TELECOM

MCTIC pede para atrasar 5G e revisão dos contratos. Clima azeda com Anatel

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/02/2020 ... Convergência Digital

Uma movimentação inesperada do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações foi diretamente responsável pelo edital do 5G não ter sido aprovado ainda em 2019, bem como pela demora na aprovação das regras que vão balizar a migração dos contratos de concessão em regime público para autorizações de serviço em regime privado. 

O edital do 5G foi aprovado nesta quinta-feira, 6/2, depois de vários adiamentos e somente após ser publicada a Portaria 418/20, em 3/2, na qual são alinhadas algumas diretrizes para a oferta de radiofrequências da quinta geração da telefonia móvel. 

De forma semelhante, o Conselho Diretor da Anatel só conseguiu aprovar parcialmente, também na reunião desta quinta, o conjunto de normativos que envolvem a transformação dos contratos de concessão da telefonia fixa em autorizações, conforme previsto no novo marco legal do setor, a Lei 13.879/19. 

Foi aprovada o encaminhamento à consulta pública da minuta de regulamento da migração e a metodologia de cálculo do saldo a ser transformado em investimentos pelas concessionárias que fizerem essa opção. Mas ficou de fora o novo Plano Geral de Outorgas, a ser segregado em um processo à parte, em 30 dias, antes de retornar ao Conselho Diretor para então seguir ao Ministério. 

O tema, vale lembrar, foi objeto de uma reunião extraordinária da Anatel em janeiro, que antecipou o debate com o expresso objetivo de acelerar a tramitação. Mas a decisão foi adiada por um pedido de vista. Ao defender deixar o PGO para depois, Vicente Aquino lembrou que “é iminente a expedição de um Decreto com regulamentação do novo marco legal”. Em ambos os casos, os pedidos de vista se deram por pedidos do MCTIC, o que deixou um certo mal estar na agência. 

“Pedi reunião extraordinária dada a urgência desta matéria. Incomoda profundamente estarmos à reboque da Secretaria de Telecomunicações, para dizer que a Anatel fez o que já ia fazer por causa do Decreto. Como inclusive já saiu uma manifestação dizendo que o 5G só vai sair por conta da Portaria. Fica esse jogo de vaidade que acho absolutamente desnecessário”, disparou o conselheiro Emmanoel Campelo. 

Como apontou o presidente da Anatel, Leonardo Morais, acabou prevalecendo o acordo que faz avançar o regulamento e a metodologia de cálculo, enfim aprovados, ainda que a minuta do PGO tenha ficado para o futuro. “Agradeço ao conselheiro Vicente Aquino, que atendeu os apelos para trazer logo a matéria, e ao conselheiro Emmanoel Campelo, que embora preocupado com a autonomia administrativa e a não ingerência nas atividades da agência, abdicou de sua posição [sobre o PGO] em nome do interesse público”. 

O MCTIC já vem prometendo o Decreto com a regulamentação do novo marco legal desde o ano passado, mas o assunto está indefinido porque o governo ainda não encontrou a brecha legal que permitirá às operadoras manter indefinidamente as radiofrequências que já possuem, como permite a Lei 13.879/19, sem a necessidade de se submeterem a uma nova licitação. 


Internet Móvel 3G 4G
Claro bate rivais em banda larga móvel, TIM tem a menor latência

Relatório da canadense Tutela Technologies com base em 21 bilhões de registros no país diz que mercado competitivo móvel amplia ofertas. TAmbém mostra que as bandas de 1.8 GH e 2,6GHz são largamente usadas pelas operadoras para os serviços.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Oi lança internet por fibra ótica com 400 Mega de velocidade

 Internet por fibra ótica é o coração da estratégia de negócios da Oi e já tem mais de 1 milhão de clientes no país

Anatel discute quais dados econômicos vão ser coletados das grandes operadoras

Consulta pública sobre os indicadores econômico-financeiros está aberta por 45 dias. 

Anatel afasta redutor de multas em sanções de obrigação de fazer

Provocada pela Telefônica, prevaleceu o entendimento indicado pela AGU de que o regulamento vigente da agência não permite o uso desse incentivo fora das sanções pecuniárias.

Anatel vai discutir uso dos espectros ociosos em consulta pública

Proposta de uso do White Spaces entre frequências outorgadas é cautelosa ao prever uso em áreas rurais e regiões remotas.  Ideia é permtir o uso secundário para telefonia e banda larga em áreas rurais e regiões remotas.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G