Clicky

Embratel: satélites de baixa órbita miram novas aplicações de IoT e M2M

Por Fábio Barros e Carlos Afonso ... 30/10/2019 ... Convergência Digital

Anos depois do final de iniciativas como a Iridium e a GlobalStar, as constelações de satélites de baixa órbita estão de volta ao mercado. A seu favor, neste retorno, elas têm tecnologia mais avançada e flexibilidade, que as tornam uma opção viável para aplicações de banda larga.

Em um painel realizado no Futurecom 2019, o diretor geral da Embratel Star One, Lincoln Oliveira, afirmou que há hoje um grande clima no mercado por causa da chegada das constelações de satélites de baixa órbita. “Isso tem nos levado a estudá-las para entender como poderão chegar ao nosso ecossistema e como conviverão com nossos satélites já existentes”, explicou. 

De todo modo, Oliveira disse que o mercado já sente o impacto destas novas constelações. Primeiro: como elas prometem serviços mais baratos, somente a expectativa de sua chegada já tem causado reduções de preço. Outra consequência é a criação de novas cadeias de valor no mercado. “Para enfrentar os desafios que estas constelações estão trazendo, o mercado tem desenvolvido novas formas de fabricação de satélites  e novos modelos de negócios. São benefícios interessantes provocados por estas mudanças”, avaliou.

Segundo o head de Desenvolvimento Corporativo para a América Latina da SES Networks, Fabio Alencar, no futuro o mercado deve assistir à convivência entre sistemas geoestacionários e as constelações LEO. “Tanto que estamos caminhando no sentido de desenvolver sistemas de controle e alocação de recursos, que serão importantes neste novo cenário”, afirmou.

Para Mauro Wajnberg, general manager da Telesat, o mercado está demandando bandas elevadas, baixa latência e menor custo por bit, o que torna a arquitetura LEO a mais indicada. “Uma constelação LEO entrega terabits e isso permite que tenhamos um custo menor pela escala de entrega”, disse, revelando que a companhia lançou seu primeiro protótipo LEO no ano passado e agora realiza suas primeiras provas de conceito.

Oliveira, da Star One, observou que as constelações em desenvolvimento vão atender aplicações de IoT, M2M e outras. É esta gama de possibilidades que tem atraído para o mercado empresas como a Amazon, que está desenvolvendo sua própria constelação. “É este cenário que temos utilizado como pano de fundo para avaliar e estudar nosso posicionamento daqui para a frente”, afirmou. Assistam à entrevista com Lincoln Oliveira, da Embratel Star One.


Internet Móvel 3G 4G
5G privado para o B2B faz Telefônica fazer teste com rede open source TIP

Apetite das teles pelo 5G empresarial fez operadora, dona da Vivo, aderir a um grupo de trabalho para desenvolver uma arquitetura mais flexível em relação às operações tradicionais. Nova infraestrutura vai incorporar o OpenRAN. Testes em laboratórios serão em Madrid. Os de campo vão acontecer em Málaga, mas a operadora não revela cronograma de datas.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Oi: fibra ótica é o chassi de suporte para Wi-Fi 6, Wi-Fi 6E e 5G

Para o VP da Oi, Carlos Eduardo Monteiro, o Brasil tem desafios a vencer para a expansão do Wi-Fi 6, como ofertar mais segurança jurídica e regulatória para os investimentos. O câmbio – já que todos os aportes e equipamentos são atrelados ao dólar – desponta como um gargalo a ser enfrentado.

Pequenos provedores querem antecipar uso outdoor do Wi-Fi 6E

“Desenvolver toda a base de dados leva tempo. Mas há operações que já sabemos onde são usadas e onde evitar problemas. Então podemos começar a implementar desde já”, diz o presidente da Associação Neo, Alex Jucius. 

GSMA: há risco no uso do Wi-Fi 6E em ambiente outdoor

Entidade insiste na necessidade de destinar uma parte dos 1200 MHz do espectro de 6 GHz para a oferta de serviços licenciados. "Essa faixa é mais viável para atender a demanda de espectro de banda média", afirma o diretor para a América Latina na GSMA, Lucas Gallitto.

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi
Empresa brasileira se prepara para oferecer Wi-Fi como serviço
Cambium Networks: é urgente a necessidade de atualização das redes para o Wi-Fi 6
IDC: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E exigem evangelização por parte do ecossistema
Facebook: risco de interferência em 6 GHz não afeta a oferta do serviço
Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas
Veja mais matérias deste especial

Integração da Oi Móvel pela TIM começa pelas frequências e tem prazo de 12 meses

Estratégica para os planos da tele no Brasil nos próximos anos, a integração dos ativos da Oi Móvel começará 'nos dias subsequentes' à aprovação do negócio, afirmou o CEO Pietro Labriola.

Anatel estima que 5G vai custar R$ 35 bilhões no Brasil

Compromissos de cobertura previstos superam os R$ 23 bilhões. Cálculos anda precisam passar pelo crivo do Tribunal de Contas da União.  Anatel também prevê investimentos de mais de R$ 80 bilhões nos próximos 20 anos.

Governo retira exclusividade da Telebras da gestão da rede privada

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, revelou que vai alterar Decreto Presidencial para dar às teles a opção de gerenciar à rede tirarando a exclusividade até então concedida à Telebras.

Vivo assume que rede neutra fará a diferença no 5G

Batizada de FiBrasil, a rede neutra terá papel central na estratégia nacional, afirmou o CEO da Vivo, Cristian Gebara.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G