INCLUSÃO DIGITAL

Acesso à Internet reproduz desigualdade social e econômica no Brasil

Ana Paula Lobo* ... 10/06/2019 ... Convergência Digital

Um estudo produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada- IPEA - e divulgado nesta segunda-feira, 10/06, mostra que a falta de acesso à internet repete as mesmas adversidades e exclusões já verificadas na sociedade brasileira no que tange a analfabetos, menos escolarizados, negros, população indígena e desempregados.

Para os analistas do IPEA se a Internet não produz diretamente a exclusão, a reproduz, tendo em vista que os que mais acessam são justamente os mais jovens, escolarizados, remunerados, trabalhadores qualificados, homens e brancos. Logo, sustentam os especialistas, há uma necessidade de se planejarem intervenções sobre os grupos menos favorecidos por meio da estruturação de políticas que visem diminuir as desigualdades de acesso.

O levantamento ressalta que a internet apresenta, de fato, amplos potenciais, dada a sua capacidade de compartilhamento e circulação de grandes volumes de dados por diferentes indivíduos, e também pela possibilidade de descentralização da produção de informações. Isso porque a rede reduziu incrivelmente os custos tanto da produção quanto da distribuição e comunicação de conteúdos, notícias e bens culturais – bens simbólicos que são facilmente disseminados por blogs, redes sociais, fóruns online, plataformas de compartilhamento de conteúdo etc.

O relatório aborda ainda que o surgimento das novas tecnologias de informação e comunicação (TICs) alterou as dinâmicas sociais e impactou diferentes instâncias da vida social nos últimos tempos. Essa potência faz com que a internet seja abordada essencialmente pelos seus aspectos positivos e por sua faculdade emancipadora, mas conforme o estudo - feito a partir dos dados do TIC Domicílio 2017, realizado pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) - há diferença marcante entre os grupos.

Os analistas do IPEA ressaltam que "a utilização das TICs está diretamente relacionada aos aspectos cognitivos dos sujeitos, como conhecimento de seu uso, acesso à linguagem letrada, nível de instrução, escolaridade etc. Logo, os mais escolarizados são os que mais acessam a internet e também os que possuem maior índice de acumulatividade das práticas, ou seja, são os que demonstram maior compreensão e disposição para o mundo digital."

Os dados compilados pelo IPEA mostraram ainda que há pouca diferença entre os hábitos de acesso dos homens e das mulheres. Em termos de comportamento adotado, se a internet é mais utilizada para compartilhar ou para produzir conteúdo, também não há muita diferença entre a postura adotada por cada um. As mulheres estão mais interessadas do que os homens em compartilhar conteúdo recebido ou postar textos, imagens e vídeos de autoria própria. Os homens estão mais interessados em criar ou atualizar blogs e páginas da internet.

A análise foi feita pelos pesquisadores, Frederico Barbosa, da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais (Disoc),Paula Ziviani, do Programa de Pesquisa para o Desenvolvimento Nacional (PNPD) na Disoc/Ipea e Daniela Ribas, pesquisadora do PNPD na Disoc/Ipea. Clique aqui e leia a íntegra do material do IPEA.


MPF recomenda que instituto cancele compra de MacBooks de R$ 12 mil e use PCs mais baratos

Instituto Federal de Educação do Rio Grande do Norte (IFRN) quer 20 notebooks da Apple para o setor administrativo, em custo superior a R$ 250 mil. MPF diz que licitação deve incluir outras marcas. 

Covid-19 aumentou o uso da internet nas classes C, D e E

Segundo a pesquisa TIC Covid-19, do Cetic.br, a pandemia aumentou o uso da rede em todas as classes e faixas etárias. O que já era hábito entre os mais ricos, passou a ser mais comum entre os mais pobres para compras e serviços.

Bemol quer Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E para levar banda larga para quem não tem nem 3G

Varejista com atuação na região norte do País tem planos de expandir sua infraestrutura para mais cidades, mas conta com a frequência não licenciada, diz o gerente de TI, Jesaias Arruda.

Saúde pública padece de acesso à Internet e de segurança de dados

Processo de levar acesso à Internet para as Unidades Básicas de Saúde(UBS) não avança e apenas 23% delas disponibilizam agendamento de consultas pela Internet. Nas unidades privadas, o atendimento online está em 100% do segmento. Diferença é evidente na comparação do Norte e Nordeste com o Sul e Sudeste.

Licitação do MEC abre espaço para MVNOs na oferta de banda larga móvel gratuita

Propostas têm de ser enviadas ao governo até o dia 17. Contratação acontece ainda em julho. O preço de referência da RNP para este processo é de R$ 0,56 GByte/mês sem ICMS, considerando um pacote de dados de 20 Gbytes, para a quantidade de 5.000 alunos. 

Escolas viram telecentros para quem não tem acesso à Internet

Maior parte dos usuários vai para fazer pesquisa escolar e digitar currículos ou outros documentos. Conexão à Internet melhorou, mas a maioria tem conexão entre 1 Mpbs até 5 Mbps.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G