OPINIÃO

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *
19/09/2019 ... Convergência Digital

Na tecnologia, o carro autônomo se tornou um dos temas mais abordados nos últimos tempos. Cientistas de diversas partes do mundo “correm” para desenvolver os detalhes e infraestrutura para o veículo do futuro, que está cada vez mais próximo. Países como Estados Unidos e Alemanha anunciaram recentemente a criação de automóveis autônomos de nível 4 (se movimenta por conta própria, mas ainda requer intervenção humana) e a China esteja se programando para testar o de nível 5 (100% autônomo) para aplicativos de transporte, diversos questionamentos pairam sobre o funcionamento do carro autônomo na prática.

Além dos investimentos de infraestrutura das vias, do próprio automóvel, segurança de dados e redes móveis com alta velocidade e redundância para transmissão de dados em tempo real – itens que o Brasil ainda precisa evoluir – uma das principais perguntas é como o carro autônomo tomará decisões durante o tráfego.

É fato que os investimentos em Internet of Things (Internet das Coisas) e Inteligência Artificial vem crescendo. De acordo com pesquisa do IDC, os gastos mundiais com IA devem chegar a US$ 35,8 bilhões neste ano, um crescimento de 44% em relação a 2018, com previsão de dobrar até 2022. Já os investimentos em IoT devem atingir US$ 9 bilhões e seguir com 20% de crescimento anual até 2022.

Essa tendência engloba e deve impactar a produção do carro 100% autônomo e situações como semáforo vermelho e interação com os demais automóveis certamente poderão ser programadas na inteligência do veículo, mas o tráfego nas grandes cidades é muito mais complexo, contando com uma série de situações inesperadas e a decisão previamente programada nem sempre será a melhor saída.

Por exemplo: em uma situação de colisão inevitável entre outro automóvel e um carrinho de supermercado, o que você escolheria? E se ao invés do carrinho de supermercado fosse um carrinho de bebê? E se a decisão for colidir com outro automóvel, como será essa escolha: pelo menor dano causado ao outro ou ao próprio carro? Como o carro autônomo saberá diferenciar esses casos para tomar a melhor e óbvia decisão?

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos. Além disso, é preciso considerar que o raciocínio humano é confuso para os robôs e vice-versa.

Adiciona-se a isso a infinidade de situações possíveis e a conta fica difícil de resolver: faixas obstruídas, animais e objetos na pista, ciclistas etc, tudo isso precisa ser identificado em tempo real, assim como a decisão de como agir necessita ser instantânea para evitar desastres. Como prever todos esses imprevistos e dar ao carro autônomo o comando correto para que ele seja totalmente seguro? Como fazer as perguntas certas para evitar que o aprendizado via machine learning não seja equivocado?

Além da inteligência, também existem as questões jurídicas e éticas. Em casos de acidente, quem será responsabilizado? A empresa que criou o veículo ou proprietário do automóvel? E se ele precisar acelerar a velocidade para desviar de um pedestre na via e também evitar a colisão com outro veículo, ele deve seguir a lei ou preservar vidas? Considere-se também que o automóvel necessita de câmeras, tanto na via quanto em sua estrutura para funcionar de forma segura. Como fica a privacidade dos dados nesta situação?

São muitas perguntas para poucas respostas e é crucial que a ciência e a sociedade façam todas elas antes que o carro 100% autônomo se torne realidade. É possível que a tecnologia avance a ponto de termos robôs capazes de interpretar situações tais quais os humanos, mas, enquanto isso não acontece, é ideal que automóveis com este nível de autonomia circulem apenas em vias próximas, para a segurança de todos e o bem-estar do desenvolvimento tecnológico.

Rogério Borili é vice-presidente de tecnologia da Becomex, empresa de consultoria estratégica e tecnologia avançada especializada nas áreas fiscal, tributária e aduaneira.



Carreira
Dissídio TI/São Paulo: Trabalhadores querem convenção coletiva para empresas com até 100 trabalhadores

Mediação entre trabalhadores e patrões de TI de São Paulo aconteceu no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Sem vislumbrar acerto com as grandes empresas, trabalhadores tentam negociar para as de menor porte. Nova audiência foi agendada para o dia 31 de março.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G