TELECOM

Teles aguardam a regulamentação e a definição de onde os recursos serão aplicados

Convergência Digital* ... 04/10/2019 ... Convergência Digital

Por meio de nota oficial do SindiTelebrasil, o sindicato das operadoras de telefonia,  as teles exultam a sanção da Lei 13.879/2019 por colocar o Brasil definitivamente no caminho da economia digital. No comunicado, as teles asseguram que "as alterações promovidas pelo Congresso Nacional e sancionadas pela Presidência da República vão garantir mais internet à população, mais localidades com telefonia móvel e banda larga, mais empregos e mais investimentos no País, com forte impacto no crescimento socioeconômico e na geração de renda."

Conforme ainda o SindiTelebrasil, o setor de telecomunicações aguarda, agora, a regulamentação da lei, com a definição das áreas em que os investimentos serão aplicados, especialmente aquelas sem infraestrutura adequada. Essa mudança, certamente, beneficiará toda a sociedade, gerando o reaquecimento da economia e mais qualidade de vida para população.

A nota oficial informa ainda que o setor de telecomunicações já investe R$ 30 bilhões ao ano, especialmente em expansão da infraestrutura e melhoria da qualidade dos serviços. Com a alteração na lei, os recursos que antes eram aplicados obrigatoriamente em soluções obsoletas, como os orelhões, passarão a ser destinados à ampliação ainda maior do acesso à internet.

A apuração dos valores a serem investidos, decorrentes da adaptação da concessão em autorização, de acordo com a lei, será feita pela Anatel, com o acompanhamento do Tribunal de Contas da União e dos demais órgãos de controle da União. "As novas regras trazem maior segurança jurídica para a continuidade dos investimentos e para a aplicação de recursos em serviços mais demandados pela população. Hoje, todos querem estar conectados", ressalta o comunicado.

Ainda de acordo com o SindiTelebrasil, "a cada R$ 1 bilhão investido é possível, por exemplo, instalar 10 mil quilômetros de fibras ópticas, o equivalente a duas vezes a distância de Norte a Sul do País. Com o mesmo valor é possível instalar 2 mil novas antenas para levar internet a locais que ainda não têm os serviços ou reforçar a cobertura onde já existe".

As operadoras destacam que "transferir para a banda larga recursos aplicados hoje em orelhões e telefonia fixa permite ampliar o acesso à internet. A cada R$ 1 bilhão investido é possível conectar 800 mil novos domicílios, beneficiando 2,4 milhões de pessoas. Dados da UIT, ligada à Organização das Nações Unidas, mostram que a cada 10% de aumento de penetração da banda larga em um país, há aumento de 1,4 ponto percentual no PIB."

Ao fim do comunicado, o SindiTelebrasil reforça que "mais investimentos em internet têm também reflexo direto na geração de emprego e renda. A previsão é de que sejam criados milhares de novos postos de trabalho na indústria, infraestrutura, equipamentos, instalação, manutenção e atendimento. O setor de telecomunicações entende que neste novo projeto de Brasil, que começa hoje com a sanção da Lei 13.879/2019, a inclusão de mais pessoas e o desenvolvimento do País devem ser os objetivos principais das novas políticas públicas para o setor."

 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Aloo Telecom: Brasil precisa de um cadastro único de redes de fibra ótica

O crescimento das redes de fibra ótica é desorganizado e faltam informações disponíveis para definir onde investir e maximizar os recursos, afirma o CEO da operadora, Felipe Cansanção. Aloo Telecom analisa a participação no leilão 5G. "Nunca se vendeu tanta capacidade de espectro", adiciona o CEO.

Ufinet, da Enel, entra no mercado de rede neutra no Brasil

Chairman da empresa, Stefano Lorenzi,  assegura que Ufinet não terá vantagem no uso dos postes por ter a distribuidora elétrica como uma das acionistas. "Vamos competir igual com os outros", diz.

Falta um orquestrador para resolver o conflito do uso dos postes

"Não é falta de lei. Não é falta de resolução. É falta de agenda prioritária. Falta uma orquestração efetiva para se tentar resolver o problema", diz o diretor de estratégia e regulatório da Algar Telecom, Renato Paschoareli.

Abranet: Revisão do marco de telecom tem que abrir espaço para voz no SCM

Entidade diz que a revisão do marco legal de telecom exige uma avaliação do mercado de telefonia no Brasil, com ajustes regulatórios capazes de abrir o segmento aos prestadores de SCM, com recursos de numeração e sistemas de áreas de tarifação nos moldes da telefonia celular.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G