NEGÓCIOS

Embratel: modelo de negócio de IoT exige o compartilhamento de resultados

Por Fábio Barros e Carlos Afonso ... 01/11/2019 ... Convergência Digital

Atender as demandas geradas com a expansão da Internet das Coisas mobiliza os fornecedores de serviços no País. Uma das preocupações do ecossistema é definir os melhores modelos de negócios. Ao participar do Futurecom 2019, que aconteceu de 28 a 31 de outubro, em São Paulo, a diretora de Soluções de IoT da Embratel, Elisabete Couto, sustentou que entregar valor ao cliente será o diferencial de concorrência. A executiva lembrou que, no mundo IoT, há muitas soluções tradicionais que são apenas conectadas e que isso não necessariamente cria valor para os clientes.

“Temos que ter isso em mente”, provocou Elisabete Couto, citando o modelo de PaaS (Platform as a Service) como exemplo, uma vez que o cliente não investe nada e toda a solução é construída pelo provedor, que aos poucos vai se aprofundando no negócio do cliente e oferecendo mais e mais valor. Um case citado por ela é o da Rolls Royce, que vendia turbinas e passou a vender serviços de manutenção. Com a mudança, a companhia passou a antecipar problemas de seus clientes, agregando mais valor a seu produto.

“Também acho bacana o modelo por resultados, quando a empresa implanta toda a infraestrutura dentro do cliente e compartilha os resultados dele. É muito usado para eficiência energética. Outro modelo é o de venda recorrente, onde você subsidia o ativo e captura valor na reposição de suprimentos”, defende.

Com todos estes modelos no radar, Elisabete apontou que a Embratel vem se focando no desenvolvimento de soluções sob medida para as necessidades de grandes clientes. “Um projeto de IoT leva uns dois anos para ser concluído e envolve muito o ecossistema do cliente. Para desenvolvê-lo, usamos um framework construído pelo cliente. É um desafio”, completou. Assista à entrevista com a diretora da Embratel, Elisabete Couto.


TJ/SP autoriza Banco do Brasil a fechar contas-corrente da Mercado Bitcoin

Tribunal entendeu que não houve abuso de direito, nem indícios de violação à legislação concorrencial ou mesmo de ofensa à boa-fé por parte da instituição financeira com a corretora de criptomoedas.

SAP Brasil: quem tem de cuidar dos dados são as empresas

"É um novo momento para a sociedade e as corporações precisam se preparar", diz a presidente da SAP Brasil, Cristina Palmaka.

Embratel: sete entre 10 clientes questionam se a LGPD vai 'pegar'

“A nova legislação de proteção de dados vai 'pegar' porque as pessoas exigem. Quem começar agora já está atrasado e tem muita empresa ainda em avaliação",  adverte a diretora executiva para governo da Embratel, Maria Teresa Lima. 

Meios de pagamento: CADE amplia investigação para Itaú e Rede

Autarquia adotou medida preventiva para evitar prejuízos à concorrência decorrentes de possível venda casada em campanha oferecida pela Rede. Mercado está em ebulição e há disputas judiciais em curso.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G