividade Digital

Estudo desenvolvido em parceria do IMD com a Fundação Dom Cabral, e feito com análise de 63 países, apura uma perda de confiança no país, em sua capacidade para financiar e apoiar a inovação e adoção de tecnologias digitais.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G