Clicky

Oi e Vivo pedem migração sem obrigações e renovação de frequências sem preço

Luís Osvaldo Grossmann ... 15/09/2020 ... Convergência Digital

As duas maiores concessionárias de telefonia fixa do país, Oi e Vivo, aproveitaram o Painel Telebrasil 2020 para apresentar uma lista de reivindicações à Anatel sobre como devem ser as condições para a migração dos contratos de concessão da telefonia fixa em autorizações de serviços em geral. E reforçaram que preço e obrigações associadas ao movimento devem garantir sustentabilidade econômico-financeira do negócio. 

“Na nossa visão o objetivo principal do novo marco legal (lei 13.879/19) foi viabilizar investimentos. Ele dá às concessionárias a faculdade de migrar, mas há desafios, como a composição do saldo. Para que seja feito de maneira adequada, é fundamental que se reconheça que já vivemos um cenário de insustentabilidade do STFC. E um ponto central no cálculo é a valoração dos bens reversíveis. Se essa valoração não for bem feita, as chances de não haver um consenso são muito grandes”, afirmou a vice presidente de assuntos regulatórios da Vivo, Camilla Tápias.

Nesse entendimento, por bem feita entende-se adotar a lógica pelo qual os bens reversíveis se resumem à proporção das redes utilizada para prestar o serviço de telefonia fixa no regime público. “É uma oportunidade de se reafirmar conceitos consagrados na Lei no que diz respeito à reversibilidade de bens, como o conceito da proporcionalidade. Ou seja, o bem que serve a mais de um serviço, só é reversível na quantidade proporcional necessária ao uso do serviço concedido”, defendeu a diretora de assuntos regulatórios da Oi, Adriana Cunha.

A nova relação regulatória após a migração, emendou, deve ser inferiores às atuais. “Obrigações que vão vir com a autorização devem ser aquelas necessárias para cobrir lugares onde não há outra alternativa para não onerar demais", adicionou a executiva da Oi. As empresas não chegaram a mencionar se o cálculo proporcional sobre as receitas obtidas com o STFC em regime público que foram convertidas em investimentos em redes privadas também devem fazer parte do saldo final.

De qualquer forma, a Anatel voltou a indicar que apesar de a proposta de regulamento da adaptação já ter chegado ao Conselho Diretor da agência, a conta final ainda depende da contratação de uma consultoria internacional e deverá necessariamente ser aprovada pelo Tribunal de Contas da União. “O equilíbrio no calculo é por óbvio o que estamos buscando. Mas nem é algo que a Anatel vai dizer sozinha, porque o órgão de controle vai tratar disso também”, explicou o superintendente de Planejamento e Regulamentação, Nilo Pasquali. 


Internet Móvel 3G 4G
TIM entra na disputa pela gestão da iluminação pública com rede de IoT

Operadora fechou parceria com a M2M Telemetria para participar dos principais projetos voltados à nova gestão dessa infraestrutura pública. Tele conta com a cobertura da rede dedicada de NB-IoT, no 4G, presente em 3460 cidades do país.

Minicom cede Artur Coimbra para ser corregedor da ANPD

O secretário de radiodifusão, Max Martinhão, acumula interinamente a Secretaria de Telecomunicações. Segundo a pasta, ainda não há novo nome para substituir Artur Coimbra.

Abinee: Diferença de custo entre migração e mitigação no 5G é menor do que apontam teles

Estudo indica valores semelhantes aos projetados pela Anatel, de R$ 1,1 bilhão para o uso de filtros e R$ 1,8 bilhão para mudança da recepção de antenas para a banda Ku.

Anatel apreende 15 mil carregadores de celulares na 25 de Março, em São Paulo

Equipamentos não homologados foram avaliados em R$ 180 mil e foram recolhidos em um único distribuidor. Outros 11 mil carregadores foram apreendidos em três operações durante o mês de novembro.

TIM: dizer que 5G DSS não é o 5G é obrigatório para não queimar a tecnologia

Operadora informa que vai ter o 5G DSS em 12 capitais para testes em bairros, mas sustenta que a transparência é crucial. "O 5G DSS tem latência do 4G", afirma o CTIO, Leonardo Capdeville. Nas capitais, o 5G DSS será exclusivo para mobilidade. O acesso banda larga fixa - FWA - continuará em piloto.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G