Clicky

Vivo, Claro e TIM fatiam Oi Móvel. Anatel diz que há muito por analisar

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/12/2020 ... Convergência Digital

Em comunicados ao mercado, Vivo, Claro e TIM explicaram, enfim, os termos do fatiamento da Oi Móvel, cuja venda foi homologada nesta segunda, 14/12, pela 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, onde corre a recuperação judicial da Oi. Além de quanto pagaram pelo fatiamento do ativo Oi Móvel, as empresas anunciaram o que cada uma levou no negócio.

Em linhas gerais, a divisão foi de 44% para a TIM, 33% para a Vivo e 23% para a Claro. O trio explicou parte da divisão, mas os detalhes finos ainda precisam ser submetidos à Anatel. “Há uma série de procedimentos e análises a serem realizados”, destaca o presidente da agência, Leonardo de Morais. “As condições de contorno da operação não foram explicitadas e é prudente aguardar a formalização do pedido de anuência prévia”, ressaltou. 

Um ponto central é que a venda por R$ 16,5 bilhões representa a troca do ativo mais valioso do negócio de telecomunicações para o enfrentamento da crise e o consequente plano de soerguimento econômico-financeiro da Oi. A empresa já vendeu datacenters e torres, e espera alienar, pelo menos, 51% da operação de fibra óptica. A joia da coroa ficou com os concorrentes. 

O maior desembolso será da TIM, R$ 7,3 bilhões, ou 44% do preço total do negócio. Com isso vai levar aproximadamente 14,5 milhões de clientes, ou 40% da base atual da Oi Móvel, além de 7,2 mil sites (49% do total). E ainda os especialmente cobiçados 49 MHz em radiofrequências, um pouco mais de 53% de todo o espectro atualmente detido pela Oi. Com isso, a TIM passará a contar com 166 MHz de espectro. A empresa leva, ainda, o 58% da capacidade dos circuitos da Oi. 

A Vivo vai pagar R$ 5,5 bilhões, exatamente um terço do valor total. Por esse preço, vai ficar com 10,5 milhões de clientes da Oi, ou cerca de 29% da base, e o uso de 2,7 mil sites (19%). O acordo prevê, ainda, o uso de 22% do contrato de capacidade de rede. E, assim como a TIM, a Vivo também abocanha o restante das radiofrequências da Oi, em um total de 43 MHz – o que representa um pouco mais de 46% do espectro da tele móvel que deixa de existir. Como resultado, a Vivo pula dos atuais 155 MHz para 198 MHz de espectro disponível. 

Já para a Claro o tamanho do investimento chega a R$ 3,7 bilhões (22% do total), mas com isso levará quase 32% dos assinantes da Oi, algo próximo a 11,5 milhões de clientes. Além disso, a empresa ficará com 4,7 mil sites, também correspondente a cerca de 32% da rede vendida. E ainda com 20% do contrato para uso dos circuitos da Oi. A Claro, que até então era a operadora móvel com maior quantidade de espectro e não levou adicional, manteve-se com os 177 MHz que já possui. Vale lembrar que a Claro recentemente comprou a Nextel. 

Sem surpresas, não houve concorrentes ao trio. “Em razão da apresentação da única proposta fechada para aquisição da UPI Ativos Móveis, o Juízo da Recuperação Judicial homologou a proposta das Proponentes como vencedora do procedimento competitivo de alienação da UPI Ativos Móveis, após as manifestações favoráveis do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e do Administrador Judicial”, anotou a Oi em comunicado ao mercado. 

Completa ainda a Oi que “conforme previsto no Edital UPI Ativos Móveis, será celebrado com as Proponentes o respectivo Contrato de Compra e Venda de Ações, ficando a efetiva conclusão da transferência das ações sujeita ao cumprimento das condições previstas em tal contrato, dentre as quais, a anuência prévia da Agência Nacional de Telecomunicações, Anatel, e a aprovação da compra e venda das ações pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica, CADE”.


Internet Móvel 3G 4G
Anatel libera edital do 5G

Agência reguladora diz que preços só vão ser conhecidos oficialmente depois da avaliação do Tribunal de Contas da União. Documento liberado destaca os principais pontos do edital, aprovado na semana passada pelo Conselho Diretor da Anatel. Certame terá a maior oferta de espectro da história do Brasil.

AO VIVO!     Dias 02 e 03 de março
Clique aqui para assistir

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas

“Calculamos a contribuição de US$ 112 bilhões ao PIB, US$ 30 bilhões em valor adicionado à produção e US$ 21 bilhões em consumo na próxima década no mercado brasileiro”, afirma a presidente da Dynamic Spectrum Alliance, Martha Suarez.

Amazon: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E têm um casamento perfeito com o 5G

O engenheiro-sênior para Tecnologia Sem Fio da Amazon, Ravi Ichapurapu, explica que o espectro do 6 GHz permite obter vários gigabits de taxa de transferência e baixa latência, essenciais para aplicações como vídeos em 8K, automação industrial e no segmento automotivo.

Cisco: demanda para Wi-Fi em toda a faixa de 6 GHz já chegou

Explosão de hotspots e de dispositivos conectados e uso no trabalho e na educação já exigem capacidades, velocidades e latência compatíveis com novos hábitos, afirma o diretor de Tecnologia Sem Fio da Cisco, Matthew MacPhereson.

Veja mais matérias deste especial    •    Inscrição gratuita - Clique aqui

Vivo assume que rede neutra fará a diferença no 5G

Batizada de FiBrasil, a rede neutra terá papel central na estratégia nacional, afirmou o CEO da Vivo, Cristian Gebara.

Baigorri: Esperar demanda para exigir 5G pleno é o oposto de política pública

“O desconto no valor da frequência é uma decisão de Estado para financiar o investimento. É usar recurso público para garantir que Macapá, Boa Vista e Rio Branco tenham as mesmas funcionalidades de São Paulo”, afirma o relator do 5G na Anatel, Carlos Baigorri. 

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

STF descarta ação da PGR e mantém gratuidade do direito de passagem

Maioria do Plenário acompanhou o entendimento do relator, Gilmar Mendes, de que um ordenamento unificado nacional faz parte das competências da legislação federal. Para Conexis, "STF reconheceu papel vital da conectividade".




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G