Convergência Digital - Home

Mais que frequência, 5G exige muita fibra e muita nuvem

Convergência Digital
Ana Paula Lobo* - 01/03/2019

As operadoras brasileiras podem brigar por mais frequência para ter o 5G - o leilão da faixa está previsto para março de 2020 e a expectativa é que cada uma das quatro, se participarem, devem ficar com 50 Mhz a 80 Mhz, com as faixas de 3,5GHz (200 Mhz em leilão) e 100 Mhz na faixa de 3,3GHz - mas o que elas precisam fazer, e já, é investir muito em fibra óptica e em cloud computing, com vitualização, redes definidas por software e edge computing.

"O valor investido agora pelas operadoras é essencial. Infraestrutura é a base do 5G. Capacidade é o nome do jogo para vender as latência, que será de onde as operadoras vão tirar a rentabilidade. A expectativa é que o ARPU com o 5g cresça entre 10% a 20%. Espectro é relevante, mas sem fibra, sem nuvem, o preço do 5G fica proibitivo", afirmou o diretor-executivo de Business Network Consulting da Huawei América Latina,  Guillermo Solomon, em entrevista a jornalistas brasileiros durante o Mobile World Congress, realizado de 25 a 28 de fevereiro, em Barcelona, na Espanha.

Indagado se o espectro que será destinado para as teles brasileiras no 5G com o leilão previsto para marco de 2020, o executivo disse que sim, pelo menos, para uma oferta inicial do serviço que terá como prioridade a banda larga móvel fixa. "Espectro quanto mais melhor, mas é possível, sim, começar a ter o 5G com 50 Mhz ou pouco mais", reiterou. Em entrevista ao portal Convergência Digital, Guillermo Solomon, insistiu: 5G exige uma nova operadora de telecomunicações.

*Ana Paula Lobo viajou a Barcelona a convite da Huawei Brasil


LEIA TAMBÉM:
Destaques
Destaques

Embratel centraliza dados do ministério da Saúde na nuvem

Os dados do Portal do Ministério da Saúde, do Portal Coronavírus e e-SUS-VE foram 100% migrados para a nuvem da Embratel. Entre os aplicativos migrados está o CoronavírusSUS. Os apps de saúde já atingiram picos de mais de 80 milhões de acessos diários.

Compartilhamento de dados fomenta o big data no governo federal

A TIC Governo Eletrônico 2019 mostra que ainda há muito por usar em análise de dados no governo. O MPF foi o maior utilizador dos dados para análise. O Executivo ficou com apenas 20%. Serviços na nuvem também ficam aquém do desejado.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Transformação digital exige eficiência no gerenciamento

Por Luiz Fernando Souza*

Prevenir é sempre melhor do que remediar. Essa é uma máxima que precisa ser aplicada à transformação digital, e vale quando falamos da gestão dos servidores. E as razões são simples: é menos sofrido, menos dolorido e mais barato manter uma rotina de trabalho focada na manutenção, preservando com inteligência dados e sistemas.

Jornada para a nuvem: evite as armadilhas e faça a coisa certa

Por Fábio Kuhl*

Até bem pouco tempo, a nuvem era inovação, hoje me arrisco a dizer que, em breve, uma commodity.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site