NEGÓCIOS

Covid-19: brasileiros têm medo de sair de casa e 41% temem pela economia no 2ºsemestre

Convergência Digital* ... 15/07/2020 ... Convergência Digital

Apesar da flexibilização das medidas de isolamento social, 50% dos brasileiros ainda têm medo de sair de casa. É o que revela a Pesquisa Comportamental Pós-Covid-19, recém-lançada pela Go2Mob, empresa que oferece soluções integradas para o setor mobile com foco em mídia, dados, consultoria e pesquisa. O estudo, que analisa a expectativa e o comportamento dos brasileiros com a flexibilização das políticas de confinamento, entrevistou pelo celular via SMS mais de 52,5 mil pessoas de todo os Estados do País e mostrou que a maioria tem esperança em conquistar um emprego ainda este ano, mas é menos otimista com a retomada da economia.

De acordo com o levantamento, 47% afirmaram ter perdido o emprego por causa da pandemia. Destas, 61% acreditam que devem voltar a exercer suas atividades ainda este ano. Para 27%, a economia deve melhorar. Já 32% acreditam que as coisas permanecerão iguais e 41% acham que vai piorar. 18% dos entrevistados disseram ter pedido empréstimo a bancos ou instituições financeiros e 46% destes não conseguiram obter crédito. Sobre os cuidados para evitar a contaminação, metade dos brasileiros pretende continuar usando máscaras mesmo quando não for mais obrigatório.

"Este estudo foi elaborado com o objetivo de oferecer uma visão ampla do que pensam os brasileiros sobre o fim do isolamento social. Embora ainda exista grande preocupação com a saúde, muitos estão na expectativa de voltar a fazer o que sempre fizeram antes da pandemia. Apesar das dificuldades, não são poucos aqueles que se sentem motivados a recuperar o tempo perdido. A maioria quer voltar a trabalhar o mais rápido possível, mas está descrente com a economia e ainda mostra receio em sair de casa", avalia Alexandre Ribeiro, CEO da Go2Mob.     

38% já criaram ou pensam em ter negócio próprio

Outro aspecto investigado pela pesquisa é a maneira como as pessoas que mantiveram seus empregos na quarentena devem trabalhar daqui para frente.  Segundo o levantamento, 27% continuarão somente em home office, ao passo em que 14% devem revezar entre dias de trabalho em casa e na empresa. Pessoas que ficaram ausentes de suas atividades e devem retornar agora somam 22%. Já 37% trabalharam normalmente durante todo o período de isolamento social.

O período pós-quarentena também deve vir acompanhado de uma onda de empreendedorismo. Segundo o estudo, 38% dos entrevistados afirmam já ter montado ou estar pensando em criar o seu próprio negócio.  Em relação aos hábitos de consumo, a pesquisa detectou novos comportamentos. Entre os entrevistados, 47% afirmam ter aumentado o volume de compras online durante a pandemia. Destes, 78% devem continuar comprando pela Internet mesmo quando o comércio reabrir. Porém, isso não deve afetar o desempenho de estabelecimentos físicos. Com o fim da quarentena, os locais que os brasileiros mais desejam visitar são praias e parques (38%), shopping centers (36%), bares e restaurantes (27%), cinemas e teatros (22%) e casas noturnas (22%).

Além de trazer dados nacionais, a pesquisa da Go2Mob também apresenta recortes regionais inseridos em quatro subdivisões. A primeira delas ganhou o nome de Mapa do Otimismo Pessoal e teve como proposta investigar como estão distribuídos os brasileiros desempregados pela pandemia, mas que têm expectativa de conseguir um novo trabalho ainda este ano. Os estados do Acre, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá, Tocantins, Goiás, Distrito Federal e Santa Catarina são os locais onde as pessoas estão mais esperançosas. O Mapa do Medo revela quais são os estados em que as pessoas continuam com medo de sair de casa, mesmo após a flexibilização das medidas de distanciamento. Amapá, Piauí, Ceará e Pernambuco são os locais onde a população está mais temerosa.


Cloud Computing
BNDES abre linha especial para IoT, Big Data e digitalização

Chamada BNDES Crédito Serviços 4.0, linha tem limite por operação é de até R$ 5 milhões O prazo de pagamento é de até 120 meses, com carência de três a 24 meses. 

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Transformação digital é mudar a mentalidade de produto para solução ao cliente

"Não precisamos da furadeira, mas, sim, do buraco na parede", exemplificou Thales Teixeira, fundador da decouping.co, ao revelar o impacto da jornada digital. Para Teixeira, a inovação está no modelo de negócios. "A tecnologia é só um motor", pontuou.

Serpro busca parceria com bancos para emissão de certificado digital

Chamamento público espera identificar oportunidades de negócios que fomentem a massificação das assinaturas digitais. 

Huawei diz ter estoque suficiente para atender demanda nacional

Diretor senior de Relações Públicas e Governamentais da empresa, Atílio Rulli, assegurou que o estoque da fabricante está 'em linha com que é visto no mundo'. Hoje a Huawei produz localmente 40% dos equipamentos que vende às operadoras, ISPs e empresas brasileiras.

Acesso Digital recebe aporte e entra na briga pelo mercado de Telecom

Empresa, criada em 2007, trabalha com reconhecimento facial e assinatura eletrônica, recebeu um investimento de R$ 580 milhões liderado por SoftBank e General Atlantic.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G