INOVAÇÃO

Singularity University: "O que se faz hoje não fará nenhum sentido na próxima década"

Por Roberta Prescott ... 14/10/2019 ... Convergência Digital

Em 2050, o mundo abrigará 9 bilhões de pessoas, mas o maior salto será antes: até 2030 as estimativas apontam que seremos 8,5 bilhões de seres humanos. A primeira lacuna que os habitantes da Terra enfrentarão é de alimentos, uma vez que a demanda aumentará. "Precisaremos de terras do tamanho de duas Índias; e nós não temos isso", proferiu Paul D. Roberts, diretor de inovação e estratégias da Singularity University, ao participar da Abes Software Conference 2019, realizada nesta segunda-feira, 14/10, em São Paulo.

Roberts usou as projeções sobre a possibilidade de falta de alimentos para apontar como o avanço da tecnologia é primordial para resolver os problemas do futuro. Ele falou sobre novas técnicas de manipulação de DNA para produzir leite sem vaca e carnes de origem não-animal. Estamos, segundo ele, diante de um avanço de tecnologias que mudaram completamente a maneira de as pessoas viverem. Como exemplo, citou que caminhamos na direção do sexto paradigma do crescimento exponencial, tanto no que se refere a GPU, TPU, IPU, Thinker, computação em nuvem e edger computing quanto a neuromorphic computing (computação neuromórfica), que é a computação  - computing base of the, domino computing e computação quântica.

"Na década de 2030, com US$ 100 poderá se comprar poder computacional equivalente ao cérebro humano. Sentimos que as coisas estão acontecendo mais rapidamente, e é verdade, mas estamos apenas no começo desta jornada", ressaltou. Diante disso, o conselho dele é que as empresas comecem a pensar exponencialmente, porque "as coisas que estão inventando hoje não serão importantes no futuro".

Ainda que não exista uma formula única, o diretor de inovação e estratégias da Singularity University destacou que, assim que algo é digitalizado, ele passa a poder ter um crescimento exponencial. São seis "Ds", explicou, citando (em inglês), digitalize, deceptive, disruptive, dematerialize, demonetize e democratize. "Comece se perguntando quem são seus competidores e quem não estará mais recebendo dinheiro quando algo for digitalizado", disse.

A maior digitalização tem como pano de fundo o barateamento, ano após ano, dos sensores; a expansão da adoção de internet das coisas; a entrada proximamente de 5G e, dentro de dez anos, de 6G, levando a comunicação para todos os lugares, com latência zero, avanço de redes mesh e maior número de satélites e microssatélites. "Digitalizar muda o mundo", disse. "E a principal coisa que você pode fazer é não planejar o futuro com a visão do presente", aconselhou Paul Roberts. Assistam a entrevista.


Cloud Computing
BIC faz transformação digital com Salesforce

Multinacional reescreve relacionamento com cliente e obteve um aumento de 90% na velocidade de entrada de pedidos, tempo entre o vendedor registrar o pedido no sistema e ele ser faturado, resultando em uma queda de 24h úteis para apenas 2 horas.

Laura, a IA nacional que já salvou 12 mil vidas, entra no combate ao Coronavírus

Tecnologia será disseminada em todo o Brasil, depois de um acordo com o governo federal. Em setembro do ano passado, no Rio Info 2019, o Convergência Digital entrevistou um dos idealizadores da Laura.

Brasil precisa formar massa crítica de empreendedores para inovação

A posição é defendida pelo CEO da Fábrica de Startups, Hector Simões, que tem como meta se tornar o maior hub de inovação do Rio de Janeiro.

Investimentos em fintechs disparam para R$ 7,6 bilhões no Brasil

Aportes triplicaram puxados pela injeção de R$ 1,9 bilhão no Nubank e R$ 1,6 bilhão no Banco Inter.  Brasil ocupa o quinto lugar entre os maiores centros de captação de fundos de fintechs no mundo.

Governo seleciona entidades para compor GT de propriedade intelectual

Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual, originalmente parte da Camex e agora sob tutela do Ministério da Economia, terá 10 representantes da sociedade civil. 

BC cria grupo de trabalho para implantar open banking até novembro

GT será formado por representantes do próprio BC, por associações de Internet como Abranet e Câmara-e.net, Febraban (grandes bancos); Abecs e Abipag (empresas de pagamentos); ABBC (bancos médios); OCB (cooperativas), ABCD e ABFintech (fintechs).



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G