Home - Convergência Digital

Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

Convergência Digital* - 10/06/2020

Um estudo realizado pela KPMG apontou os oito principais quesitos para as normas de utilização da internet das coisas. Segundo o levantamento "Após a chuva dos regulamentos de IoT" (do original em inglês, After the rainfall of IoT regulations), entre os principais tópicos para a regulação da ferramenta estão: avaliação de riscos, governança, gestão da configuração e gestão da cadeia de suprimentos.

Para o sócio líder do setor de tecnologia, mídia e telecomunicações da KPMG no Brasil, Dustin Pozzetti, o desenvolvimento de produtos mais seguros, além de necessário, traz a vantagem de aumentar a competitividade das empresas, aprimorando a produção e conquistando a confiança dos consumidores. "As soluções em internet das coisas estão mais presentes no dia a dia das pessoas, com dispositivos cada vez mais conectados à rede. Como efeito desse cenário, as coletas de informações e dados pessoais aumentam significativamente, ocasionando riscos potenciais à segurança dos dados e os legisladores vêm trabalhando de uma forma geral para regulamentar o segmento, de modo que as empresas se responsabilizem pela proteção das informações de seus clientes", analisa.

Diante desse cenário, a KPMG apontou as oito áreas-chaves para as normas de internet das coisas:

· Governança: uma governança eficaz norteia o programa, promove a padronização e a consistência e monitora os riscos regulatórios de forma contínua;
· Avaliação de riscos: necessidade de entender os riscos que os dispositivos conectados apresentam às operações, aos ativos e aos stakeholders, incluindo os consumidores, para a criação de produtos seguros;
· Gestão da cadeia de suprimentos: as fabricantes são responsáveis pela postura de segurança dos terceiros envolvidos nas operações.
· Ciclo de vida do desenvolvimento seguro: incorporação de técnicas de ciclo de vida de desenvolvimento seguro ao desenho e à produção dos dispositivos conectados.
· Gestão da configuração: garantia de que a configuração-padrão segura seja predefinida em dispositivos de IoT e por controlar quem pode fazer modificações nas configurações e qual tipo de modificação pode ser feita.
· Identificação da gestão, da autenticação e do controle de acesso: incorporação das melhores práticas de segurança de software para garantir que o uso de dispositivos conectados seja restrito a pessoas, processos e dispositivos autorizados.
· Gestão e privacidade de dados: implementação de métodos razoáveis para proteger os dados gerados por dispositivos conectados, armazenados neles e transmitidos a eles.
· Monitoramento e gerenciamento de vulnerabilidades: as fabricantes devem monitorar, identificar e corrigir de forma ativa e contínua os problemas nos dispositivos de internet das coisas, incluindo aqueles problemas relacionados à produção e à operação.

Para o sócio-diretor líder em regulação no setor de tecnologia, mídia e telecomunicações da KPMG no Brasil, Marcelo Ribeiro, as áreas apresentadas no estudo ajudam a definir e a direcionar os elementos de base para o futuro dos programas de segurança de internet das coisas, que não somente atendam aos requisitos regulatórios, mas também protejam os consumidores, conquistem a confiança e aprimorem o valor dos produtos de IoT no longo prazo.

"Esse é um mercado em plena transformação, com muita inovação embarcada e que a segurança relacionada aos dados coletados seja endereçada de acordo com os requisitos necessários gerando transparência e confiança a todos os entes envolvidos nessa jornada", conclui Ribeiro.



Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

06/07/2020
UISA, de bionergia, contrata Vivo para ter 4G e IoT na produção de bionergia

01/07/2020
ConectarAgro quer 13 milhões de hectares na área rural com conexão 4G até o fim de 2021

29/06/2020
Senador pede regime de urgência para IoT para acelerar geração de emprego e renda

23/06/2020
Indicator Capital vai gerir fundo de IoT do BNDES e Qualcomm Ventures

16/06/2020
Startup pernambucana capta R$ 3,5 milhões e investe para expandir IoT na saúde

12/06/2020
Bayer dá acesso gratuito a ferramenta de coleta de dados para agricultura digital

10/06/2020
Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

08/06/2020
Centro de Operações Rio usa rede neutra IoT da American Tower

08/06/2020
TIM inicia piloto de IoT e IA para monitoramento de granjas da JBS

15/04/2020
Internet das Coisas: Quase 30% das empresas sofreram incidentes de segurança

Destaques
Destaques

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site