Clicky

Huawei: é cedo para dizer quem está dentro ou fora da rede privada do governo

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/04/2021 ... Convergência Digital

A Huawei ainda aguarda a publicação dos requisitos que o governo federal quer ver na rede privativa de comunicações, que será financiada com o leilão do 5G, para definir se tem ou não espaço para participar. 

Como afirmou nesta terça, 6/4, o diretor de cibersegurança e soluções da fabricante chinesa na América Latina, Marcelo Motta, o divulgado até agora não deixa claro eventuais limites ou impedimentos. 

“No que diz respeito à rede privativa, existe uma portaria, mas os requisitos ainda não estão completamente claros. Quem adquire a rede coloca requisitos, mas à medida que os requisitos estejam claros a gente pode avaliar nossa condição de participar ou não.”

O diretor da Huawei participou de reunião do Grupo de Trabalho sobre a implantação do 5G no Brasil, ao lado de representantes das outras fornecedoras de equipamentos de rede, Ericsson, Nokia e Samsung. 

Ele insistiu que “existe aderência dos fornecedores a requisitos de segurança cibernética e isso vale para quaisquer redes. Estamos aguardando os requisitos da rede privativa para avaliar nossa participação”. 

A portaria 1.924 do Ministério de Comunicações traz diferentes obrigações para o leilão do 5G, inclusive a “implantação de uma Rede Privativa de Comunicação da Administração Pública Federal”. 

Essa portaria diz essa rede deve usar “equipamentos projetados, desenvolvidos, fabricados ou fornecidos por empresas que observem padrões de governança corporativa compatíveis com os exigidos no mercado acionário brasileiro”.

Tal definição, na prática, não impede a Huawei de participar da rede privativa, a não ser que seja normatizada como exigência de ações na B3. Como essa restrição não existe na legislação sobre licitações no Brasil, difícil vingar. Assistam a posição da Huawei, através da participação do seu executivo Marcelo Motta, no GT 5G da Câmara Federal.


Internet Móvel 3G 4G
Justiça da Suécia nega recurso da Huawei para entrar no 5G

Decisão de 22/6 mantém o que já fora definido pelo regulador de telecomunicações sueco, que proíbe as operadoras do país a usarem equipamentos Huawei ou ZTE e mandou remover os existentes até 2025.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

À espera da venda para TIM, Claro e Vivo, Oi Móvel emite R$ 2 bilhões em debêntures

Em fato relevante, a operadora informou que as debêntures serão subscritas e integralizadas por fundo de investimento gerido por subsidiária do Banco BTG Pactual S.A. Operação segue em análise no CADE e na Anatel.

Red Hat: para ser cloud nativa, uma tele precisa mais do que transformação digital, precisa de nova cultura

Mudar a mentalidade é essencial para que uma operadora de telecomunicações transforme seus negócios e suas redes, afirma Livio Tulio Silva, da Red Hat.

Cade aprova venda do controle da empresa de fibra da TIM para IHS

Operadora vai receber R$ 1 bilhão e pretende usar o dinheiro para pagar a fatia com a qual vai ficar a partir da compra da Oi Móvel.

TIM emite R$ 1,6 bilhão em debêntures vinculadas à ESG

Operação é a primeira realizada por uma empresa de telecomunicações no país. Tele diz que todos os recursos arrecadados serão investidos em infraestrutura, em especial, no 5G.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G