GOVERNO » Legislação

Câmara muda MP 983, resgata certificado digital e permite emissão virtual

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/08/2020 ... Convergência Digital

ATUALIZADA -Com um novo texto apresentado pelo relator, deputado Lucas Vergilio (Solidariedade-GO), a Câmara aprovou na noite desta terça-feira, 11/8 a conversão em lei da Medida Provisória 983/20. A norma cria um novo nível de assinatura digital, chamada ‘avançada’, que poderá substituir o certificado digital em interações que não envolvam sigilo constitucional, legal ou fiscal. O texto ainda vai ao Senado Federal. 

A proposta original do governo previa um escopo mais amplo para a nova “assinatura avançada”. A intenção era que ela valesse para grande parte das interações entre cidadão e governo, tendo como suporte identificações prévias e confirmadas por algum tipo de serviço público, como um pedido ao INSS, ao Detran ou ao Banco Central. 

O governo sugeria, por exemplo, que transações de veículos, por exemplo, pudessem passar a ser assinadas com o nível da “avançada”, assim como esta nova assinatura também seria válida para receitas médicas. Mas o relator excluiu a primeira possibilidade expressamente e limitou a segunda, exigindo certificado digital ICP-Brasil para medicamentos controlados (‘tarja preta’) e para atestados. 

Outra mudança importante no substitutivo à MP 983 foi a incorporação do que estava previsto em outra Medida Provisória, 951, quando trata da possibilidade de emissão não presencial do certificado digital. Foi incluída, assim, a previsão de que “a identificação será feita presencialmente, mediante comparecimento pessoal do usuário, ou por outra forma que garanta nível de segurança equivalente, observadas as normas técnicas da ICP-Brasil.” 

Para o consultor e ex-presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), Renato Martini, as mudanças na Câmara foram positivas ao preservar a segurança jurídica dos certificados digitais. “O projeto de conversão melhorou em muito o regime de assinaturas eletrônicas criado pela MP original. O substitutivo evitou que tivéssemos uma enorme insegurança jurídica ao dar equivalência à nossa assinatura manuscrita a processos tão singelos como um mero login e senha ou coisa que o valha. Mas preservou a importante inovação de termos no país a figura de uma ‘assinatura avançada’, que não deve ser regulada, não faria sentido algum, e poder ser oferecida como uma credencial digital para aplicações da sociedade. Oportuno também foi a inserção do uso da videoconferência na ICP-Brasil que ia caducar com não votação da MP 951.”

O presidente-executivo da Associação Nacional de Certificação Digital, Egon Schaden Júnior, ressalta que a legislação brasileira incorporou um modelo já usado na União Europeia com três níveis de assinaturas, simples, avançadas e qualificadas. "O texto aprovado preserva o uso da ICP-Brasil para serviços que necessitam de garantia de sigilo, de segurança cibernética e de proteção de dados do cidadão. O projeto de conversão preservou as três assinaturas, detalhou os usos de cada tipo de assinatura, promovendo uma redação mais clara. E entregou para o país uma normativa muito semelhante à da Europa. As assinaturas avançadas já existem no mercado e agora estão reguladas". 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

STJ nega envio de 'Caixa de Pandora' para Justiça Eleitoral

Quarta Turma do Supertior Tribunal de Justiça autorizou, no entanto, nova perícia nos vídeos que flagraram, em 2009, empresários de tecnologia da informação pagando propina a integrantes do governo do Distrito Federal. 

MCTI e MCom vão compartilhar orçamento até 2021

Portaria interministerial foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. Até junho de 2021, os recursos serão compartilhados e será criado um Centro de Custos para a divisão dos gastos entre os dois ministérios, até a definição do orçamento de 2021.

TICs ganham fôlego com retirada do pedido de urgência da reforma tributária

Decisão agrada as empresas de software e serviços e ao mercado de telecomunicações. Isso porque a proposta de unificação do PIS e da Cofins, com elevação da alíquota para 12%, seria prejudicial para o setor, que pagaria ainda mais imposto.

Governo restringe o que ministros e secretários podem falar sobre estatais

Decreto altera o Código de Conduta da Alta Administração Federal para vedar divulgação de “informação que possa causar impacto” nas ações ou relações com consumidores, mercado e fornecedores. 

Consulta sobre estratégia nacional de propriedade intelectual é prorrogada até 13 de setembro

Proposta aborda uso da PI na competitividade e disseminação do conhecimento, além da governança institucional, marcos legais, segurança jurídica, inteligência e a inserção do Brasil no sistema global.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G