Oi tira Highline e dá exclusividade à Claro, TIM e Vivo pela Oi Móvel

Ana Paula Lobo* ... 07/08/2020 ... Convergência Digital

A disputa virou. Se a Highline do Brasil teve a exclusividade até o dia 03 de agosto, agora, Claro, TIM e Vivo ficaram com a opção, conforme informam fatos relevantes divulgados por Vivo e TIM nesta sexta-feira, 07/08, na CVM. O fato relevante informa que a exclusividade foi dada por conta da proposta de R$ 16,5 bilhões, superior a dada pela Highline de R$ 15 bilhões.

O acerto com a Oi tem como objetivo garantir segurança e celeridade às trativas em curso entre as ofertantes e o Grupo Oi e também permitir que o consórcio das teles assuma a condição de 'stalking horse', ou 'primeiro proponente', na aquisição da Oi Móvel, que ainda vai ter de ser aprovada em Assembleia de Credores da Oi.

De acordo com o portal Teletime, a assembleia geral de credores (AGC) da recuperação judicial Oi será realizada no início de setembro, de forma presencial, em local já reservado. A decisão foi tomada pelo juiz da 7ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Fernando Viana, que considerou os impactos das medidas sanitárias contra a covid-19, mas entendeu que o tamanho da operação poderia trazer riscos de segurança e mesmo de operacionalização técnica.

O Convergência Digital publica a íntegra do fato relevante da Telefônica/Vivo:

A Telefônica Brasil S.A. ("Companhia"), na forma e para os fins da Instrução CVM nº 358/2002 ("ICVM 358"), conforme alterada, em continuidade aos Fatos Relevantes divulgados em 10 de março de 2020, 18 de julho de 2020 e 27 de julho de 2020, informa aos seus acionistas e ao mercado em geral que, em virtude da oferta vinculante revisada apresentada ao Grupo Oi em 27 de julho de 2020 ("Oferta Revisada"), em conjunto com a TIM S.A. ("TIM") e Claro S.A. ("Claro" e, conjuntamente com a Companhia e com a TIM, as "Ofertantes"), o Grupo Oi concedeu às Ofertantes, por meio da celebração de Acordo de Exclusividade ("Acordo"), exclusividade para negociar os documentos e anexos relativos à Oferta Revisada.

O Acordo visa (i) garantir segurança e celeridade às tratativas em curso entre as Ofertantes e o Grupo Oi e (ii) permitir que, uma vez satisfatoriamente finalizadas as negociações entre as partes, as Ofertantes possam, sujeito às autorizações necessárias por parte do Grupo Oi, ser pré-qualificadas na condição de "stalking horse" ("primeiro proponente"), para o processo competitivo de alienação dos ativos de telefonia móvel do Grupo Oi, garantindo assim o direito de cobrir ("right to top") outras propostas recebidas no referido processo.

O Acordo tem vigência inicial até o dia 11 de agosto de 2020 e será renovado automaticamente por períodos iguais e sucessivos, salvo se houver manifestação em contrário por qualquer das partes.

A Companhia manterá seus acionistas e o mercado geral devidamente informados do andamento do processo em relação à nova oferta apresentada, nos termos da ICVM 358 e da legislação aplicável.

São Paulo, 7 de agosto de 2020.
David Melcon Sanchez-Friera
CFO e Diretor de Relações com Investidores

*Com CVM e portal Teletime


Internet Móvel 3G 4G
Para TIM, migração para banda Ku vai atrasar ainda mais 5G

Presidente da operadora, Pietro Labriola, diz que opção pelos filtros nas parabólicas é saída mais pragmática. “Não podemos leiloar uma frequência que ficará ociosa”, afirma.

SindiTelebrasil muda marca para Conexis. Rodrigo Abreu, da Oi, assume comando

Abreu substitui o presidente da Algar Telecom, Luiz Alexandre Garcia, que ficou à frente da entidade nos últimos cinco anos. Prioridades de Abreu são o leilão 5G e fazer valer a Lei das Antenas no dia a dia real das teles.

Relator no Senado propõe desoneração de IoT e VSats sem mudar texto da Câmara

Relator do PL 6549/19 na CCT, senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) sustenta que isenção de Fistel, Condecine e CFRP vai, na prática, aumentar a arrecadação . “Ganho líquido na arrecadação será de R$ 2,9 bilhões”, afirma. 

Empate suspende decisão do STF sobre desbloqueio de celular em 24 horas

Operadoras questionam no Supremo uma lei do Rio de Janeiro que determina o desbloqueio da linha 24 horas após quitação de dívida. Placar está em 5 a 5. 

Para Oi, assinatura básica teria que ser acima de R$ 100 para pagar concessão

Presidente da Oi, Rodrigo Abreu, diz que a pandemia foi ruim para o setor e que a busca pelo equilíbrio é fundamental. “O ‘break even’ seria mais caro que um pacote básico de banda larga."

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G