Clicky

TelComp: "Claro, Vivo e TIM terão um poder de compra que vai ferir a competição no Brasil"

Ana Paula Lobo ... 15/12/2020 ... Convergência Digital

Em manifesto publicado para os seus associados, a TelComp -  Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas - adverte que a compra da Oi Móvel pelas três outras grandes operadoras é 'um movimento forte de concentração e retrocesso para a competição'.

De acordo com o informe, no mercado convergente, que em pouco tempo será balizado por licenças únicas, as estruturas que suportam serviços móveis e fixos, tendem a ser as mesmas em larga medida. Portanto, o que hoje pode parecer um movimento de concentração num só serviço, o móvel, na prática, mina a competição no setor de telecomunicações como um todo.

Para a TelComp, a oferta única para o leilão da Oi Móvel, 'foi urdida em conjunto de forma a inviabilizar propostas alternativas e permitir que o mercado seja repartido de forma coordenada, lança, antecipadamente, claro desafio às autoridades concorrenciais e regulatórias.' Em entrevista ao Convergência Digital, o presidente da TelComp, João Moura, diz que ao contrário do que se coloca no mercado não são três operadoras competindo, mas, sim, três CNPJs, tendendo a ser uma única operadora.

"O efeito da aquisição da Oi Móvel é transversal e tem uma magnitude no mercado como um todo. Ao poder de mercado se soma o Poder de Compra. Vivo, Claro e TIM serão  grandes compradores de infraestrutura e a tendência é que elas se alinhem em cima de uma estrutura única. O efeito à concorrência será muito prejudicial", adverte Moura.

No informe aos associados, a entidade lembra que a Anatel tem reportado ociosidade no uso de rádio frequências, o que tende a aumentar com a concentração de mercado, agravada por acordos de compartilhamento, que seguem na direção de uma rede única. "Este movimento de concentração de controle de rádio frequência será exacerbado com o Leilão 5G, preocupa o mercado e foi objeto de alerta da OCDE em seu relatório de avaliação das condições das telecomunicações, publicado há pouco tempo", completa a entidade.


Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Uso da faixa de 6 GHz avança no mundo. 2021 terá dispositivos e celulares Wi-Fi 6E

No Brasil, conselho diretor da  Anatel decide se vai destinar os 1200 MHz da faixa ao uso não licenciado, em movimento semelhante ao que já se deu nos Estados Unidos. Movimento semelhante acontece na Europa e no Oriente Médio.

Veja mais matérias deste especial    •    Inscrição gratuita - Clique aqui

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

Minicom: “Queremos o 5G standalone, que é o 5G de verdade, não um 4G plus”

Ao concluir viagem à Europa e Ásia para falar com fabricantes de equipamentos, o ministro das Comunicações, Fabio Faria, avisou que o governo também defende a exigência do release 16 do 3GPP no leilão da quinta geração. 

Claro e Vivo se isolam contra a exigência do 5G pleno

TIM, provedores regionais, pequenos prestadores e operadoras competitivas reforçaram aos parlamentares que 5G pleno não custa mais nem atrasa implementação no Brasil.

Anatel publica regras para fim das concessões de telefonia

Regulamento de Adaptação do STFC traz prazos e procedimentos para Oi, Telefônica, Claro, Algar e Sercomtel decidirem sobre a migração do regime público para privado. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G