GESTÃO

Hospital Santa Paula faz jornada digital, mas alerta para falta de cientistas de dados

Por Roberta Prescott ... 18/07/2019 ... Convergência Digital

Inaugurado em 1958, o Hospital Santa Paula, localizado na Zona Sul de São Paulo, já entendeu a necessidade de se transformar digitalmente e caminha na direção da chamada medicina da precisão. “Em oncologia, por exemplo, os hospitais brasileiros não têm nada a dever a americanos ou europeus. Hoje, em função de diagnóstico mais preciso, chegamos à personalização, ao detalhe, e dar ao paciente tratamento com maior probabilidade em comparação com genérica. Com mapeamento genético vamos dar amplitude maior e em pouco tempo - exame de mapeamento genético mais barato", diz o doutor Moacyr Campos, que está à frente da transformação digital do Hospital Santa Paula (HSP).

A medicina de precisão vai dar condições de maior assertividade a diagnósticos e permitir que medicamentos sejam personalizados para as necessidades de um indivíduo. Para tanto, é necessário melhorar a qualificação da informação captada, ampliar a capacitação da mão de obra e levar a cabo, de fato, a transformação digital. Neste esforço, o Santa Paula possui a certificação internacional Health Information and Management Systems Society (HIMSS), que trata da segurança da informação, da acessibilidade da informação e da integração da informação dentro do ambiente hospitalar.

"Ela vai do nível um ao sete, sendo um o básico, quando se inserem no prontuário do paciente exames como o de sangue, e o sete que é quando o hospital abole o papel, tendo toda informação incorporada ao prontuário sendo digital e a circulação da informação no hospital dentro do prontuário eletrônico. No Brasil são quatro ou cinco hospitais que têm o nível sete e o Santa Paula é um deles", diz Campos.

Para chegar a este nível, o hospital passou por diversas fases, desde a revisão dos processos até a integração com outros sistemas, como de fornecedores de laboratório, exames de imagens, integração com médicos que trabalham. Campos ressalta que um dos principais esforços foi para preparar os colaboradores e instigar os fornecedores para trafegar neste ambiente digital.

"A qualificação do profissional, incluindo médico e enfermeira, é necessária. Eles precisam ter uma formação que antes não era do dia a dia deles", conta. "Eles têm de ter habilidade, treinamento e capacitação não somente na atividade-fim deles, mas também com o entendimento de estar a par do que acontece na área tecnológica", completa.

Com relação aos profissionais de tecnologia que são necessários para atender a este novo hospital, Moacyr Campos explica que não falta mão de obra para fazer manutenção dos sistemas ou o treinamento dos médicos para usar o prontuário. Faltam profissionais para trabalhar com big data, data lake, ou seja, pessoas que trabalhem na parte analítica e que consigam conferir inteligência aos dados captados.

Contar, por exemplo, com um epidemiologista que saiba trabalhar com linguagens da área de big data é algo ainda distante, mas que está nos planos do segmento hospitalar. "Estão surgindo novas demandas e temos lacunas a preencher como com profissionais de big data, que saibam lidar com estatística, com a criação de algoritmos, que trabalhem com inteligência artificial e com robôs para construir informação em cima de um banco de dados imensos que temos". A matéria completa pode ser lida aqui.


Carreira
Cientista de Dados, desenvolvedor, CTO e analista de segurança da Informação são os mais procurados em TI

Essa é a constatação do Guia Salarial 2020, produzido pela consultoria Robert Half, com atenção às pequenas, médias e grandes empresas. Cientista de Dados pode ter salário inicial em torno de R$ 13 mil nas pequenas empresas e de R$ 26 mil nas grandes corporações.

Cartilha do MCTIC ao Congresso lista 150 programas que precisam de orçamento

Documento reúne sugestões como Gesac, redes de fibra óptica no Norte, Nordeste, base de Alcântara, satélite, entre outros. 

Teles adotam Código de Conduta de Telemarketing

São seis princípios básicos, entre eles ligações apenas em horários adequados e respeitar o desejo do consumidor que não quiser receber ligações. Segundo a Anatel,desde julho, quando foi criada a plataforma 'Não me Pertube', mais de dois milhões de telefones foram bloqueados para as operadoras.

Britânia adere à inteligência artificial na gestão e nos produtos

"A nossa ideia é ter pessoas qualificadas pensando em produtos melhores e não em funções repetitivas", diz a gerente de Marketing, E-commerce e parcerias da indústria, Samanta Puglia. A executiva admitiu que essa guinada já trouxe dores, entre elas, a mudança do quadro de pessoal.

Paraná adota Inteligência Artificial em serviços ao cidadão

Os serviços desenvolvidos pela Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar)são as ferramentas eleitas pelo Governo do Estado para ampliar a digitalização dos serviços, revela André Telles, assessor especial de Gestão Inteligente e Inovação.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G