Home - Convergência Digital

Leilão 5G: TIM e Claro defendem adiamento. Vivo adverte para momento incerto

Ana Paula Lobo* - 06/05/2020

O presidente da TIM Brasil, Pietro Labriola, endossou nesta quarta-feira, 06/05, a posição defendida em live do Futurecom pelo CEO da Claro, Paulo César Teixeira, e defendeu a não realização do leilão 5G ainda em 2020, como aventa a Anatel. Para Labriola, hoje, o leilão 5G é 'uma escolha do sistema econômico do País e não dos players de telecomunicações". O presidente da TIM Brasil afirmou que todas as teles ainda investem muito no 4G e na preparação das redes para o 5G.

"Sabemos que para o governo - que estima arrecadar R$ 246 bilhões com o 5G, sendo uma parcela dessa receita com as operadoras de telecomunicações, o leilão é relevante. Mas para nós, o esforço está muito no 4G, na infraestrutura", apontou. O CEO da Claro, Paulo César Teixeira, deixou claro que o leilão 5G precisa ser replanejado em função de toda incerteza econômica global e no Brasil.

O CEO da Vivo, Christian Gebara, também nesta quarta-feira, 06/05, foi mais cauteloso e não chegou a fazer uma defesa do adiamento do leilão do 5G, mas admitiu que o momento está muito incerto para todo o ecossistema de telecomunicações. "Não sabemos como será o calendário da Anatel, apresentamos nossa contribuição, mas até lá, vamos investir no 4,5G. Acreditamos que o 4G e o 5G vão conviver por muito tempo", completou.

A Anatel -apesar dos protestos - encerrou a consulta pública sobre o 5G no dia 17 de abril e entrou no período de análise das contribuições realizadas pelo mercado. A agência, mesmo com a pandemia de Covid-19, ainda trabalha com a possibilidade de fazer o leilão ainda em 2020, até para atender ao plano econômico do Governo Bolsonaro, que incluiu o 5G como prioridade de arrecadação. A questão é que a Anatel defende o leilão menos arrecadatório e mais voltado à cobertura e metas de serviços.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

19/06/2020
CEO da Algar: Banir fornecedor do 5G seria um tremendo equívoco

18/06/2020
Aumento de espectro para 5G está em consulta pública

17/06/2020
Qualcomm leva 5G para smartphones de baixo custo

17/06/2020
5G é agenda prioritária para novo ministro das Comunicações

16/06/2020
Rodrigo Maia:"é melhor deixar a política de fora do leilão 5G"

Destaques
Destaques

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

De acordo com a KPMG, será preciso ainda cuidar da avaliação de riscos, governança, gestão da configuração e gestão da cadeia de suprimentos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site