NEGÓCIOS

Maior parte das fintechs ainda busca escala para atrair investimentos

Por Fernanda Ângela e Rafael Mariano ... 12/06/2019 ... Convergência Digital

Uma pesquisa realizada pelo FintechLab, hub de conexão e fomento do ecossistema brasileiro de fintechs, aponta que 72% das empresas de inovação em finanças encontram-se em fase de atração. Ou seja: o projeto já passou pelas fases iniciais de desenvolvimento, aprendizado e ajustes e, agora, busca escalabilidade. O levantamento ouviu empreendedores participantes da 8ª edição do Radar FintechLab para detectar a avaliação das próprias iniciativas a respeito do desenvolvimento individual de cada uma delas.

Outro dado é que 22% afirmam que, apesar de estarem operando, ainda contam com poucos clientes efetivos. “Para as empresas do setor financeiro, estruturar um canal eficiente e construir uma base consistente de clientes talvez seja um desafio maior do que angariar investimentos”, afirmou Fábio Gonsalez, cofundador do FintechLab. “E justamente por serem empresas inseridas em um setor em que o tíquete médio é relativamente baixo, elas precisam ganhar escala. Somente quando tiverem um produto estabelecido é que conseguirão atrair investimentos maiores”, analisou. 

Justamente por isso – e por tratar-se de um segmento relativamente novo –, 46% dos empreendedores consideram que suas iniciativas estão no estágio de cash burn. A expressão é usada para descrever o estágio no qual uma empresa, embora em pleno funcionamento e com grande potencial de desenvolvimento, ainda gasta mais do que fatura. Outros 32% dos diretores de fintechs disseram que suas respectivas companhias já estão dando resultados financeiros positivos, enquanto 22% informaram que a posição atual é de break even – equilíbrio entre despesas e receitas.

Investimento recebido

As empresas participantes do Radar FintechLab revelaram dificuldades em atrair investimentos para os seus negócios. De acordo com a análise, 56% delas começaram a operar com base em capital próprio dos seus sócios e, mesmo depois de funcionando, 49% nunca tiveram qualquer rodada adicional de investimentos.
Apenas 22% receberam injeção de “capital anjo” no início do projeto e 17% contaram com o suporte de venture capital.

A pesquisa do Radar FintechLab revelou que 46% das empresas não participaram de qualquer programa de aceleração e 82% delas não possuem qualquer tipo de operação fora do Brasil. Em entrevista à CDTV, Gonsalez falou sobre o atual momento vivido pelas fintechs no Brasil. Assista.


Cloud Computing
Blockchains x 'envenenamento por privacidade'

Tecnologia promissora, o blockchain impõem às empresas que, uma vez os dados gravados, eles não poderão ser facilmetne modificados ou excluídos e, adverte o Gartner, os direitos de privacidade concedidos a indivíduos incluem a opção de os clientes invocarem o “direito de serem esquecidos”.

Por mercado de BPO, Lumen IT compra Superabiz

Valor da transação não foi revelado pelas partes. Expectativa da fusão é simplificar o acesso às soluções de compliance fiscal, jurídico e para o SPED.

#RioéTech abre programação do Rio Info 2019

Evento, que chega em 2019 a sua décima sétima edição, já gerou R$ 250 milhões em negócios. Pré-eventos serão realizados em diversas cidades do Estado do Rio de Janeiro para aproximar empresas e Academia.

TI fica ainda mais estratégica na disrupção digital

“Onde existir um elo mais fraco pode haver uma disrupção grande e entrar uma fintech, uma startup”, lembra o vice-presidente de serviços financeiros da BRQ, José Antonio Afonso Pires.

Unisys: open banking só existirá com a LGPD implementada no Brasil

"Os dois são interligados porque a premissa maior é a segurança da informação", observa o vice-presidente e líder da Vertical de Serviços Financeiros para América Latina, Luís Rego. Decisão do Banco Central de postergar a consulta pública sobre o tema tem pontos positivos e negativos.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G