TELECOM

Refarming vai trazer 5G antes do leilão da Anatel, diz Rodrigo Abreu, da Oi

Ana Paula Lobo ... 07/07/2020 ... Convergência Digital

O Brasil só terá 5G de verdade se fizer uma massificação efetiva da fibra ótica, advertiu o CEO da Oi, Rodrigo Abreu, ao participar de debate, conduzido por Amos Genish, head de inovação do BTG Pactual Digital, nesta terça-feira, 07/07. Abreu lembrou que a Oi é a operadora com maior presença com fibra, cerca de 2000 municípios, mas tem serviço efetivo em pouco mais de 100 cidades.

"No total, talvez existam 300 ou 400 cidades com infraestrutura ótica na casa do cliente. É pouco, muito pouco. Temos é verdade os provedores internet que fazem um trabalho de interiorização, mas com velocidades menores de conexão. O Brasil não se resume a São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Rio de Janeiro. Sem fibra ótica, não haverá 5G, mesmo com leilão de frequências", adicionou Abreu.

Indagado por Amos Genish, que é o head de inovação do BTG Pactual Digital e ex-presidente da Vivo e da GVT, se o Brasil estava atrasado com o processo do 5G, o CEO da Oi sustentou que se há atraso, ele pode ser recuperado mais à frente até porque as aplicações dependentes do 5G também estão incipientes. Mas Abreu advertiu: o leilão não pode deixar de acontecer em 2021. Mas o leilão não será ponto de partida para o 5G no Brasil: ele chegará com o refarming das frequências disponíveis.

"Não há mais espaço para adiamento. Acabou o prazo, mas também é certo que o 5G vai chegar antes. Todas as teles estão correndo para fazer o melhor uso das frequências. O 5G terá uma escala gradual, para poucos usuários finais, por conta dos terminais. A grande aplicação será IoT para empresas. 5G será uma aplicação B2B numa etapa inicial", completou o CEO da Oi.


Internet Móvel 3G 4G
CCR Barcas e Visa fazem piloto de pagamento por aproximação (NFC) nas barcas do Rio

Experiência - onde o passageiro não precisa mais comprar ou recarregar um bilhete específico e a cobrança do valor acontece na fatura do cartão - chega primeiro às estações Araribóia e Praça XV.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Anatel define se faixa de 6GHz será 100% não licenciada ou terá 500 MHz para as teles

"A área técnica recomendou o uso para não-licenciado", contou o superintendente da Anatel, Vinicius Caram, ao participar do eForum Wi-Fi 6, realizado pelo Convergência Digital e pela Network Eventos.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G