GESTÃO

Federação Assespro reage à decisão do Serpro de avançar no mercado privado de TI

Convergência Digital* ... 17/09/2019 ... Convergência Digital

A entrevista do presidente do Serpro, Caio Andrade, à Reuters, na semana passada, onde o executivo disse que planejava captar clientes no setor privado e mirava um IPO na bolsa, independente de a estatal ter sido inserida na lista das empresas privatizáveis pelo governo Bolsonaro, repercutiu no setor privado de TI.

Em nota oficial, encaminhada nesta terça-feira, 17/09, a Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação - Assespro Nacional - afirma que 'vê com preocupação o futuro do Serpro, a maior estatal de tecnologia do país, quando sua diretoria anuncia, em entrevista à imprensa, que tem em seus planos o objetivo de captar clientes no setor privado passando dos atuais 1,3 mil para 4 mil até o final do ano que vem".

De acordo com a Federação Assespro, desde 2012, quando foi impetrada uma ação direta de inconstitucionalidade junto ao Supremo Tribunal Federal contra a Lei 12.249/2010 que retirava a necessidade de licitação para a contratação de serviços de TI do Serpro por alguns órgãos do governo federal, há ruídos com a forma de atuação da estatal.

No comunicado, a entidade - que está presente em 13 estados do País e reúne mais de duas mil empresas dos mais variados porte - adverte que o 'plano de negócios do Serpro ameaça tirar mercado das empresas brasileiras, uma vez que trata-se de uma empresa pública e não existe, na Constituição, nenhuma previsão para que ela atue dessa maneira. É o estado trabalhando contra a sociedade usando dinheiro público para gerar lucro para si próprio tirando oportunidades da iniciativa privada."

A Federação Assespro diz ainda que a decisão do Serpro contraria um recente protocolo de intenções assinado, em abril do ano passado, que previa o incentivo à interação técnica entre as instituições. O Convergência Digital publica a íntegra da nota oficial da Federação Assespro.

NOTA OFICIAL

A Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação - Assespro Nacional vê com preocupação o futuro do Serpro, a maior estatal de tecnologia do país, quando sua diretoria anuncia, em entrevista à imprensa, que tem em seus planos o objetivo de captar clientes no setor privado passando dos atuais 1,3 mil para 4 mil até o final do ano que vem.

O problema vem de longe. Desde 2012 quando entramos com uma ação direta de inconstitucionalidade junto ao Supremo Tribunal Federal contra a Lei 12.249/2010 que retirava a necessidade de licitação para a contratação de serviços de TI do Serpro por alguns órgãos do governo federal.

Agora, com o anúncio da expansão, o problema nos parece ainda mais amplificado. O plano de negócios do Serpro ameaça tirar mercado das empresas brasileiras. Trata-se de uma empresa pública e não existe, na Constituição, nenhuma previsão para que ela atue dessa maneira. É o estado trabalhando contra a sociedade usando dinheiro público para gerar lucro para si próprio tirando oportunidades da iniciativa privada.

O anúncio do plano de expansão do Serpro, aliás, vai também de encontro a um recente protocolo de intenções assinado conosco, em abril do ano passado, que previa o incentivo à interação técnica entre as instituições. O acordo visa a promoção de iniciativas que busquem a prospecção de soluções tecnológicas inovadoras para o Estado brasileiro, para os cidadãos e também para criar oportunidades de negócios entre as empresas de tecnologia da informação.

A Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação - Assespro Nacional é uma entidade sem fins lucrativos, regida por seus estatutos sociais, fundada em 1976 com o intuito de representar, de forma distinta e empreendedora, empresas privadas nacionais produtoras e desenvolvedoras de software, produtos e serviços de tecnologia da informação, telecomunicações e internet. Presente em 13 Estados do país, com diretorias regionais, a entidade reúne mais de duas mil empresas dos mais variados portes.

Diretoria Assespro







Carreira
Parceria oferece 100 mil vagas gratuitas em cursos de programação

Iniciativa da Digital Innovation One e do Sindicato patronal de TI de São Paulo pretende capacitar mão de obra e identificar talentos em tecnologia. Os interessados podem, por exemplo, aprender Javascript, HTML, Reactjs, banco de dados, Python, Git, blockchain e inteligência artificial.

Empresas de software reagem a novo imposto no Rio de Janeiro

Tributo, oriundo do Fundo Orçamentário Temporário (FOT), passaria a valer a partir de 01 de janeiro, mas liminar, concedida à FIRJAN, adiou a cobrança para março. "Legislação é inconstitucional e vamos reagir", diz o presidente do TI Rio, Benito Paret.

Contrato bilionário de serviços na nuvem do TJSP com Microsoft volta à mesa com decisão do STF

Supremo suspendeu uma resolução do CNJ que obriga aos tribunais a adotarem plataforma desenvolvida pelo próprio Judiciário para tramitação eletrônica de processos.

Ministério da Justiça vai usar OTTs de mensagem para mandar intimações

Não está claro se as intimações irão por WhatsApp e Telegram ou por apenas um OTT. Os interessados têm de concordar em receber a intimação pelo celular.

Governo estuda como transferir dados para Serpro e Dataprev pós-privatização




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G