TELECOM

TelComp: roubos de cabos, fibras e equipamentos não deram trégua na pandemia

Ana Paula Lobo ... 04/06/2020 ... Convergência Digital

Os roubos de equipamentos de telecomunicações não diminuíram em função da Covid-19, lamenta o presidente da TelComp, João Moura. Segundo ele, as operadoras investiram na tecnologia para minimizar o efeito dos roubos como, por exemplo, a adoção dos chips nas caixas de emendas e nas máquinas de ferramentas de maior valor agregado, o que reduziu a ação dos criminosos, mas o roubo de cabos metálicos e fibra ótica – onde a tecnologia não tem ainda como ser usada – não cessou.

"Tivemos dois episódios em Porto Alegre e São Paulo bastantes significativos. As equipes de manutenção estão sob estresse. Eles são serviços essenciais e lidam com tudo na rua. O roubo para o serviço, desgasta o usuário, desgasta a operadora, desgasta todo mundo", lamenta Moura. Com relação à tecnologia, o presidente da TelComp diz que o uso dos chips permitiu, ao menos, o rastreio e a recuperação dos equipamentos, muitas vezes em outros Estados.

Para Moura, o ecossistema usuário dos postes precisa agir. Ele lembra que as distribuidoras são donas dos postes, as operadoras têm de gerir a manutenção das suas redes e a polícia precisa impedir que os criminosos atuem. "O vandalismo tem um custo imenso para as elétricas, para as operadoras e para a sociedade", reforça Moura, sem no entanto, quantificar esse valor.

No último estudo disponibilizado sobre o tema pelo SindiTelebrasil, em 2016, o roubo de cabos e rádios de Telecom custavam R$ 320 milhões ao ano às operadoras. O mercado negro é considerado o grande comprador dos equipamentos roubados, uma vez que o material é reciclado e reutilizado em diferentes mercados.


Com Lei, small cells avançam no Distrito Federal

"As pequenas antenas são essenciais para a melhor cobertura do 4G e depois para o 5G e tiveram dispensa de licitação. Podem ser colocadas em bancas, placas de sinalização, etc.", explica o diretor do SindiTelebrasil, Ricardo Dieckmann. Gargalos, agora, seguem sendo São Paulo e Belo Horizonte.

Teles quebram dados móveis em bairros e regiões para combate à Covid-19

Ferramenta é usada por 22 cidades e 17 estados: Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Sergipe e São Paulo.

Padtec reorganiza e se prepara para ir à Bolsa de Valores

IdeiasNet, ex-controladora, foi incorporada pela Padtec Holding. Ida à B3 é estratégia de médio prazo e servirá para a expansão internacional da companhia.

Londrina quer vender Sercomtel por R$ 130 milhões

Tentativa de privatização da operadora, que tem cerca de 400 mil acessos de telefonia e internet, foi remarcada para 18/8, na B3. Prefeitura admitiu o parcelamento na aquisição para atrair interessados nessa nova tentativa.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G