Home - Convergência Digital

Datalege lança cursos online para formação de DPO

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 31/03/2020

A Datalege Consultoria Empresarial está lançando a versão online dos cursos para formação de Data Protection Officer (DPO)/Encarregado de Dados. O DPO, ou encarregado de proteção de dados, é uma nova profissão que está surgindo em decorrência da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). São três módulos para quem quer obter a certificação internacional e o primeiro deles, o Information Security Foundation (ISFS), começa na próxima quinta-feira, dia 2 de abril, e está com inscrições abertas.

Em parceria com a Exin Internacional, a Datalege desenvolveu para a plataforma virtual o conteúdo dos três módulos necessários para a certificação internacional. Já no primeiro módulo o aluno recebe o conteúdo da nova ISO 27701, que é uma versão aprimorada das normas técnicas de proteção e privacidade de dados editadas anteriormente.

Desde 2019, a Datalege já formou mais de 300 profissionais em cursos presenciais. Os outros dois módulos, Privacy & Data Protection Foundation (PDPF) e Privacy & Data Protection Practitioner (PDPP), estão programados para ocorrer entre os dias 8 e 9 e de 15 a 17 de abril, respectivamente. Ao todo, o profissional precisa participar das aulas dos três módulos, num total de 56 horas/aula, para se submeter às provas da EXIN.

Mario Toews, DPO e instrutor certificado da Datalege, explica que os cursos são ministrados em tempo real para permitir aos participantes esclarecer todas as dúvidas. Tanto que as vagas são limitadas, com no máximo 15 pessoas em cada módulo. “Não são aulas gravadas para o participante assistir sozinho. São aulas que acontecem em tempo real e permitem aos alunos interagir e esclarecer dúvidas diretamente com o instrutor, além de ter contato com os outros participantes, como aconteceria num curso presencial. A diferença é que tudo isso ocorre de forma remota”, explica.

O Data Protection Officer (DPO), ou encarregado de proteções de dados, é uma profissão que está surgindo em decorrência da LGPD. Já existe uma demanda significativa nas empresas por esse profissional, mas ainda são poucos os especialistas no Brasil com a certificação exigida. De acordo com o site Vagas.com, no Brasil o salário inicial para um profissional no cargo de DPO é de R$ 16,6 mil.

O papel do DPO é criar protocolos e procedimentos para que a empresa realize a coleta de dados de seus clientes de forma lícita e adequada às exigências da lei. É ainda o gestor da Política de Segurança da Informação e o responsável por estabelecer o contato entre o titular dos dados e a empresa responsável pelo tratamento desses dados, conforme as exigências legais.

DPO é o termo que a União Europeia adotou ao instituir o GDPR – a lei de proteção de dados lá. Aqui no Brasil, essa função foi denominada de “encarregado”. O encarregado será o profissional responsável pelo tratamento e processamento de dados pessoais nas empresas, instituições e órgãos públicos. Toda empresa deverá ter um DPO (ou encarregado) em seu quadro de colaboradores ou poderá terceirizar essa atividade. É uma exigência da LGPD.

É esse profissional que será o canal de conexão entre a empresa, os titulares dos dados (no caso, “os clientes pessoa física”) e a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), órgão responsável em zelar pela proteção dos dados pessoais, editar normas e procedimentos sobre a proteção de dados pessoais e a aplicação das sanções administrativas. Uma espécie de ombudsman da empresa, responsável por todas as questões relativas à segurança da informação e à proteção dos dados dos clientes, parceiros, fornecedores e colaboradores.

Qualquer pessoa pode ser um DPO, independentemente de formação acadêmica. Porém, é importante que seja alguém com um conhecimento prévio nas áreas de Tecnologia da Informação (TI) e de Direito. O cotidiano de um encarregado de dados será pautado principalmente pela Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), conhecimentos sobre as leis brasileiras (Código de Defesa do Consumidor, CLT, Código Penal, etc.) e demais normas que regem a atividade empresarial, gestão e governança de bases de dados pessoais de segurança da informação.

Além disso, é claro, terá que mergulhar nos fluxos e cultura da empresa em que irá atuar, porque ele será responsável pela gestão de toda a informação coletada. No Brasil, algumas empresas se adiantaram à lei e já incluíram em seus quadros essa função.

SERVIÇO:

PRÓXIMAS TURMAS

2 e 3 de abril de 2020 – Módulo ISFS – Information Security Foundation

8 e 9 de abril de 2020 – Módulo PDPF – Privacy & Data Protection Foundation

15, 16 e 17 de abril de 2020- Módulo PDPP – Privacy& Data Protection Practitioner (PDPP)

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES: www.datalege.com.br/cursos

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

20/05/2020
Legislativo e Judiciário garantem LGPD, enquanto governo empurra com a barriga

20/05/2020
Assespro: Sem Autoridade de Dados, Brasil sinaliza ao mundo não priorizar gestão de dados de pessoas e empresas

19/05/2020
Senado resgata data original e LGPD entra em vigor em agosto de 2020

19/05/2020
COVID-19: Brasil precisa criar já a Autoridade Nacional de Proteção de Dados

15/05/2020
Câmara resgata vigência da LGPD em agosto e deixa multas para 2021

06/05/2020
Relator na Câmara é contra adiar vigência da LGPD, mas aceita mais prazo para sanções

30/04/2020
Câmara coloca LGPD para votação em regime de urgência

29/04/2020
Governo atropela Senado e Câmara e adia LGPD para maio de 2021

27/04/2020
IBGE: Brasil precisa de dados, números e respostas para combater a Covid-19

27/04/2020
Governo lança guia de melhores práticas de adequação à LGPD

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Seis dicas para formar uma equipe de trabalho resiliente

or Craig Mackereth*

Formar uma equipe ou força de trabalho resiliente não é tarefa que se execute da noite para o dia. Tampouco é possível tornar uma equipe verdadeiramente resiliente se isso ainda não estiver integrado ao DNA da empresa.

Destaques
Destaques

TST suspende demissões na Dataprev enquanto durar crise da Covid-19

Trabalhadores alegaram que os prazos acordados no fim da greve não terão como ser integralmente cumpridos diante da situação emergencial com a epidemia do coronavírus. 

TST: Teletrabalho tem de respeitar os contratos de trabalho

Corte aponta, no entanto, que em situações emergenciais, como a atual crise da Covid-19, a adoção da jornada online temporária prescinde formalização, mas deve respeitar leis trabalhistas. 

Coronavírus: Teles advertem que sem equipes técnicas na rua, há risco para a rede

O SindiTelebrasil está alertando Estados e municípios sobre a necessidade e urgência em manter suas equipes técnicas e os call centers em operação, ainda que de forma reduzida, para garantir a conectividade e como medida essencial.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site