Home - Convergência Digital

Brasileiro usa pouco a Internet para fazer compras e teletrabalho

Ana Paula Lobo* - 26/05/2020

O brasileiro consome muito a Internet, mas ainda a usa pouco para transações e trabalho, aponta a TIC Domicílios 2019, divulgada nesta terça-feira, 26/05, pelo CETIC.br. O levantamento mostra que apenas 39% dos usuários da Rede no Brasil fizeram compras online ao longo de 2019, conforme mostra a TIC Domicílios 2019, o que mostra um caminho a ser desbravado no ecommerce. Já no trabalho remoto, o percentual é mais baixo: 33% e muito centrado nas classes A e B. Vale observar que a pesquisa foi feita de outubro a março deste ano, e acabou antes da pandemia de Covid-19.

O relatório mostra ainda que 41% dos usuários de Internet afirmam efetuar atividades ou pesquisas escolares na rede, sendo que 40% estudam por conta própria e 12% realizam cursos à distância. Apenas um terço dos usuários (33%) fazem trabalho pela Internet, sendo que essa proporção representa menos da metade da força de trabalho (45%). O teletrabalho - massificado pela pandemia de Covid-19 - era realidade apenas para as classes A e B. Nas classes D e E, o índice fica em apenas 18%.

As atividades de comunicação são as mais comuns no uso da rede, sendo o envio de mensagens instantâneas realizado por 92% dos usuários de Internet, seguido pelo uso de redes sociais (76%) e chamadas por voz ou vídeo (73%), em crescimento nos últimos anos. A busca por informações também está entre as principais atividades realizadas na Internet, sobretudo a busca por produtos e serviços (59%), seguida por assuntos relacionados a saúde ou a serviços de saúde (47%). Essa última apresenta uma proporção menor entre pessoas de 60 anos ou mais (39%) e nas classes DE (31%).

Ainda, 41% dos usuários de Internet afirmam efetuar atividades ou pesquisas escolares na rede, sendo que 40% estudam por conta própria e 12% realizam cursos à distância.

Atividades culturais na Internet

Assistir a vídeos (74%) e ouvir música (72%) também estão entre as atividades mais realizadas pelos usuários de Internet brasileiros. Isso corresponde a pouco mais da metade da população acima dos 10 anos que realiza tais atividades (56%), havendo, nos últimos anos, uma ampliação do consumo via streaming.

Os vídeos, programas, filmes ou séries são mais assistidos em sítios ou por aplicativos de compartilhamento de vídeos (46%), por aplicativos de mensagens instantâneas (44%), seguidos pelas redes sociais (38%) e por serviços por assinatura (33%). O pagamento para assistir a filmes e séries na Internet ocorre em quase a metade dos indivíduos da classe A, e cerca de um terço da classe B, sendo pouco comum entre usuários das classes C e DE.

Em relação às atividades culturais, a TIC Domicílios 2019 investigou também, de forma inédita, a proporção dos usuários de Internet que escuta podcasts (13%), com predominância entre usuários da classe A (37%) e que possuem ensino superior (26%).

O Brasil conta com 134 milhões de usuários de Internet, o que representa 74% da população com 10 anos ou mais. Apesar do aumento significativo nos últimos anos na proporção da população brasileira que usa a Internet, cerca de um quarto dos indivíduos (47 milhões de pessoas) seguem desconectados.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

08/07/2020
NIC.br abre novas opções de domínios .br

25/06/2020
Wiki Telecom expande rede DWDM em 500 km na região Nordeste

19/06/2020
Numeração para internet ganha mais 60 dias de consulta pública

09/06/2020
CGI.br renova quadro de conselheiros pelos próximos três anos

02/06/2020
Autor do PL das Fake News pede retirada da pauta do Senado

02/06/2020
Relator cria projeto linha dura para combater fake news

01/06/2020
Autor do PL das 'fake news' sugere cortar imposições às plataformas e deixar debate para CGI.br

01/06/2020
Latinos desconfiam de censura em dados sobre a Covid-19

29/05/2020
Rede Social terá que indenizar em R$ 20 mil por não remover pornografia de vingança

26/05/2020
Brasileiro usa pouco a Internet para fazer compras e teletrabalho

Destaques
Destaques

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site