TELECOM

Solução para interferência nas parabólicas adia proposta da Anatel para edital do 5G

Luís Osvaldo Grossmann ... 03/10/2019 ... Convergência Digital

A Anatel adiou por mais 30 dias a deliberação sobre a proposta de edital do 5G, que ainda precisa ser submetida à consulta pública. O relator da matéria, Vicente Aquino, pediu extensão do prazo sob a justificativa de que aguarda um posicionamento do governo sobre qual será a política pública a ser adotada no caso da interferência da faixa de 3,5 GHz nas antenas parabólicas. 

“O item que envolve as antenas parabólicas está em franco debate em todos os segmentos e em diálogo com o Ministério de Ciência e Tecnologia, de modo que essa questão ainda não se solucionou. Estou dialogando como o ministério, que está na iminência de soltar uma política sobre essa matéria. Mas não fechamos esse ponto”, afirmou Aquino. Ele revelou que se reúne ainda nesta mesma quinta, 3/10, com os ministérios da Economia e de C&T para tratar do assunto. 

Embora não tenha adiantado a proposta, o relator ressalta a questão das parabólicas. “Não veio previsão da área técnica [na proposta do edital] sobre alguma proteção a esse segmento, que não é pequeno. Representa 22 milhões de lares, um terço da população do Brasil, e que uma cláusula editalícia pode atingir de forma direta ou indireta. É uma questão de política pública e por isso estou esperando o ultimo momento possível por uma posição do Ministério”, disse Aquino. “Dependemos de vários fatores, dentre os quais entendermos que a TVRO está solucionada ou bem encaminhada.”

O adiamento, porém, foi mais um motivo de divergências no Conselho Diretor da Anatel e o prazo foi estendido a contragosto. “O tempo está contra nós. Cada dia que passa é um dia a mais para a implantação do 5G”, apontou Emmanoel Campelo, ao pedir que o assunto volte à pauta antes dos 30 dias do novo prazo. 

Mais que isso, o presidente da Anatel, Leonardo Morais, fez um registro público e formal para reclamar do adiamento. “A argumentação apresentada é inapta como justificativa para deferimento da delonga. O deferimento não se mostra oportuno e carece de conveniência. Muitos são os esforços para a maior licitação de espectro da história da Anatel. Mesmo pequenas demoras podem representar anos de atraso e potencial desperdício de janelas de oportunidade para investimento”, defendeu. 

Morais acabou concordando com a extensão do prazo, mas fez registrar que por uma única vez. “É necessária a pronta submissão da presenta matéria à consulta pública, que é importante instrumento de apoio à tomada de decisão. A própria consulta pública pode auxiliar enormemente o ministério na formulação da política. Mas não se tem conhecimento de qualquer manifestação do MCTIC, dentro ou fora do processo, no sentido de agência suspender tramitação até a expedição dessas diretrizes. A proposta cruza os braços e aguarda incerta providencia”, completou. 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Aloo Telecom: Brasil precisa de um cadastro único de redes de fibra ótica

O crescimento das redes de fibra ótica é desorganizado e faltam informações disponíveis para definir onde investir e maximizar os recursos, afirma o CEO da operadora, Felipe Cansanção. Aloo Telecom analisa a participação no leilão 5G. "Nunca se vendeu tanta capacidade de espectro", adiciona o CEO.

Ufinet, da Enel, entra no mercado de rede neutra no Brasil

Chairman da empresa, Stefano Lorenzi,  assegura que Ufinet não terá vantagem no uso dos postes por ter a distribuidora elétrica como uma das acionistas. "Vamos competir igual com os outros", diz.

Falta um orquestrador para resolver o conflito do uso dos postes

"Não é falta de lei. Não é falta de resolução. É falta de agenda prioritária. Falta uma orquestração efetiva para se tentar resolver o problema", diz o diretor de estratégia e regulatório da Algar Telecom, Renato Paschoareli.

Abranet: Revisão do marco de telecom tem que abrir espaço para voz no SCM

Entidade diz que a revisão do marco legal de telecom exige uma avaliação do mercado de telefonia no Brasil, com ajustes regulatórios capazes de abrir o segmento aos prestadores de SCM, com recursos de numeração e sistemas de áreas de tarifação nos moldes da telefonia celular.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G