Home - Convergência Digital

Mais da metade dos brasileiros quer aprender programação e análise de dados

Convergência Digital - 30/10/2020

Para 94% dos trabalhadores brasileiros existe uma lacuna de habilidades no país – ou seja, uma falta de capacitação dos profissionais, revela o Relatório Global Lacuna de Habilidades 2019/2020, realizado pela plataforma de aprendizado e ensino online Udemy. O número no Brasil é o maior entre os países pesquisados (Brasil, México, Índia, Espanha e França). Na Espanha, por exemplo, o número é de 77%. No México, é de 72%. A média global é de 83%.

A geração que mais sente essa lacuna no Brasil é a X (que inclui profissionais de 36 a 52 anos) – 96% dos entrevistados dizem acreditar que exista, sim, uma falta de qualificação no país. Em seguida, vêm os millennials (profissionais dos 21 aos 35 anos), com 94%, e os baby boomers (profissionais dos 53 aos 71 anos), com 92%. Não há diferenças significativas em como as mulheres e os homens brasileiros percebem essa questão.

Quando perguntados se a lacuna de habilidades os afeta diretamente, 75% dos trabalhadores brasileiros disseram que sim. O número é quase 3 pontos percentuais mais alto que o encontrado pelo mesmo relatório no ano passado – o que pode querer dizer que os profissionais estão mais conscientes de que a qualificação precisa melhorar no país.

Como, então, preencher essa lacuna? Quais são as habilidades que os profissionais brasileiros precisam aprender? O estudo da Udemy também perguntou aos trabalhadores quais são as competências que são mais valorizadas pelos empregadores atualmente. 55% deles responderam que são as técnicas/digitais (programação, análise de dados, web design e marketing/SEO, por exemplo). Em segundo lugar, ficaram as de liderança e gestão (como criação de equipes, resolução de conflitos e liderança de times), com 53%.

E como adquirir essas habilidades? De acordo com 67% dos profissionais entrevistados, o ensino universitário não oferece toda a qualificação necessária para que eles sejam eficazes nos seus trabalhos. Para aprender essas competências, eles estão estudando de outras formas.

Quando perguntados sobre qual é a sua principal fonte para aprender novas habilidades, 47% dos trabalhadores brasileiros responderam que eram cursos e vídeos online. Em segundo lugar, com 31%, ficaram os treinamentos patrocinados pelas empresas em que eles trabalham. E em terceiro, com 10%, ficaram os livros e eBooks.

A percepção dos trabalhadores brasileiros sobre os seus colegas que fazem aulas online para aprenderem novas competências é boa. 58% dos entrevistados disseram acreditar que os profissionais que fazem esse tipo de aula são mais qualificados que os outros. Além de ser algo bem visto pelos pares, estudar online pode atrair positivamente a atenção dos empregadores.

Outros dados interessantes do Relatório Global Lacuna de Habilidades 2019/2020:

91% dos profissionais brasileiros disseram já terem precisado adquirir novas habilidades para fazerem os seus trabalhos da melhor forma possível;
63% dos profissionais brasileiros disseram que deixariam os seus empregos se os empregadores não fornecessem os treinamentos necessários para ajudá-los a progredirem na carreira;
Para 53% dos entrevistados, é muito importante que os seus chefes e empregadores incentivem uma cultura de aprendizado constante na empresa em que trabalham.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

25/02/2021
Hospital Sírio-Libanês abre processo seletivo para Programa de estágio em tecnologia

23/02/2021
Maratona de conhecimento em cibersegurança acontece no dia 10 de março

19/02/2021
Faculdade Anhanguera lança Academia Tech com 12 cursos de tecnologia

17/02/2021
CI&T e Fundação Bradesco promovem curso gratuito sobre liderança Lean

11/02/2021
LinkedIn: empresas buscam por mais e mais profissionais de TI no Brasil

02/02/2021
Programa Tech.Já abre 500 vagas para curso online e gratuito de suporte em TI

27/01/2021
TIM oferece curso de inglês gratuito para seus 10 mil colaboradores

19/01/2021
IGTI abre inscrições para evento gratuito de desenvolvimento de software e bolsas para Bootcamps

18/01/2021
Multinacional de TIC oferece 5 mil bolsas de estudos em cursos de programação

15/01/2021
TIVIT vai formar 20 desenvolvedores em programa de Jovem Aprendiz

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Muito além do modismo. Muito prazer, Python!

Por Guilherme Lima*

Além de aumentar a produtividade do desenvolvedor, muitas vezes, a linguagem Python vai além de linguagens compiladas ou estaticamente tipadas, como C, C ++ e Java. É importante lembrar que o código Python tem, normalmente, de um terço a um quinto do tamanho do código C ++ ou Java, por exemplo. Isso significa que há menos para digitar, depurar e menos para manter após o fato.

Destaques
Destaques

Na liderança, curiosidade insana e coragem impactam mais que a competência

Vice-presidente para setor público na AWS, Teresa Carlson, e Indra Nooyi, membro do board da Amazon e ex-CEO e chairman da PepsiCo, admitiram que a Covid-19 tem provocado crises existenciais em muitas pessoas e que, há, sim, um forte e um injusto desequilíbrio para as mulheres.

Média salarial de profissional de TI no Brasil ficou em R$ 4.849,00

Pesquisa nacional, realizada pela Assespro-Paraná e pela UFPR, mostra a desigualdade econômica do país. No Nordeste, em Sergipe, a média salarial é de apenas R$ 1.943.00. Em São Paulo, essa média sobe para R$ 6.061,00. Outro ponto preocupante: a diferença salarial entre homens e mulheres segue acima de dois dígitos.

Certificação é critério de seleção para encarregado de dados

Ainda que a LGPD não exija qualificação específica, o mercado busca profissionais com conhecimento na área. Formação pode custar até R$ 6 mil, observou Mariana Blanes, advogada e sócia do Martinelli Advogados, ao participar do CD em Pauta.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site