Clicky

TIM espeta Highline: Transformar Oi em várias MVNOs não ajuda o cliente

Luís Osvaldo Grossmann ... 30/07/2020 ... Convergência Digital

Em disputa bilionária para ficar com a operação móvel da Oi, a TIM aproveitou a apresentação de resultados nesta quintfeira, 30/7, para alfinetar o modelo proposto pela concorrente pelo ativo, a Highline, de manter uma rede móvel neutra. Além de ressaltar que as regras no Brasil não permitem manter espectro sem oferta comercial, a TIM questionou a viabilidade de a Oi ser transformada em diferentes MVNOs. 

“É uma coisa interessante, porque esse é um mercado que exige inovação. Portanto, se mudar o marco regulatório, talvez também possamos fazer uma avaliação. Até agora faz sentido trabalhar de maneira integrada. Houve sucesso quando envolveu uma tele tradicional e, por exemplo, um grande varejista. Mas vemos players que não conseguiram economia de escala. Temos uma situação em que alguns players não conseguem o mesmo nível de qualidade dos outros. Se transformar esse player em diversos MVNOs, não vai aumentar a frequência para o cliente”, apontou o presidente da TIM Brasil, Pietro Labriola. 

Guerra é guerra. O consórcio entre TIM, Vivo e Claro até aumentou a oferta pela Oi Móvel, para R$ 16,5 bilhões, exatamente na tentativa de bater a proposta da Highline, que está de olho nos demais ativos da Oi com planos de ser um operador neutro tanto no mercado fixo como celular. Além de questionar a viabilidade do modelo, a TIM insistiu que, ao menos por enquanto, a proposta também não cabe no modelo regulatório vigente. 

“A regulação do MVNO no Brasil está em vigor desde 2010. É um negocio já implementado e com regulamento próprio. Por outro lado, um atacadista no mobile está fora do escopo da regulamentação, porque todas as autorizações de espectro e serviços móveis implicam necessariamente em atividade com o cliente final. Então não pode ter espectro sem ter uma oferta de varejo e o cumprimento de todas as obrigações relacionadas”, emendou o vice presidente para assuntos regulatórios e institucionais da operadora, Mario Girasole. 

Impacto da Covid-19

Quanto aos números, a TIM sentiu o impacto da pandemia de Covid-19 e anotou queda de 15% no volume de recargas do pré-pago, o que provocou recuo de 10,7% nas receitas do segmento no segundo trimestre – embora aponte que os dados mais recentes já são melhores que o do início do período. As linhas pré-pagas caíram 8,7%, para 30,7 milhões. 

As receitas com pós pago também tiveram queda, de 1,1%, com a base estável em 21,3 milhões de acessos. Segundo a TIM, o fechamento das lojas afetou novas adesões. Houve bons números na operação fixa, com o segmento de banda larga apresentando crescimento de 20%, para 606 mil acessos. A receita líquida do grupo recuou 6,5% e fechou o trimestre em R$ 3,98 bilhões. Como resultado consolidado, a tele fechou o segundo trimestre com queda de 24% no lucro, que ficou em R$ 260 milhões. 


Internet Móvel 3G 4G
Dona da Vivo cria aceleradora para startups focadas em trabalho remoto

Wayra X, do grupo Telefónica, é uma iniciativa voltada a ser o primeiro hub 100% digital.  Empresa busca projetos voltados para 5G, saúde, casa conectada, entretenimento e futuro do trabalho.

Portabilidade: Claro é a tele com mais adesões. Oi e TIM cedem assinantes

Oi, na fixa, e TIM, na móvel, foram as operadoras que mais cederam assinantes com a possibilidade de troca de empresa mantendo o mesmo número. Já a Claro foi a operadora que mais ganhou clientes nos 12 anos do serviço.

Nova Oi busca eficiência operacional e personalizar ofertas ao cliente

Network analytics tem diversos níveis de maturidade e vai desde a proximidade maior com a infraestrutura da rede até análises mais especializadas do serviço, afirma o diretor de Estratégia, Tecnologia e Arquitetura de Rede da Oi, Mauro Fukuda.

Artur Coimbra é nomeado como novo Secretário de Telecomunicações

Mudança era esperada com a passagem de Vitor Menezes da Setel para a Secretaria Executiva do Minicom. 

Embratel reorganiza dados para conhecer melhor o cliente

Diretor-executivo de Soluções Digitais da operadora, Mário Rachid, lembra que cruzar dados não é um trabalho simples e exige amadurecimento. Entre os dados cruzados estão os dos sistemas de CRM e billing. "A personalização é a meta, mas temos de ter cuidados até por conta da LGPD", observa.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G